Levantamento florístico de um remanescente de Mata Atlântica em Lagoa Seca- PB

Autores

  • Emannuella Hayanna Alves de Lira Universidade Estadual da Paraiba
  • Suenildo Josemo Costa Oliveira Universidade Estadual da Paraiba
  • Carla Samara dos Santos Ferreira Universidade Federal de São carlos
  • Natália Thaynã Farias Cavalcanti

Resumo

A Floresta Atlântica que engloba várias formações vegetacionais tem sofrido com ações antrópicas. Um dos caminhos para a resolução desta problemática é o conhecimento da biodiversidade natural. Neste contexto objetivou-se estudar a composição florística em um remanescente de Mata Atlântica no município de Lagoa Seca- PB. O levantamento florístico dos componentes arbóreo e arbustivos, foi feito utilizando-se 4 parcelas de 25 x 25m, distribuídas no remanescente, e tomando-se os dados de altura total e diâmetro do caule ao nível do solo (DNS) de todos os indivíduos existentes nas parcelas, com altura ≥ 1m e DNS ≥ 3cm. Foram registrados 306 indivíduos, pertencentes a 19 famílias, 28 gêneros e 29 espécies. As famílias de maior destaque, com relação ao número de espécies foram: Arecaceae, Euphorbiaceae, Mimosaceae e Myrtaceae todas com 3 espécies. Constatou-se que a área estudada apresentou grande número de plantas emergentes e jovens, o que evidencia a existência de uma população em processo de regeneração natural.

Biografia do Autor

Emannuella Hayanna Alves de Lira, Universidade Estadual da Paraiba

Graduada em Agroecologia Mestranda em Ciências Agrarias

Suenildo Josemo Costa Oliveira, Universidade Estadual da Paraiba

Professor Doutor no Centro de Ciências Agrárias e Ambientais

Carla Samara dos Santos Ferreira, Universidade Federal de São carlos

Mestranda em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Departamento de Ciências Agrárias

Natália Thaynã Farias Cavalcanti

Graduada em Agroecologia Mestranda em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Departamento de Ciências Agrárias

Referências

GOULART, M. CALLISTO, M. Bioindicadores de qualidade de água como ferramenta em estudos de impacto ambiental. Revista da FAPAM, ano 2, nº 1. 2003.

HECULANO, A. C. M. MATOS, W. R. Levantamento das espécies Sapindáceas arbóreas no estado do Rio de Janeiro. Saúde & Ambiente em revista, Duque de Caxias, v.3, n.1, p. 76-85, Jan-Jun 2008

MORI, S.A. & BOOM, B.M. Southern bahian moist forests. Bot. Rev. 49:155-232. 1983.

NUNES, G. M. SOUZA FILHO, C. R. VICENTE, L. E. MADRUGA, P. R. A. WATZLAWICK, L. F. Sistemas de Informações Geográficas aplicados na implantação de corredores ecológicos na Sub-Bacia Hidrográfica do Rio Vacacaí-Mirim (RS). Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, Brasil, 16-21 abril 2005, INPE, p. 3183-3189. 2005.

PEIXOTO, A. L. Vegetação da costa atlântica in Floresta Atlântica. Rio de Janeiro, 1992. Livroart Ed. il.

PEIXOTO, A.L. & GENTRY, A. Diversidade e composição florística da mata de tabuleiro na Reserva Florestal de Linhares (Espírito Santo, Brasil). Revista brasil. Bot. 13:19-25. 1990

PEREIRA, I. M. ANDRADE, L. A. BARBOSA, M. R. V. SAMPAIO, E. V. S. B. Composição florística e análise fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de um remanescente florestal no agreste paraibano. Acta bot. bras. 16(3): 357-369, 2002.

RODAL, M.J.N.; SAMPAIO, E.V.S.B.; FIGUEIREDO, M.A. Manual sobre métodos de estudo florístico e fitossociológico – ecossistema caatinga. Brasília: Sociedade Botânica do Brasil/Seção Regional de Pernambuco. 1992.24p.

SNE - SOCIEDADE NORDESTINA DE ECOLOGIA . Mapeamento da Mata Atlântica, seus ecossistemas associados dos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. São Paulo. Relatório Técnico, 2002. Disponível em: . Acesso em: 04 de mar. 2015.

Downloads

Publicado

2016-05-17

Edição

Seção

IX CBA 8. Biodiversidade e Bens Comuns.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>