AGRICULTORES FAMILIARES E A TRAÇA-DAS-CRUCÍFERAS: RECONHECIMENTO, CONTROLE E DIFICULDADES AGRICULTORES FAMILIARES E A TRAÇA-DAS-CRUCÍFERAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Arthur Yoshio Gemelli http://orcid.org/0000-0002-1387-4247 Marliton Rocha Barreto http://orcid.org/0000-0003-3793-8855

Resumo

Plutella xylostella (traça-das-crucíferas) é a principal praga que danifica a couve (Brassica oleracea L.) e, quando mal controlada, pode comprometer toda a produção. O objetivo deste estudo foi realizar um diagnóstico das práticas de controle da P. xylostella adotadas pelos agricultores familiares que cultivam couve nos municípios de Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop, visando gerar conhecimento que eleve o consumo de hortaliças, como alimentos promotores de saúde. Esses municípios somados, produzem 143 toneladas de couve, sendo quase em sua totalidade produzido por agricultores familiares. Foram selecionados 42 produtores que responderam ao questionário proposto e verificou-se que o método de controle mais utilizado é o químico, seguido do biológico. Com relação ao controle químico, ele ocorre com o uso de 28 produtos comerciais, sendo apenas 10 registrados, e essa atividade expõe os produtores ao contato direto com agrotóxicos durante a aplicação dos produtos. Aliado a isso, os EPIs ainda foram utilizados indevidamente, embora conheçam sua importância. Controles alternativos, como o uso de extratos botânicos e/ou componentes alternativos são conhecidos, mas pouco utilizados e são várias as dificuldades relatadas para controlar a traça.Plutella xylostella (traça-das-crucíferas) é a principal praga que danifica a couve (Brassica oleracea L.) e, quando mal controlada, pode comprometer toda a produção. O objetivo deste estudo foi realizar um diagnóstico das práticas de controle da P. xylostella adotadas pelos agricultores familiares que cultivam couve nos municípios de Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop, visando gerar conhecimento que eleve o consumo de hortaliças, como alimentos promotores de saúde. Esses municípios somados, produzem 143 toneladas de couve, sendo quase em sua totalidade produzido por agricultores familiares. Foram selecionados 42 produtores que responderam ao questionário proposto e verificou-se que o método de controle mais utilizado é o químico, seguido do biológico. Com relação ao controle químico, ele ocorre com o uso de 28 produtos comerciais, sendo apenas 10 registrados, e essa atividade expõe os produtores ao contato direto com agrotóxicos durante a aplicação dos produtos. Aliado a isso, os EPIs ainda foram utilizados indevidamente, embora conheçam sua importância. Controles alternativos, como o uso de extratos botânicos e/ou componentes alternativos são conhecidos, mas pouco utilizados e são várias as dificuldades relatadas para controlar a traça.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
GEMELLI, Arthur Yoshio; BARRETO, Marliton Rocha. AGRICULTORES FAMILIARES E A TRAÇA-DAS-CRUCÍFERAS: RECONHECIMENTO, CONTROLE E DIFICULDADES. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 13, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23248>. Acesso em: 20 jan. 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23248.
Seção
Artigos

Referências

ABREU, P.H.B.; ALONZO, H.G.A. Trabalho rural e riscos à saúde: uma revisão sobre o uso seguro de agrotóxicos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 10, p. 4197-4208, 2014.
ABRO, G.H.; et al. Insecticides for control of the diamondback moth, Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) in Pakistan and factors that affect their toxicity. Crop Protection, v. 52, p. 91-96, 2013.
ADISSI, P.J.; PINHEIRO, F.A. Análise do risco na aplicação manual de agrotóxicos: o caso da fruticultura do litoral sul paraibano. Revista Eletrônica Sistema & Gestão, v. 10, n. 1. p. 172-179, 2015.
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITÁRIA – ANVISA. Programa de análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos – PARA: relatório de atividades de 2013 a 2015. Brasília, 246 p. 2016.
ALMEIDA, V. E. S.; et al. Agrotóxicos em hortaliças: segurança alimentar, riscos socioambientais e políticas públicas para promoção da saúde. Tempus. Actas em Saúde Coletiva, vol. 4, n. 4, p. 84-99. 2009.
BERTOLACCINI, I.; et al. Mortality of Plutella xylostella (Lepidoptera, Plutellidae) by parasitoids in the Province of Santa Fe, Argentina. Revista Brasileira de Entomologia, v. 55, n. 3, p. 454–456, 2011.
BRANDÃO FILHO, J.U.T.; et al. Controle químico da traça das crucíferas (Plutella xylostella) na cultura do repolho. Horticultura Brasileira, v. 28, n. 2, 2010.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Agrofit: Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários. Brasília: Agrofit/MAPA. 2020.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Legislação. 2019.
CARDOSO, M.O.; et al. Recomendações técnicas para o controle de lepidópteros-praga em couve e repolho no Amazonas. Circular técnica 35, Embrapa Amazônia Ocidental, Manaus - AM, dez, 2010.
CASTELO BRANCO, M.; AMARAL, P.S.T. Inseticidas para controle da traça-das-crucíferas: como os agricultores os utilizam no Distrito Federal? Horticultura Brasileira, v. 20, n. 3, p. 410-415, 2002.
CELESTINO, F. N.; et al. Traça-das-crucíferas (Plutella xylostella). In: HOLTZ, A.M.; RONDELLI, V.M.; CELESTINO, F.N.; BESTETE, L.R.; CARVALHO, J.R. de; Praga das Brássicas. Colatina – ES: IFES, 2015.
CHAGAS, R.N.; et al. A importância da mão de obra qualificada para a produção de leite de qualidade em uma propriedade acompanhada pelo programa de educação tutorial (pet) - medicina veterinária/ agricultura familiar. Anais do SEPE - Seminário de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFFS, v. 6, n. 1, 2017.
CORCINO, C.O.; et al. Avaliação do efeito do uso de agrotóxicos sobre a saúde de trabalhadores rurais da fruticultura irrigada. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro/RJ, v. 24, n. 8, 2018.
COSTA-NETO, E. M.; PACHECO, J. Head of snake, wings of butterfly, and body of cicada: impressions of the lanternfly (Hemiptera: Fulgoridae) in the village of Pedra Branca, Bahia State, Brazil. Journal of Ethnobiology, nº 23, p. 23-46, 2003.
CRUZ, D. As hortaliças e o registro de agrotóxicos. Horticultura Brasileira, v. 31, n. 2, 2013.
DECIS 25EC. Bayer Sociedade Anônima. Bula de Agrotóxico. Acesso em 28 de abril de 2019. Disponível em: http://www.adapar.pr.gov.br/arquivos/File/defis/DFI/Bulas/Inseticidas/DECIS25EC.pdf. Acesso em:10 de jun. 2020.
GOMES, D.; SERRAGLIO, H.Z. A responsabilidade civil decorrente do uso e da produção de agrotóxicos no Brasil. Revista Direito Ambiental e sociedade, v. 7, n. 2, p. 305-325, 2017.
GOMES, K.D. A promoção da justiça ambiental no contexto da desigualdade social brasileira. Revista de Direito Agrário e Agroambiental, v. 4, n. 2, p. 1 – 18, 2018.
HOLTZ, A.M.; et al. Praga das Brássicas. Colatina – ES: IFES, 2015.
HURST, M.R.H.; et al. Assessment of Yersinia entomophaga as a control agent of the diamondback moth Plutella xylostella. Journal of Invertebrate Pathology, v. 162, p.19-25, 2019.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo 2018. Cidades: Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop. 2020.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Agropecuário de 2017. Rio de Janeiro, 2019.
JIANG, T.; et al. Monitoring field populations of Plutella xylostella (Lepidoptera: Plutellidae) for resistance to eight insecticides in China. Florida Entomologist, Flórida, v. 98, n. 1, p. 65-73, 2015.
KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes. 1928. Wall-map 150cmx200cm.
LIMA-NETO, J.E.; SIQUEIRA, H.A.A. Selection of Plutella xylostella (l.) (lepidoptera: plutellidae) to chlorfenapyr resistance: heritability and the number of genes involved. Revista Caatinga, v. 30, n. 4, p. 1067 – 1072, 2017.
MICHEREFF FILHO, M.; et al. Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica. Circular técnica 119, Embrapa Hortaliças, Brasília – DF. 16 p., 2013.
MONTANHA, F.P.; PIMPÃO, C.T. Efeitos toxicológicos de piretróides (cipermetrina e deltametrina) em peixes – revisão. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, ano IX, n. 18, 2012.
MORAES, A.S.; BARRETO, M.R. A percepção dos agricultores envolvidos no controle de insetos quanto ao reconhecimento dos insetos pragas. Boletín de la Sociedad Entomológica Aragonesa. v. 60, p. 407-416, 2017.
MOURA, A.P.; et al. Manejo integrado de pragas do tomateiro para processamento industrial. Circular técnica 129. Brasília/DF, Embrapa Hortaliças, 24 p. 2014. https://www.embrapa.br/hortalicas/busca-de-publicacoes/-/publicacao/991795/manejo-integrado-de-pragas-do-tomateiro-para-processamento-industrial
NETTO, J.C.; et al. Seletividade de inseticidas e acaricidas aos inimigos naturais na cultura do algodão. Circular técnica 14. Instituto Matogrossense do Algodão, 2014. https://www.scielo.br/pdf/aib/v81n2/1808-1657-aib-81-02-00150.pdf. Acesso em:12 de jun. 2020.
OLIVEIRA, A.C.; et al. Resistance of Brazilian diamondblack moth populations to insecticides. Scentia Agrícola, v. 68, n. 2, p. 154-159, 2011.
PADILHA, M.I.C.; et al. A responsabilidade do pesquisador ou sobre o que dizemos acerca da ética em pesquisa. Texto & Contexto Enfermagem, v. 14, n. 1, p. 96-105, 2004.
PARRA, J.R.P. Controle Biológico no Brasil: Uma Visão Geral. Scientia Agrícola, v.71, n. 5, 2014.
PETIZA, S.; et al. Etnoentomología Baniwa. Boletín de la Sociedad Entomológica Aragonesa (S.E.A.), n. 52, p. 323-343, 2013.
POSEY, A.D. Introdução – Etnobiologia: teoria e prática. In: Ribeiro, B. (Ed.) Uma Etnológica Brasileira. Etnobiologia, nº 1, p. 15-25, 1986.
PREZA, D. de L.C.; AUGUSTO, L.G. da S. Vulnerabilidades de trabalhadores rurais frente ao uso de agrotóxicos na produção de hortaliças em região do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 37, n. 125, p. 89-98, 2012.
RENZI, A.; et al. Evolução do controle biológico de insetos e pragas no setor canavieiro: uma análise na perspectiva econômica. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 12, n. 2, p. 459-485, 2019.
SASAKI, R.S.; et al. Desempenho operacional de um pulverizador costal elétrico. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 43, n. 3, p. 339-342, 2013.
SILVA, A.B.; BRITO, J.M. Controle biológico de pragas e suas perspectivas para o futuro. Agropecuária Técnica, v., 36, n. 1, p. 248-258, 2015.
SILVA-TORRES, C.S.A.; et al. New Records of Natural Enemies of Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) in Pernambuco, Brazil. Neotropical Entomology, v. 39, n. 5, p. 835-838, 2010.
SOUZA-ESQUERDO, V.F.; BERGAMASCO, S.M.P.P. Análise Sobre o Acesso aos Programas de Políticas Públicas da Agricultura Familiar nos Municípios do Circuito das Frutas (SP). Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, n. 1, p. 205-222, 2014.
TRACER. Bayer Sociedade Anônima. Bula de Agrotóxico. 2019. Disponível em: http://www.adapar.pr.gov.br/arquivos/File/defis/DFI/Bulas/Inseticidas/DECIS25EC.pdf
TRINDADE, R.C.P.; et al. Utilização de extratos aquosos de Aspidosperma macrocarpum sobre diferentes estágios de lagartas da traça-das-crucíferas. Ciência Agrícola, v. 12, n. 1, p. 21-26, 2014.
VALICENTE, F.H. As aplicações do Bacillus thuringiensis no controle da lagarta do cartucho, Spodoptera frugiperda. Embrapa Milho e Sorgo, 2010. https://www.embrapa.br/documents/1344498/2767891/controle-biologico-da-lagarta-do-cartucho-com-bacillus-thuringiensis.pdf/9c3a0d14-2fa9-41c0-883d-9515247cf306
VINUTO, J.A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, v. 22, n. 44, p. 203-220, 2014.
WAICHMAN, A.V. A problemática do uso de agrotóxicos no Brasil: a necessidade de construção de uma visão compartilhada por todos os atores sociais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 37, n. 125, p. 17-50, 2012.