Uso de Agroquímicos na Localidade da 6ª Légua, Interior de Caxias do Sul – Estudo de Caso

Autores

  • Fátima Grasiela Pozzan
  • Valdirene Camatti Sartori

Palavras-chave:

intoxicações, meio ambiente, saúde, agricultores, culturas

Resumo

A falta de informação sobre agroquímicos desperta atenção para conseqüências à saúde humana e meio ambiente. Neste estudo, avaliaram-se as características no trabalho de agricultores, relacionando o uso de agrotóxicos, as intoxicações e os problemas ambientais. Utilizaram-se os questionários com as variáveis de características pessoais, tipos de agrotóxicos, principais culturas, intoxicações, benefícios e prejuízos. Constatou-se que 90% dos agricultores controlaram pragas e doenças com agroquímicos e que 50% apresentaram tonturas, salivação, alergias e vômitos. Os agroquímicos mais utilizados foram fungicidas e inseticidas na cultura da maçã e pêssego, respectivamente. As vantagens apontadas no uso foram garantia de produção e eficiência no controle de doenças e pragas, e como desvantagens as intoxicações e as muitas aplicações por safra. Faz-se necessária a divulgação de técnicas alternativas de produção agrícola para prevenção das conseqüências do uso inadequado de agrotóxicos.

Biografia do Autor

Fátima Grasiela Pozzan

Bióloga e professora da rede pública. Futura estudante de mestrado em Biotecnologia.

Valdirene Camatti Sartori

Pesquisadora do instituto de biotecnologia da UCS. Professora de disciplinas dos cursos de biologia e agronomia.

Downloads

Publicado

2009-12-31