Estudo de Caso: A realidade socioeconômica de agricultores em comunidades tradicionais maranhenses

Autores

  • Georgiana Eurides de Carvalho Marques José Ribamar Araujo Carvalho e Maria da Paz Viana de Carvalho
  • Fernando Cesar Correa Madeira IFMA
  • Beatriz Rebelo Rocha IFMA
  • Vivian do Carmo LOCH IFMA
  • Marta Conde de Almeida Associação Agroecologica Tijupá

Resumo

A presente pesquisa analisou aspectos sociais e econômicos vivenciados por agricultores experimentadores residentes em comunidades tradicionais no Estado do Maranhão. Foram pesquisadas dezessete comunidades tradicionais localizadas nos municípios de Morros, Cachoeira Grande e Rosário através de observações e aplicação de questionários a quarenta e dois grupos familiares. Concluiu-se que os principais aspectos sociais e econômicos demonstrados nesta pesquisa estão no envelhecimento do campo, com o abandono dos jovens de suas terras de origem, índices elevados de analfabetismo, o reconhecimento da importância de ser agricultor, apesar dos desafios impostos pela diminuição da área de plantio e tempo de pousio e a participação em políticas públicas que contribuem na busca da melhoria de vida

Biografia do Autor

Georgiana Eurides de Carvalho Marques, José Ribamar Araujo Carvalho e Maria da Paz Viana de Carvalho

Departamento de Quimica, Profa. IFMA, Mestre em Agroecologia e Doutorando em Biotecnologia e Biodiversidade pela rede BIONORTE

Fernando Cesar Correa Madeira, IFMA

Departamento de Química

Beatriz Rebelo Rocha, IFMA

Departamento de Química

Vivian do Carmo LOCH, IFMA

Departamento de Química

Marta Conde de Almeida, Associação Agroecologica Tijupá

Engenheira Agronoma

Referências

AMOROZO, M. C. de M. Diversidade agrícola em um cenário rural em transformação: será que vai ficar alguém para cuidar da roça? 2.ed. In: MING, L. C; AMOROZO, M.C. de M.; KIFFURI, C. W. (Org.). Agrobiodiversidade no Brasil . Recife: NUPPEA, p.377-394.2012.

BORGES, P. Maioria dos analfabetos vive no Nordeste e é idoso, mas jovem segue nos índices. 2014. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2014-03-06/. Acesso em: abr 2015.

BALESTRO, M. V.; SAUER, S. A diversidade no rual, transição agroecológica e caminhos para a superação da Revolução Verde: introduzindo o debate. In: Sauer, S.; Balestro, M. V (org.). Agroecologia e os desafios da transição agroecológica. São Paulo: Expressão popular, p. 7-17p. 2013.

FERRAZ, JUNIOR, A. S. De L. O cultivo em aléias como alternativa para a produção de alimentos na agricultura familiar do trópico úmido. In: MOURA, E.G,; (Ed.). Agroambientes de transição: entre o trópico úmido e semi-árido do Brasil. Série Agroecologia – UEMA,v.I, São Luis, 2004. 71-100p.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. 1. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2004. p. 23

FORLINE, L.; FURTADO, L. G. Novas reflexões para o estudo das populações tradicionais na amazônia: por uma revisão de conceitos e agendas estratégicas. Bol. Mus Emilio Goeldi, serie antropológica, 18(2), 19p. 2002.

PESQUISA NACIONAL DE AMOSTRA EM DOMILICIOS. 2013. Disponível em: www.Ibge.org. Acesso em: abr 2015.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 2. Estratégias de Desenvolvimento Socioeconômico.