Flor comestível, trapoeolum majus L., uma fonte de carotenoide

Autores

  • Neide Botrel Embrapa Hortaliças
  • Nuno Rodrigo Madeira Embrapa Hortaliças
  • Ricardo Luiz Vasconcelos Ribeiro

Resumo

As flores da capuchinha Tropaeolum majus são fontes de carotenoides. Foi avaliado características físico-químicas e teores de carotenoides em flores amarelas e laranjas na forma in natura e desidratada. Três métodos de desidratação: temperatura ambiente ( ± 25 oC), estufa (40 oC) e liofilização. Analisou-se pH, acidez titulável, sólidos solúveis, matéria seca, cor e carotenoides. O pH variou de 5,10 a 5,78, nas flores liofilizadas e frescas. A acidez titulável apresentou maior valor nas flores frescas. O teor de carotenoides totais foi de 718,6 µg/g na flor fresca. Ocorreu menor perda de carotenoides em flores liofilizadas, seguida pela secagem em temperatura ambiente. Na liofilização houve uma retenção de 71% dos carotenoides na flor laranja, em temperatura ambiente 53% e em estufa 47%. A desidratação das flores pode ser uma alternativa para conservar e garantir o comércio em períodos de entressafra e utilização para outros fins como chás, drinks, multimisturas. Palavras-chave: flor de capuchinha; antioxidante; beta-caroteno.

Biografia do Autor

Neide Botrel, Embrapa Hortaliças

Engenheira Agronoma, Mestrado em Fitotecnia, Doutorado em Ciências dos Alimentos. Pesquisadora da Embrapa Hortaliças.

Referências

AOAC. ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTRY. Official methods of analysis of the A sssociation of Official Analytical Chemistry. 17. Ed. Washington, DC, 2002. 1275 p.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. A guide to carotenoid analysis in food. Washington: ILSI Press, 2001. 64p.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; KIMURA, M.; GODOY, H. T.; AMAYA-FARFAN, J. Updated Brazilian on food carotenoids: factors affecting carotenoid composition. Journal of Food Composition and Analysis, Roma, v. 21, p. 445-463, 2008.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)