Diagnóstico do uso de agrotóxicos por agricultores familiares de Maragogi/AL

Autores

  • Marcelo Cavalcante Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi
  • Francisco Xavier Santos Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi
  • Davi Alves Pereira Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP)
  • Tiago Jorge Barbosa Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi
  • João Virgínio Silva Neto Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi

Resumo

Com o objetivo de diagnosticar o uso de agrotóxicos por 40 agricultores familiares presentes em 12 assentamentos de Maragogi/AL, foi realizada uma pesquisa qualitativa, com o auxílio de um questionário, em que foi revelado que todos os produtores utilizam agrotóxicos, sem indicação de um profissional credenciado, dos quais 31 não utilizam equipamentos de proteção individual, tendo-se como principal motivo o preço dos EPI’s (34 produtores). Apesar de 39 agricultores entenderem os riscos à saúde, a aplicação sem o uso de EPI’s resultou em 15 casos de intoxicação após a aplicação do agrotóxico. Foi observado também que os agrotóxicos são utilizados em uma ampla gama de espécies vegetais, predominando as fruteiras graviola (Annona muricata) e maracujá (Passiflora edulis). Os resultados indicam que a falta de assistência técnica e de fiscalização promove o livre comércio de agrotóxicos em Maragogi/AL.

Biografia do Autor

Marcelo Cavalcante, Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi

Departamento de Agroecologia

Francisco Xavier Santos, Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi

Departamento de Agroecologia

Davi Alves Pereira, Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP)

Eng. Agrônomo

Tiago Jorge Barbosa, Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi

Departamento de Agroecologia

João Virgínio Silva Neto, Instituto Federal de Alagoas - IFAL/Campus Maragogi

Departamento de Agroecologia

Referências

ANVISA: Agência de Vigilância Sanitária. Contaminação por agrotóxicos persiste em alimentos analisados pela ANVISA. Disponível em: <http://cupeid.com/lista-da-anvisa-dos-alimentos-com-maior-nivel-de-contaminacao>. Acesso em: 15 Abr. 2015.

CARRARO, G. Agrotóxico e Meio Ambiente: Uma Proposta de Ensino de Ciências e de Química. Porto Alegre: UFRS, 1997. 95p.

IBGE: INSTITUTO BRAILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo agropecuário. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. 267p.

MASCARENHAS, J. de C.; BELTRÃO, B.A.; SOUZA JÚNIOR, L.C. de. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea Estado de Alagoas: Diagnóstico do município de Maragogi. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005. 21p.

MENDES, E. do N.; FREIRE, J.E.; FIGUEIREDO, M.F. de; BRAGA, P.E.T. O uso de agrotóxicos por agricultores no Município de Tinguá-CE. Revista Agropecuária Científica no Semiárido, v. 10, n. 1, p. 7 – 13, 2014.

PLANALTO. Presidência da República. Agricultura familiar já produz 70% dos alimentos consumidos no mercado interno do país, informa Pepe Vargas. Disponível em: <http://www2.planalto.gov.br/excluir-historico-nao-sera-migrado/agricultura-familiar-ja-produz-70-dos-alimentos-consumidos-no-mercado-interno-do-pais-informa-pepe-vargas>. Acesso em: 15 Abr. 2015.

SINITOX: Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas. Registros de intoxicações. Disponível em: <http://www.fiocruz.br/sinitox/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=386>. Acesso em: 15 Abr. 2015.

Downloads

Publicado

2016-05-16