AGROECOLOGIA UMA OPÇÃO DE SUSTENTABILIDADE NO CAMPO E NA CIDADE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

DIRCEU BENINCA Leticia Campos Bonatti

Resumo

Este texto trata das principais dificuldades enfrentadas pela agricultura familiar para realizar a transição agroecológica, expandir e diversificar a produção no Extremo Sul da Bahia. Para entender as dinâmicas que orientam o cultivo, a comercialização e o consumo dos produtos agroecológicos na região, foi feita uma revisão bibliográfica e levantamento qualitativo de informações por meio de entrevistas com produtores, consumidores e profissionais da área. Pelo estudo, constataram-se vários impactos negativos provocados pela expansão das monoculturas e pelo uso intensivo de agrotóxicos em âmbito regional. Em contrapartida, reafirma-se a importância da agroecologia como uma alternativa em termos socioeconômicos, culturais, de sustentabilidade ambiental e de saúde integral à população que adere a essa prática. Decorre daí a necessidade e o desafio de fortalecer o modelo agroecológico por meio de capacitação técnica, da educação do campo, das políticas de incentivo à produção e escoamento, bem como de ações conscientizadoras acerca dos benefícios do consumo de tais produtos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BENINCA, DIRCEU; BONATTI, Leticia Campos. AGROECOLOGIA. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 13, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23201>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23201.
Seção
Artigos

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: Uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução de BREDA, T., São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016.
ALMEIDA FILHO, N.; et al. Universidade Popular e democratização de saberes: o caso da Universidade Federal do Sul da Bahia. EccoS – Rev. Cient., São Paulo, n. 42, p. 39-55, jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso: 31 mar. 2020.
ALTIERI, M. Agroecologia: As Bases Científicas da Agricultura Alternativa. AS-PTA / FASE, Rio de Janeiro, 1989.
BRANDÃO, C. R.; BORGES, M. C. A pesquisa participante: um momento de educação popular. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 6, p. 51-62, jan/dez, 2007.
BRASIL. Decreto lei nº 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso: 31 mar. 2020.
CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.
CAPORAL, F. R. (Org.); COSTABEBER, J. A.; PAULUS, G. Agroecologia: uma ciência do campo da complexidade. Brasília: 2009.
CARNEIRO, F. F. et al.(Orgs.) Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015. Disponível em: . Acesso: 17 nov. 2019.
CENTRO DE ESTATÍSTICAS E INFORMAÇÕES (CEI). Perfil da Região Econômica Extremo Sul. Salvador, 1992.
COSTA, F. A.; CARVALHO, H. M. Campesinato. In: CALDART, R. S. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Expressão Popular, 2012.
FARIA, N. M. X. et al. Intoxicação por agrotóxicos no Brasil: os sistemas oficiais de informação e desafios para realização de estudos epidemiológicos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 1, p. 25-38, 2007. Disponível em: . Acesso: 20 jul. 2020.
FERNANDES, B. M. Educação do Campo e Território Camponês no Brasil. In: SANTOS, C. A. dos (Org.). Por uma educação do campo: Campo - Políticas Públicas – Educação. Brasília: Incra; MDA, 2008.
GADOTTI, M.; STANGHERLIM, R. Universidade na perspectiva da educação popular. In: SANTOS, E.; MAFRA, J. F.; ROMÃO, J. E. (Org.). Universidade popular: teorias, práticas e perspectivas. Brasília: Liber Livro, 2013.
GHEDINI, C. M. et al. A educação do campo e a diversidade sociocultural do campesinato. In: MIRANDA, S. G.; SCHWENDLER, S. F. (Orgs.). Educação do campo em movimento: teoria e prática cotidiana. Curitiba: Ed. UFPR, 2010.
GREGORI, P. 20% dos agrotóxicos liberados em 2019 são extremamente tóxicos. In: Agência Pública/Repórter Brasil | 16/01/20. Disponível em: < https://reporterbrasil.org.br/2020/01/20-agrotoxicos-liberados-em-2019-sao-extremamente-toxicos/>. Acesso: 23 jul. 2020.
GUHUR, D. M.; TONÁ, N. Agroecologia. In: CALDART, Roseli Salete et. al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.
LEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e desenvolvimento rural Sustentável, v. 3, n. 1, p. 36-51, 2002. Disponível em:. Acesso: 31 mar. 2020.
LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. Coleção questões da nossa época, v. 39. São Paulo: Cortez, 2012.
MACHADO, R. L. A. Conceitos. In: Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, 2017. Disponível em: . Acesso: 31 mar. 2020.
MARTINE, G.; ALVES, J. E. D. Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade? Revista bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, pp. 433-460, set./dez. 2015. Disponível em: . Acesso: 24 jul. 2020.
MENCK, V. F. Intoxicação do(a) trabalhador(a) rural por agrotóxicos: (sub)notificação e (in)visibilidade nas políticas públicas [dissertação]. [Limeira]: Universidade Estadual de Campinas, 2016. Disponível em: Acesso: 20 mar. 2020.
MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: Opção descolonial e o significado de identidade em política. Tradução: Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, pp. 287–324, 2008.
MOREIRA, R. J. Críticas ambientalistas à Revolução Verde. Estudos Sociedade e Agricultura. 2000. Disponível em: . Acesso: 28 mar. 2020.
NORDER, L. A. et al. Agroecologia: polissemia, pluralismo e controvérsias. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. XIX, n. 3, pp. 1-20, jul./set. 2016. Disponível em: . Acesso: 15 mar. 2020.
PRIMAVESI, A. M. Manual do solo vivo. São Paulo: Expressão Popular, 2016.
SANTOS, L. D. C. dos, et al. Investigação sobre o manejo e aplicação de agrotóxicos pelos agricultores da fazenda Boa Vista, do município de Goioerê-PR e do vilarejo Água Santo Antônio, do município de Janiópolis-PR. Arquivos da Apadec. 2001.
SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. Tradução: Dinah de Abreu Azevedo, São Paulo: Gaia, 2003.
SILVA, R. C. da et al. Geração de renda no assentamento agroecológico Jacy Rocha com venda direta: construção de alternativas sustentáveis. Revista Fitos, Rio de Janeiro, 2019, Suplemento pp. 30-36. Disponível em: . Acesso: 23 mar. 2020.
TENDLER, S. (Coord.). O veneno está na mesa 2. Direção: Silvio Tendler. Documentário. Rio de Janeiro, 2014.
TENDLER, S. (Coord.). O veneno está na mesa. Direção: Silvio Tendler. Documentário. Rio de Janeiro, 2011.