A Agroecologia e a Marcha das Margaridas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sarah Luiza de Souza Moreira Suzi Huff Theodoro

Resumo






A Marcha das Margaridas é uma mobilização das mulheres do campo, das águas e das florestas, que ocorre no Brasil desde 2000 e que vem, ao longo de suas edições, incorporando a pauta da Agroecologia, por meio de uma reflexão sobre seu desenvolvimento conceitual, no Brasil e no mundo. O conceito passou de uma concepção mais teórica e técnica, para uma perspectiva mais sistêmica, caracterizando-se como ciência, movimento e prática, que incorpora novos temas, a partir da convergência e diálogos de saberes. No processo de organização do movimento agroecológico brasileiro, o diálogo com o movimento feminista foi sendo aprofundado e o lema “Sem feminismo não há Agroecologia” ganhou força e centralidade. O presente trabalho analisa a contribuição histórica das mulheres no tema, sendo suas lutas fundamentais para a construção e ressignificado da Agroecologia. A partir de análises teóricas e documentais, bem como por entrevistas, concluímos que ocorreram mudanças conceituais no tema em cada edição da Marcha, respaldadas pela visibilização da contribuição econômica e política das mulheres rurais e de sua luta contra o patriarcado.






##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MOREIRA, Sarah Luiza de Souza; THEODORO, Suzi Huff. A Agroecologia e a Marcha das Margaridas. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 14, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/23043>. Acesso em: 20 jan. 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23043.
Seção
Artigos

Referências

ALTIERI, M. A. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. 2. ed. Rio de Janeiro: PTA- FASE, 1989. 240 p.
BRUSCHINI, C. O uso das abordagens quantitativas em pesquisas sobre relações de gênero. In: BRUSCHINI, Cristina; COSTA, Albertina. (Orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosados Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992, p. 289-309.
BUTTO, A. Movimentos sociais de mulheres rurais no Brasil: a construção do sujeito político. 2017. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação de Sociologia, Recife/PE, 2017.
CALAÇA, M. Rompendo a cerca do isolamento: as relações entre a Agroecologia e as questões de gênero. Dissertação apresentada para obtenção do título de mestre em Serviço social. UFPE. Recife. 2012.
CARRASCO, C. A sustentabilidade da vida humana: um assunto de mulheres. In: FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam. (orgs.). A produção do viver: ensaios de economia feminista. São Paulo: SOF, 2003. (Coleção Cadernos Sempre Viva. Série Gênero, Políticas Públicas e Cidadania 7).
____________ . La economía feminista: una apuesta por otra economía. In: VARA, Maria Jesús (Coord.). Estudios sobre género y economia. Madrid: Akal. 2006. p. 29-62.
Moreira e Theodoro
Revista Brasileira de Agroecologia | Vol. 15 | No 5 | Ano 2020 | p. 329
A AGROECOLOGIA E A MARCHA DAS MARGARIDAS
CASADO, G. et al.et al. (Coords). Introdución a la agroecologia como desarollo sostenible. Revista Española de Investigaciones Sociológicas. V. 95, n.1, p. 213-217, 2001.
CONTAG. Texto base para debates – Marcha das Margaridas 2003. Brasília: Contag/Fetags/STTRs/CUT/Secretaria de Mulheres do CNS/MMTE/NE/ MIQCB/MLT – REDE LAC, MMM, SOF, Esplar, Fase, CPT, Casa Lilás, Fórum Carajás, Loucas de Pedra Lilás, 2003.
________. Caderno de textos para estudo e debates – Marcha das Margaridas 2007. Brasília: Contag/Fetags/STTRs/CUT – MMTE/NE, MIQCB, CNS, MAMA, REDE LAC, MMM, 2007.
________. Caderno de textos para estudos e debates – Marcha das Margaridas 2015. Brasília: Contag/Fetags/STTRs/CUT. Brasília, 2015.
DIAS, M. Teoria e métodos dos estudos feministas: perspectiva histórica e hermenêutica do cotidiano. In. COSTA, A; BRUSCHINI, C. (Orgs.) Uma questão de gênero (pp. 39-53). Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.
EICHLER, M. Nonsexist research methods: A Practical guide. Winchester: Allen & Unwin, Inc, 1988.
FARIA, N.; NOBRE, M. (Orgs.). A produção do viver: ensaio de economia feminista. São Paulo: SOF, 2002.
FRANCIS, C. et al. Agroecology: the ecology of food systems. Journal of Sustainable Agriculture, v. 22, n. 3, p. 99- 118, 2003.
FEIDEN, A. Agroecologia: introdução e conceitos. In: AQUINO, A. M.; ASSIS, R. L. (orgs) Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura. Brasília, DF: EMBRAPA, 2005.
GLIESSMAN, S. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade UFRGS, 2000.
____________. Agroecology: The ecology of sustainable food systems (2nd ed.). Boca Raton, FL: CRC Press/Taylor & Francis, 2007.
GUZMÁN, S. Uma estratégia da sustentabilidade a partir da agroecologia. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, vol. 1, no 1, p.35-45, 2001.
HEREDIA, B.; CINTRÃO, R. Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. Revista NERA – ano 9, n. 8 – janeiro/junho de 2006.
JALIL, L. As flores e os Frutos da luta: o significado da organização e da participação política para as Mulheres Trabalhadoras Rurais. Tese (Doutorado em Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura), Rio de Janeiro, UFRRJ, 2013
LUZZI, N. O debate agroecológico no Brasil: uma construção a partir de diferenças atores sociais. 2007. 182f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2007.
MONTEIRO, D.; LONDRES, F. Pra que a vida nos dê flor e frutos: notas sobre a trajetória do movimento agroecológico no Brasil. In. SAMBUICHI, R. org. et al. A Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília, IPEA, 2017.
MOREIRA, S. L. S.; FERREIRA, A. P.; SILIPRANDI, E. Memória das mulheres na agroecologia do Brasil. In: SANCHEZ, G. P. Z. et al. (Coord). Agroecología em femenino: reflexiones a partir de nuestras experiências. SOCLA, 2018 NEVES, S.; NOGUEIRA, C. Metodologias feministas: a reflexividade a serviço da investigação nas Ciências Sociais. Psicologia Reflexão e Crítica, 18 (3), 408-412, 2005.
NOBRE, M. Economia solidaria, agroecologia y feminismo: prácticas para la autonomía en la organización del trabajo y de la vida. In: VERSCHUUR, C. et al. Une économie solidaire peut-elle être féministe? Homo oeconomicus, mulher solidaria. Paris: L'Harmattan, p. 273-294, 2015.
_________. Relações de gênero e agricultura familiar. In: NOBRE, M. et al (org.). Gênero e agricultura familiar. SP: SOF, 1998.
PACHECO, M. E. L. Em defesa da agricultura familiar sustentável com igualdade de gênero. In: GT Gênero – Plataforma de Contrapartes Novib/SOS Corpo. Perspectivas de gênero: debates e questões para ONGs. Recife: Gênero e Cidadania, 2002.
_________________. Os caminhos das mudanças na construção da Agroecologia pelas mulheres. In. AGRICULTURAS: EXPERIÊNCIAS EM AGROECOLOGIA. Mulheres construindo a agroecologia. Rio de Janeiro, v.6, n.4, dez. 2009.
PIRES, M. J. S.; RAMOS, P. O termo modernização conservadora: sua origem e utilização no Brasil. REN – Revista Econômica do Nordeste. Vol. 40, no 3, 2009.
SEVILLA GUZMÁN, E. e MOLINA, M. G. Ecología, Campesinado y Historia: para una reinterpretación del desarrollo del capitalismo en la agricultura. In: Ecología, Campesinado y Historia, Guzmán y Molina, orgs., Córdoba: Endimión, 1993.
SEVILLA GUZMÁN, E. Uma estratégia da sustentabilidade a partir da agroecologia. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, vol. 1, no 1, p.35-45, jan/mar, 2001.
SILIPRANDI, E. Mulheres e Agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2015.
SHIVA, V. Manifiesto para una democracia de la tierra. Justicia, sustenibilidad y paz. Barcelona: Paidós, 2006. Revista Brasileira de Agroecologia | Vol. 15 | No 5 | Ano 2020 | p. 330

WEZEL, A. S. et al. Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. In: Agronomy for Sustainable Development, Paris, n. 29, p. 503-515, 2009.