A Vale e o Instituto Agroecológico Latino Americano Amazônico (IALA), Parauapebas/PA

Autores

  • Arthur Erik Monteiro Costa de Brito arthur-182@hotmail.com
  • Dérick Lima Gomes Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Resumo

No município de Parauapebas (Pará) assim como no espaço Amazônico visto em âmbito geral, notam-se diferentes modelos de desenvolvimento socioeconômico, na área estudada, por exemplo, de um lado a empresa Vale simboliza um modelo com ideologias pautadas em certa modernidade e no outro polo o Instituto agroecológico Latino Americano Amazônico (IALA), situado dentro do assentamento de reforma agrária Palmares II estruturado e mantido pelo Movimento dos trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Sabendo disso, nosso objetivo se restringe a problematizar a partir de um olhar geográfico do conceito de lugar esta noção de modernidade e atraso que respectivamente os dois modelos acima geralmente expõem. Utilizando-se de referências bibliográficas e dados observados em trabalhos de campo notamos que estas questões são bem mais complexas do que parecem principalmente por perpassarem por temáticas interdisciplinares que estudam a relação que o ser humano possui com seu lugar.

Biografia do Autor

Arthur Erik Monteiro Costa de Brito, arthur-182@hotmail.com

Graduando em Geografia pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Bolsista Voluntário PIBIC/FAPESPA/UEPA

Dérick Lima Gomes, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Graduando em Geografia pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Bolsista PIBIC/FAPESPA/UEPA.

Referências

BARBOSA, Marcelo Bruno Ribeiro. Territorialização contra-hegemônica: o IALA amazônico e a construção de um projeto camponês na América Latina. Trabalho de conclusão de curso . UNIFESSPA, 2014.

CASTRO, Edna. Tradição e Modernidade: a propósito dos propósitos de trabalho na Amazônia. Novos Cadernos NAEA, vol.2, n°1 – dezembro 1999.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, Amazônias. 3° ed. São Paulo: contexto 2012.

HOLZER, Werther. O lugar na geografia humanista. Revista Território. Rio de Janeiro, ano IV, n" 7, p. 67-78. jul./dez. 1999.

SANTOS, Milton e SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no inicio do século XXI. 16° ed. Rio de Janeiro: Record, 2012. 476p.

WOORTMANN, Klaas. “Com Parente Não se Neguceia”: O Campesinato como Ordem Moral. Anuário antropológico/87. Editora Universidade de Brasília/Tempo Brasileiro, 1990.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico