Levantamento fitossociológico de plantas espontâneas em corredores agroecológicos

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Wellington Pereira Carvalho Cynthia Torres de Toledo Machado

Resumo

O estudo foi realizado em duas propriedades situadas nos municípios de Paracatu (MG) e Silvânia (GO), manejadas sob sistema orgânico, que fazem parte do projeto “Corredores agroecológicos como estratégias para a produção de alimentos e sementes, focados no manejo da agrobiodiversidade e sustentabilidade de pequenas propriedades familiares” entre os anos de 2016 a 2019. Seu objetivo foi fazer o levantamento fitossociológico da composição da vegetação espontânea nos corredores agroecológicos, obtendo dados de frequência, densidade e índice de valor de cobertura das espécies ocorrentes naquela formação, além de realizar estudo das semelhanças e diferenças de comunidades espontâneas entre as áreas avaliadas, através de coeficiente de similaridade. No total, foram identificadas 29 espécies, sendo 10 presentes em ambas as regiões. Asteraceae e Poaceae foram as duas principais famílias, entre as 16 encontradas. O coeficiente de similaridade entre as duas regiões foi de 57%, mostrando similaridade mediana entre a flora nos dois anos estudados. A espécie mais importante em ambas as propriedades é Pennisetum setosum.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CARVALHO, Wellington Pereira; MACHADO, Cynthia Torres de Toledo. Levantamento fitossociológico de plantas espontâneas em corredores agroecológicos. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 9, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23236>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23236.
Seção
Artigos

Referências

ADEGAS, F. S.; et al. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas na cultura do girassol. Planta Daninha, v. 28, n. 4, p. 705-716, 2010.
BLACANCEAUX, P.; et al. Sistemas Pedológicos no Cerrado de Goiás: Município de Silvânia, Região Centro Oeste do Brasil. Rio de Janeiro, R.J.: Embrapa Solos, 2007. 90p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 117).
BRAUN-BLANQUET, J. Fitossociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.
CARDOSO, A. D.; et al. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas na cultura da mandioca em vitória da conquista, Bahia. Bioscience Journal, v. 29, n. 5, p. 1130-1140, 2013.
CARVALHO, S. L.; PITELLI, R. A. Levantamento e análise fitossociológica das principais espécies de plantas daninhas de pastagens da região de Selvíria (MS). Planta Daninha, v. 10, n. 1/2, p. 25-32, 1992.
CARVALHO, W. P.; MALAQUIAS, J. V. Plantas de cobertura para proteção do solo em sistema orgânico no período da seca na Região dos Cerrados. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2019. 27 p. (Embrapa Cerrados. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 347).
CHAVES, J. C. D.; CALEGARI, A. Adubação verde e rotação de culturas. Informe Agropecuário, v. 22, n. 212, p. 53-60, 2001.
COSTA, P. F.; et al. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em latossolo cultivado com diferentes culturas de inverno em função dos manejos químico e mecânico. Cultivando o Saber, v. 7, n. 2, p. 192 - 204, 2014.
ERASMO, E. A. L.; et al. Levantamento fitossociológico das comunidades de plantas espontâneas em áreas de produção de arroz irrigado cultivado sob diferentes sistemas de manejo. Planta Daninha, v. 22, n. 2, p. 195-201, 2004.
FERREIRA, E. A.; et al. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em pastagens degradadas do Médio Vale do Rio Doce, Minas Gerais. Revista Ceres, v. 61, n. 4, p. 502-510, 2014.
INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (IMBEES) – Painéis Municipais, Catalão, 2016. 4p. > Disponível em: Acesso em: 02 mai. 2020.
KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas espontâneas e nocivas. 2.ed. São Paulo: BASF, 1999. 978 p.
LORENZI, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 4. ed. Nova Odessa: Plantarum, 2008. 640p.
MACHADO, A. T.; MACHADO, C. T. T. Agrobiodiversidade e Corredores Agroecológicos. In: SANTILLI, J.; BUSTAMANTE, P.G.; BARBIERI, R.L. (eds): Coleção Transição Agroecológica: Agrobiodiversidade. Brasília: Embrapa, ABA, 2015. p. 103-124.
MACIEL, C. D. G.; et al. Composição florística da comunidade espontânea em gramados de Paspalum notatum no município de Assis, SP. Planta Daninha, v. 26, n. 1, p. 57-64, 2008.
MACIEL, C. D. G.; et al. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em cafezal orgânico. Bragantia, v. 69, n. 3, p. 631- 636, 2010.
MELO, A. V.; et al. Dinâmica populacional de plantas daninhas em cultivo de milho-verde nos sistemas orgânico e tradicional. Planta Daninha, v. 25, n. 3, p. 521-527, 2007.
MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.
OLIVEIRA, A. R.; FREITAS, S. P. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em áreas de produção de cana-de-açúcar. Planta Daninha, v. 26, n. 1, p. 33-46, 2008.
RESENDE, M.J.G. Distribuição dos solos de Goiás: Classes de solos dos municípios goianos. Goiânia: EMATER – Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária. 2016, 57p.
SANTOS, L. D. T.; et al. Levantamento fitossociológico em pastagens degradadas sob condições de várzea. Planta Daninha, v. 22, n. 3, p. 343-349, 2004.
SILVA, F. J. C.; et al. Avaliação de índices fitossociológicos de plantas daninhas em solos com três diferentes texturas na cultura da cana-de-açúcar. Revista Fafibe On-Line, v. 10, n. 1, p. 223-240, 2017.
SORENSEN, T. A. Method of stablishing groups equal amplitude in plant society based on similarity of species content. In: ODUM, E.P. Ecologia. 3.ed. México: Interamericana, 1972. p. 341-405.
SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. 1ª ed. Nova Odessa: Plantarum, 2005. 640p.
TAVARES, C. J.; et al. Fitossociologia de plantas daninhas na cultura do feijão. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 8, n. 1, p. 27-32, 2013