131 - Núcleo de Agroecologia Ivinhema: ATER diferenciada valorizando saberes, conhecimentos e experiências no Território do Vale do Ivinhema, MS

Autores

  • Rosangela Aparecida PEDROSA APOMS
  • Olácio Mamoru KOMORI APOMS
  • Cláudia Pereira XAVIER UEMS

Palavras-chave:

construção social, agroecossistemas, aprendizado, assistência técnica, extensão rural.

Resumo

A experiência está sendo desenvolvida no Território do Vale de Ivinhema região leste do Estado de Mato Grosso do Sul e teve início no ano 2000. Um trabalho que busca construir formas diferenciadas de acompanhamento técnico e extensão rural tendo como base tecnológica a agroecologia como ciência e a produção orgânica como sistema de produção. O Núcleo de Agroecologia de Ivinhema procura através de formas participativas, valorizar o conhecimento e o saber popular dos agricultores, que em conjunto com os técnicos vão construindo o saber através do diálogo participativo, do estudo e troca de experiências práticas.É desta forma que a agroecologia vai tomando corpo como referência local capaz de trazer a sustentabilidade econômica e ambiental para as propriedades envolvidas, na medida em que incentiva o manejo agrícola respeitando o ambiente natural, visando a construção de uma nova realidade social, cultural e econômica. Esses fatores quando tratados em conjunto conduzem a uma sociedade consciente do seu papel frente a novos processos produtivos tendo em vista a sustentabilidade. O núcleo de agroecologia de Ivinhema é formado por produtores pertencentes aos municípios de Ivinhema, Novo Horizonte do Sul e Nova Andradina, entre os quais existem produtores de café, olerícolas, fécula de mandioca e derivados, urucum e derivados. Com a formação do grupo de Agricultores pôde-se avançar na discussão do Sistema Participativo de Garantia - SPG, bem como na Organização de Controle Social OCS, em busca da Certificação Participativa. As reuniões, cursos e visitas aos agroecossistemas realizadas de forma coletiva vêm sendo um importante espaço de aprendizado para agricultores e técnicos. Neste espaço que é de todos, é possível a troca de conhecimentos, experiências de produção, práticas agrícolas e tecnologias utilizadas, bem como a troca de sementes. No decorrer da realização deste trabalho diferenciado que aproxima o agricultor da assistência técnica observa-se que todos são beneficiados pela troca de conhecimento, onde todos sabem um pouco e juntos sabem muito.

Downloads

Publicado

2011-06-17