Eficiência produtiva e energética de sistemas agroalimentares familiares: um estudo de caso no oeste de Santa Catarina, Brasil

Autores

  • Ana Paula Neves Universidade de Antioquia - UdeA
  • Leonardo Alberto Ríos-Osorio Universidade de Antioquia - UdeA
  • Fernando Funes-Monzote Sociedade Científica Latino Americana de Agroecologia - SOCLA

Resumo

Este estudo avaliou o comportamento da eficiência produtiva e energética de sistemas agroalimentares familiares em transição agroecológica, no oeste Catarinense, em 2013. O índice de eficiência produtiva foi calculado através do somatório dos indicadores de diversidade de produção, rendimento produtivo, quantidade de pessoas que o sistema alimenta em energia e proteína. O índice de eficiência energética foi calculado através do somatório dos indicadores de balanço energético, custo energético para produção da proteína e da força de trabalho humano. Dos sete sistemas, dois demonstram baixo desempenho em ambas eficiências, três demonstram de média a alta eficiência produtiva porém baixa energética. Um sistema demonstra baixa eficiência produtiva porém alta energética e, em apenas um sistema é observada alta eficiência produtiva e energética. Os sistemas estudados estão em processo de transição agroecológica porém, necessitam tornar-se funcionalmente mais eficientes.

Biografia do Autor

Ana Paula Neves, Universidade de Antioquia - UdeA

Faculdade de Ciências Agrárias, estudante do Doutorado em Agroecologia

Leonardo Alberto Ríos-Osorio, Universidade de Antioquia - UdeA

Escola de Microbiologia

Fernando Funes-Monzote, Sociedade Científica Latino Americana de Agroecologia - SOCLA

Consultor internacional

Downloads

Publicado

2016-05-17

Edição

Seção

IX CBA 8. Biodiversidade e Bens Comuns.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)