Defesa do Território da Comunidade Quilombola de Bom Jardim, Santarém – Pará: Além da Luta pela Terra

Autores

  • Brenda Leticia Rodrigues Universidade Federal do Oeste do Pará http://orcid.org/0000-0003-1224-1752
  • Lucas Geovane de Medeiros Santana Universidade Federal do oeste do Pará
  • Milla Graziely Silveira dos Santos Universidade Federal do oeste do Pará
  • Danielle Wagner Silva Universidade Federal do oeste do Pará
  • Milton Sousa Filho Universidade Federal do oeste do Pará

Palavras-chave:

Populações Tradicionais, Conflito, Amazônia

Resumo

Através desse trabalho objetiva-se identificar e discutir as disputas em torno do território reivindicado pelos quilombolas da comunidade Bom Jardim, situada em Santarém, Pará. Os dados da pesquisa de campo mostraram que a comunidade Bom Jardim ainda está em processo de consolidação enquanto comunidade quilombola. A comunidade apresenta característica de coesão enquanto grupo que busca objetivos comuns referentes à titulação da terra como garantia do território. No entanto, apesar dos esforços para a titulação da área, os desafios para garantia de existência da comunidade e do território vão além da luta pela terra. No contexto atual, esses desafios estão relacionados principalmente à construção de consciência coletiva sobre o direito sobre a terra e o ser quilombola e à disputa em torno dos recursos aquáticos e pesqueiros.

Biografia do Autor

Brenda Leticia Rodrigues, Universidade Federal do Oeste do Pará

Engenharia Florestal

Lucas Geovane de Medeiros Santana, Universidade Federal do oeste do Pará

Engenharia Florestal

Milla Graziely Silveira dos Santos, Universidade Federal do oeste do Pará

Engenharia Florestal

Milton Sousa Filho, Universidade Federal do oeste do Pará

Engenharia Florestal

Referências

ABREU, M.: MATTOS, H. “Remanescentes das Comunidades dos Quilombos”: memória do cativeiro,patrimônio cultural e direito à reparação. XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. Anais. São Paulo-SP, 2011.

AMARAL, A.J.P. Populações quilombolas no interior da Amazônia: organização cultural e conflito. Anais do Seminário Internacional: Amazônia e fronteiras do conhecimento. Belém, Naea/Ufpa. Disponível em: <http://www.naea.ufpa.br/siteNaea35/anais/html/geraCapa/FINAL/GT1-259-1295-20081128220546.pdf>. Acesso em: 22/11/2014.

ANDRADE, L.M.M. Terras Quilombolas em Oriximiná: pressões e ameaças. Comissão Pró-Índio de São Paulo, 1ª edição, São Paulo, outubro de 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 8 de fev. de 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em: 31/03/2015.

CASTRO, E. Território, Biodiversidade e Saberes de Populações Tradicionais. Papers do NAEA (Núcleo de Altos Estudos Amazônicos), Universidade Federal do Pará: Pará, nº 92, maio, 1998.

Comissão Pró-Índio de São Paulo. Comunidades quilombolas do estado do Pará. Disponível em: <http://www.cpisp.org.br/comunidades/html/brasil/pa/_amazonas/bom_jardim.html>. Acesso em: 31/03/2015.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. Quadro atual da Política de Regularização de Territórios Quilombolas no Incra. INCRA-DFQ. 2014.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.