O USO DE ÓLEOS DE ANDIROBA E PRACAXI E EXTRATO DE PRÓPOLIS NO CONTROLE DO Aspergillus spp. ISOLADOS DE AMÊNDOAS DA CASTANHA-DO-BRASIL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Paulo Fortes Neto Nara Lúcia Perondi Fortes Paulo Fortes Neto

Resumo

O controle alternativo do Aspergillus spp. de amêndoas de castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa) pode minimizar o uso de agrotóxicos e evitar danos ao ambiente e ao agricultor. O trabalho teve como objetivo avaliar a ação antifúngica do óleo de andiroba (Carapa guianensis Aubl.) e pracaxi (Pentachletra macroloba), bem como extrato alcoólico de própolis sobre o crescimento micelial do Aspergillus spp. Os óleos e extrato de própolis nas concentrações de 0, 4, 8, 16, 32 e 64 mL L-1 foram misturados ao meio BDA, para a inoculação do fungo. O desenvolvimento dos fungos foi determinado pela medição do diâmetro micelial após 24, 48 e 96 h da inoculação. O delineamento foi casualizado com 6 tratamentos e 7 repetições. Os resultados indicaram que o uso de própolis a partir de 4 mL L-1 foi mais eficiente do que a dose de 64 mL L-1 dos óleos na inibição do crescimento do Aspergillus spp. Assim, a própolis, pode ser considerada promissora como antifúngico natural para controlar o Aspergillus spp.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
NETO, Paulo Fortes; FORTES, Nara Lúcia Perondi; FORTES NETO, Paulo. O USO DE ÓLEOS DE ANDIROBA E PRACAXI E EXTRATO DE PRÓPOLIS NO CONTROLE DO Aspergillus spp. ISOLADOS DE AMÊNDOAS DA CASTANHA-DO-BRASIL. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 9, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23275>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23275.
Seção
Artigos

Referências

ALMEIDA, E. N.; et al. Potenciais alternativas com extratos vegetais no controle da pinta preta do tomateiro. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 12, n. 4, p. 687-694, 2017.
BETTIOL, W. Conversão de sistemas de produção. In: POLTRONIERI, L.S.; ISHIDA, A.K.N. (Eds.). Métodos Alternativos de Controle de Insetos-Praga, Doenças e Plantas Daninhas: Panorama atual e perspectivas. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2008. p. 289-308.
BONAPAZ, L. S.; et al. Potencial fungitóxico de óleos voláteis e extratos vegetais no controle alternativos in vitro de fungos dos gêneros Aspergillus e Fusarium, Revista de Ciências Ambientais, v.13, n. 3, p.1-10, 2019.
CARVALHO, B. L.; et al. Tratamento de sementes de cebola com extrato de própolis e Plectranthus amboinicus no controle de Aspergillus sp. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, v. 13, n.1, p.12-18, 2019.
FERNANDES JÚNIOR, A.; et al. Antimicrobial activity of Apis mellifera propolis from three regions of Brazil. Ciência Rural, v. 36, n. 1, p.294-297, 2006.
FONTANA, D. C.; et al. Uso de extratos vegetais no controle alternativo da podridão parda do pessegueiro. Revista Cultivando o Saber, v.10, n.2, p.148-165, 2017.
GARCIA R. C.; et al. Efeito do extrato alcoólico de própolis sobre a Pasteurella multocida “in vitro”. Acta Scientiarum, Animal Science, v. 26, n.1, p. 69-77, 2004.
GONSALEZ, G. Z; et al. Antibacterial activity of propolis collected in different regions of Brazil. Journal of Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases, São Paulo-SP, v. 12, n. 2, p.276-284, 2006.
HOLLINGER, K; EKPERINGIN, H. E. Mycotoxicosis in food producing animals. Veterinary Clinics of North America: Food Animal Practice, v. 15, n. 1, p. 133-165, 1999.
IBGE. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Banco de Dados Agregados. Tabela 289: Quantidade produzida na extração vegetal, por tipo de produto extrativo. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/acervo/acervo9.asp?e=c&p=VS&z=t&o=18. Acesso em: 11 abril. 2020.
LORINI, A.; et al. Efeito volátil de óleos essenciais no desenvolvimento de patógenos em amêndoas de castanhas-do-Brasil. Scientia Agraria Paranaensis, v. 15, n. 2, p.121-126, 2016.
LORINI, A.; et al. Composição química e atividade antifúgica de própolis sobre Aspergillus flavus. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, v. 34, n. 5, p. 1298-1307, 2018.
MACHADO, R. M. A.; et al. Avaliação de óleos essenciais sobre o crescimento in vitro do fungo Colletotrichum gloeosporioides. Perspectivas online: Biologia e Saúde, v. 8, n.3, p.64-73, 2013.
MACHADO, P. P.; et al. Uso da própolis e óleo de nim no controle dos fungos Lasiodiplodia theobromae e Colleto-trichum gloesporioides: principais patógenos que acometem os frutos da manga. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia-MS, v. 2, n. 4, p.31-37, 2015.
MARCUCCI, M. C.; et al. Evaluation of phenolic compounds in Brazilian propolis from different geographic regions. Zeitschrift fur Naturforschungv, v. 55, n. 1, p.76-81, 2000.
MARINI, D.; et al. Efeito antifúngico de extratos alcoólicos de própolis sobre patógenos da videira. Arquivo do Instituto de Biologia, São Paulo, v. 79, n. 2, p. 305-308, 2012.
MEDEIROS, T.; et al. Teste in vitro de controle alternativo Phytophthora sp. com extratos alcoólicos. Cadernos de Agroecologia. Anais do VI CLAA, X CBA e V SEMDF, v.13, n.1, 2018.
MENDONÇA, A. P.; FERRAZ, I. D. K. Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e aspectos sociais no estado do Amazonas, Brasil. Acta Amazônica, v. 37, n.3, p.353-364, 2007.
MONZOTE, L.; et al. In vitro antimicrobial assessment of Cuban propolis extracts. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 107, n. 8, p.978-984, 2012.
MORAES, W. B; et al. Aplicação foliar de fungicidas e produtos alternativos reduz a severidade do oídio no tomateiro. Nucleus, v. 8, n. 2, p.57-68, 2011.
NOVELLO, Z. Extração e caracterização química de extratos obtidos de matrizes vegetais utilizando n-butano pressurizado como solvente. 2015. 55 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Alimentos) - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Alimentos, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Erechin, 2011.
PASTANA, R. F.; et al. Uso da própolis no controle “in vitro” do fungo Colletotrichum gloeosporioides causador da antracnose em berinjela. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia-MS, v. 3, n. 1, p.12–15, 2016.
PINTO, T. J. A.; et al. Controle biológico de qualidade de produtos farmacêuticos, correlatos e cosméticos. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2003.
SALOMÃO, K; et al. Brazilian propolis: correlation between chemical composition and antimicrobial activity. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, International Journal, v. 5, n. 3, p.317-324, 2008.
SOFTWARE STATISTICAL ANALISIS SYSTEM – SAS. Procedures guides. Version 6. Cary [EstadosUnidos]: SAS by SAS INSTITUTE –Inc. Cary, NC, USA. 2000.
SILVA, R. A.; et al. Inibição do crescimento micelial e germinação de Colletotrichum gloeosporioides na seringueira pelo óleo de neem. Nucleus, v. 8, n.1, p.295-304, 2011.
SOUSA; R. M. S.; et al. Efeito de óleos essenciais como alternativa no controle de Colletotrichum gloeosporioides, em pimenta. Summa Phytopathologica, v. 38, n. 1, p.42-47, 2012.
SOUSA, B. C.; et al. Controle alternativo de Fusarium spp. com quatro óleos vegetais. Cadernos de Agroecologia, v.10, n.3, p.1-5, 2015.
SOUZA, E. P.; et al. Doses de extrato de própolis no controle do fungo Aspergillus sp e no tratmento de sementes de pepino. Brazilian Journal of Biosystems Engineering v. 11(4): 360-364, 2017.
TANIWAKI, M. H.; et al. Biodiversity of mycobiota throughout the Brazil nut supply chain: From rainforest to consumer, Food Mycrobiology, v. 61, p.14-22, 2017.
WUADEN, C. R.; et al. Atividade antifúmgica do extrato alcoólico de própolis, álcool de cereais e do óleo essencial de manjericão sobre Botrytis cinerea. Colloquium Agrariae, v.14, n.2, p.48-55, 2018.