COMPLEXIDADE E AGROECOSSISTEMAS OPERADORES SISTÊMICO, DIALÓGICO E RECURSIVO NO ESTUDO DA AGRICULTURA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Hueliton Pereira Azevedo Sérgio Luís Boeira

Resumo

Este ensaio trata sobre a aplicação dos operadores cognitivos sistêmico, dialógico e recursivo da complexidade no estudo dos agroecossistemas. O objetivo é aproximar o pensamento complexo de Edgar Morin aos estudos sobre agroecossistemas para contribuir na superação das limitações dos formatos convencionais de pesquisa e apoiar pesquisas interdisciplinares. O pensamento convencional cartesiano implicou em consequências como a separação entre a agronomia e a ecologia e entre o homem e a natureza, assim como formatos de pesquisa cegos ao ambiente. O pensamento de Edgar Morin pode contribuir com o enfoque agroecológico no enfrentamento desses problemas gerados pelo paradigma de pesquisa dominante. Para discutir sobre este potencial verificamos a aplicabilidade de três operadores cognitivos da complexidade nos estudos sobre os agroecossistemas. O ensaio mostra que os operadores cognitivos permitem estudos que não sejam cegos ao ambiente, que incorporam o ser humano à natureza, superam o divórcio entre a agronomia e a ecologia e apoiam estudos interdisciplinares nos agroecossistemas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
AZEVEDO, Hueliton Pereira; BOEIRA, Sérgio Luís. COMPLEXIDADE E AGROECOSSISTEMAS. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 13, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23264>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23264.
Seção
Ensaios Teóricos

Referências

ACKOFF, R. L. Redesigning the future. John Wiley and Sons. New York, v. 29, 1974.
ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Agropecuária; AS-PTA, 2002.
COSTA, R. J.; et al. Agroecologia nos trópicos: o sistema agroflorestal como estratégia de sustentabilidade na Ama-zônia paraense. Cadernos de Agroecologia. Rio de Janeiro: ABA-Agroecologia, 2013. v. 08. p. 01-05.
COSTABEBER, J. A.; et al. O conceito de transição agroecológica: contribuições para o redesenho de agroecossiste-mas em bases sustentáveis. Agroecologia: princípios e reflexões conceituais. Brasília: Embrapa, v. 1, p. 145-180, 2013.
FELIZARDO, A. O; ROCHA, C. G. S. As iniciativas de desenvolvimento em comunidades agroextrativistas na Amazônia. Novos Cadernos NAEA. v. 22 n. p. 51-68, 2019.
FUNTOWICZ, S.; DE MARCHI, B. Ciencia pós normal, complejidad reflexiva y sustentabilidad. In: LEFF, E. (Coord.). La complejidad ambiental. México, DF: Siglo XXI, 2000. p. 54-84.
GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável.3. ed. Porto Alegre: Ed. Da UFRGS, 2005.
GLIESSMAN, S. R. Agroecología: promoviendo una transición hacia la sostenibilidad. Revista Ecosistemas, v. 16, n. 1, 2007.
GLIESSMAN, S. R. Introduction - Agroecology: a global movement for food security and sovereignty. In: Agroecology for food security and nutrition proceedings of the FAO International Symposium. Rome, Italy, 2014.
HERRAIZ, A. D; RIBEIRO, P. N. T. Em busca da qualidade: experimentos participativos de cultivo e beneficiamento de cacau em Humaitá, na Calha do Rio Madeira. Humaitá, AM, 2013.
ISON, R. Developments in theory and practice of the concept of agroecossystems. Eisforia. Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas – UFSC. Florianópolis, ano 1, v. 1, n.2, p. 122 – 158, dez. 2003.
MARTINS, S. R. A responsabilidade acadêmica na sustentabilidade do desenvolvimento: as ciências agrárias e a (falta de) percepção dos ecossistemas. Eisforia. Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas – UFSC. Florianópolis, ano 1, v.1, n.1, p. 36 – 62, jun. 2003.
MORIN, E. A cabeça bem-feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, v. 99, 2000.
MORIN, E. A via para o futuro da humanidade. Tradução de Edgard de Assis Carvalho, Mariza Perassi Bosco - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.
MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2002.
MORIN, E. Da necessidade de um pensamento complexo. In: Martins; Machado da Silva (Orgs.). Para navegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina/EDIPUCRS, 2000, 2ed., 294 p.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. 4ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. 5ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.
MORIN, E. La méthode. 5. L’humanité de l’humanité. L’identité humaine. Paris: Seuil, 2002.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª Ed. rev. – São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.
PETERSEN, P. Agroecologia e a superação do paradigma da modernização. In: NIEDERLE, P. A; ALMEIDA L; VEZZANI F. M. (Org.). Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013. p. 69-103.
PETERSEN, P; et al. Método de análise econômico-ecológica de Agroecossistemas. 1. ed. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2017.
PLOEG, J. D. Camponeses e a arte da agricultura: estudos camponeses e mudança agrária. Tradução de Claudia Freire. Porto Alegre: UFRGS/UNESP, 2016.
PLOEG, J. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Tradução de Rita Pereira. Porto Alegre: UFRGS, 2008.
PLOEG, J. D. The drivers of change: the role of peasants in the creation of Agro-ecological agriculture. Agroecología, v. 6, p. 47-54, 2011.
SOUSA, R. da P; BEZERRA, I. Agroecologia: a ciência dos sistemas agroalimentares e territórios mais sustentáveis. Revista Brasileira de Agroecologia. EDITORIAL. Vol. 13, Nº. 2, p.1-5, 2018.
SOUSA, R. P.; et al. Agricultura camponesa na Amazônia Paraense: luta por autonomia e resistência num contexto de invisibilidade. In: Romier Sousa e Renilton Cruz. (Org.). Educação do campo, formação profissional e agroecologia na Amazônia: saberes e práticas pedagógicas. 01ed. Belém: IFPA, 2015, v. 01, p. 193 2006.
TOLEDO, V. M; BARRERA-BASSOLS, N. La memoria biocultural: la importancia ecológica de las sabidurías tradicionales. Vol. 3. Icaria editorial, 2008.
VASCONCELLOS, M. J. E. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Papirus. Editora, 2003.