EXTRATIVISMO E GERAÇÃO DE RENDA DA MANGABA (Hancornia speciosa Gomes) EM REGIÃO LITORÂNEA DO RIO GRANDE DO NORTE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

KÍVIA SOARES DE OLIVEIRA MAGDI AHMED IBRAHIM ALOUFA

Resumo






O extrativismo vegetal é uma prática frequente em regiões onde há espécies, potencialmente, úteis para a humanidade, devido ao seu caráter socioeconômico e cultural. Este estudo objetivou caracterizar o extrativismo da mangaba e avaliar o seu potencial de geração de renda no município de Nísia Floresta, RN. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas, com perguntas sobre o perfil socioeconômico, coleta, comercialização e conhecimentos etnobotânicos associados ao extrativismo da mangaba. Os informantes locais possuem conhecimentos relacionados à mangabeira, são dependentes de seus recursos e percebem a sua diminuição. A redução das áreas nativas, o acesso limitado aos locais de coleta e as dificuldades de comercialização são os principais desafios para o desenvolvimento da atividade na região. A atividade gera renda média familiar de R$ 3.314,08/anual, porém, necessita de estratégias que integrem a conservação dos recursos genéticos e culturais, como programas de capacitação organizacional e implantação de uma associação para valorizar o produto






##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
OLIVEIRA, KÍVIA SOARES DE; ALOUFA, MAGDI AHMED IBRAHIM. EXTRATIVISMO E GERAÇÃO DE RENDA DA MANGABA (Hancornia speciosa Gomes) EM REGIÃO LITORÂNEA DO RIO GRANDE DO NORTE. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 14, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/22898>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.22898.
Seção
Artigos

Referências

ALVES, R. V. Estudo de caso da comercialização dos produtos florestais não madeireiros (PFNM) como subsídio para restauração florestal. 2010. 211f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 2010.
ANDRADE, A. J. P.; SILVA, N. M.; SOUZA, C. R. As percepções sobre as variações e mudanças climáticas e as estratégias de adaptação dos agricultores familiares do Seridó potiguar. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba-PR, v. 31, p. 77-96, 2014.
BRASIL. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis no 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; dá outras providências. Brasília: DOU de 21/5/2012.
BRITO, J. V. S.; MOTA, D. M. O Extrativismo da mangaba em Sergipe: uma atividade meramente feminina? In: VIII Congresso Latino-Americano de Sociologia Rural, 2010. Anais... Recife, UFRPE, 2010.
CARRAZZA, L. Tecnologias Sociais Agroextrativistas como Estratégia de conservação e Desenvolvimento Local. In: Tecnologias Sociais: Caminhos para a sustentabilidade. / Aldalice Otterloo [et al.]. – Brasília/DF: s. n., 2009. 278 p. (p.264-277).
DIAS, H. M.; SOARES, M. L. G.; NEFFA, E. Espécies florestais de restingas como potenciais instrumentos para gestão costeira e tecnologia social em Caravelas, Bahia (Brasil). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 727-740, 2014. DUTRA, R. M. S.; SOUZA, M. M. O. Agroextrativismo e geopolítica da natureza: alternativa para o Cerrado na perspectiva analítica da cienciometria. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 11, n. 3, p. 110-133, 2017.
FACHINELLO, D. T. Produtos Florestais Não-Madeiráveis (PFNM) no Estado de Rondônia e as Visões sobre Desenvolvimento, Sustentabilidade e Extrativismo. 2010. 99 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação Mestrado em Administração – PPGMAD, Porto Velho: UNIR, 2010.
FISCHER, I. “Relações de gênero na agricultura familiar no acampamento de Sem Terra do Engenho Prado”. In: SCOTT, P.; CORDEIRO, R. (Org.). Agricultura Familiar e Gênero: práticas, movimentos e políticas públicas. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2010. p. 193-204.
FILDLER, N. C. et al. Produtos florestais não madeireiros: importância e manejo sustentável da floresta. Revista Ciências Exatas e Naturais, Paraná, v. 10, n.2, p.42-45, 2008.
FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n.1, 17-27, 2008.
GAMA, D. C. et al. O cambuí (Myrciaria tenella (DC.) O. Berg; Myrtaceae): extrativismo e geração de renda em Ribeira do Pombal-Bahia. Rev. Bras. de Agroecologia, v. 12, n. 1, p. 42-51, 2017.
GIL, A. C. 2008. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed., São Paulo: Atlas 200 p.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura. 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2020.
Instituto de Defesa do Meio Ambiente-IDEMA. Perfil do seu município: Nísia Floresta. 2013. Disponível em:< http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000016676.PDF>
JESUS, N. B.; GOMES, L. J. G. Conflitos socioambientais no extrativismo da aroeira (Schinus terebebinthifolius Raddi), Baixo São Francisco – Sergipe/Alagoas. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 55-73, 2012.
ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobiológica e
Etnoecológica. Recife: NUPEEA, 2010. 559p.
Revista Brasileira de Agroecologia | Vol. 15 | No 5 | Ano 2020 | p. 316
Bioma cerrado. Disponível em:
Oliveira e Aloufa
LAVINAS, L.; COBO, B.; VEIGA, A. Bolsa Família: impacto das transferências de renda sobre a autonomia das mulheres pobres e as relações de gênero. Revista Latinoamericana de Población, v. 6, n. 10, p. 31-56, 2012.
LIMA, I. L. P.; SCARIOT, A. Boas práticas de manejo para o extrativismo sustentável da Mangaba. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2010.
LIMA, I. L. P. et al. Diversidade e uso de plantas do Cerrado em comunidade de Geraizeiros no norte do estado de Minas Gerais, Brasil. Acta bot. bras., Belo Horizonte- MG, v. 26, n. 3, p. 675-684, 2012.
LINHARES, J.F.P.; PINHEIRO, C.U.B. Caracterização do sistema de extração de látex de janaúba (Himatanthus Willd. ex Schult. - Apocynaceae), no Município de Alcântara, Estado do Maranhão, Brasil. Rev. Pan-Amaz Saude, Pará, v. 4, n. 1, p. 23-31. 2013.
MACHADO, F. S. Manejo de Produtos Florestais Não-Madeireiros: um manual com sugestões para o manejo participativo em comunidades da Amazônia. Rio Branco: PESACRE e CIFOR, 2008. 105 p.
MENDES, M. F. et al. A organização das mulheres extrativistas na região Sudoeste mato-grossense, Brasil. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 416, 2014.
MMA, Ministério do Meio Ambiente (2018).
http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado. Consultado: 07/11/2018.
MORAES, T. M. et al. Hancornia speciosa: Indications of gastroprotective, healing and anti-Heliobacter pilori actions. Journal of Ethnopharmacology, v. 120, p. 161-168, 2008.
MOTA, D. M.; SANTOS, J. V. Uso e conservação dos remanescentes de mangabeira por populações extrativistas em Barra dos Coqueiros, Estado de Sergipe. Acta Sci. Human Soc. Sci. Maringá, v. 30, n.2, p.173-180, 2008.
OLIVEIRA, L. C. A.; VELASCO, D. G. Os saberes tradicionais da macaúba (Acrocomia aculeata) associados à feira agroecológica raízes do campo em Jaboticatubas, MG/Brasil. Revista Euroamericana de Antropología, n. 7, p. 135- 147, 2019.
OLIVEIRA, K. S. Comunidades extrativistas e o uso da biotecnologia vegetal como alternativa à conservação da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes). 2016. 97p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2016.
OLIVEIRA, D. M. et al. Identificação dos pontos críticos no sistema extrativista da mangaba (Hancornia speciosa Gomes) em Sergipe. Guaju, Matinhos, v. 3, n. 1, p. 11-36, 2017.
OLIVEIRA, K. S.; ALOUFA, M. A. I. Percepção ambiental e extrativismo da mangabeira: um estudo em comunidades do Rio Grande do Norte. Gestão e sustentabilidade ambiental, Florianópolis, v. 8, n. 4, p. 420-442, 2019.
PRIMACK, R. B; RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Londrina: Editora Planta, 2006. 327p.
RITTER, M. R. et al. Plantas usadas como medicinais no município de Ipê, RS, Brasil. Ver. Bras. Framacogn, v12, p.51- 62, 2002.
SANTOS, J. V. O papel das mulheres na conservação das áreas remanescentes de mangabeiras (Hancornia speciosa Gomes) em Sergipe. 2007. 103 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2007.
SANTOS, E. A.; SOUZA, R. M. Territorialidade das catadoras de mangaba no litoral sul de Sergipe. Geosaberes, Fortaleza, v. 6, n. 3, p. 629-642, 2016.
SARAIVA, R. M.; JESUS, S. M. S. A.; SILVA, A. S. As catadoras de mangaba e o seu papel no contexto da sociedade sergipana. In: VI Colóquio Internacional “Educação e contemporaneidade”, São Cristóvão/SE, 2012.
SILVA, C. G. et al. Hancornia speciosa Gomes induces hypotensive effect through inhibition of ACE and increase on NO. Journal of Ethnopharmacology, v. 137, p. 709-711, 2011.
SILVA, C. V.; MIGUEL, L. A. Extrativismo e abordagem sistêmica. Novos Cadernos NAEA, v. 17, n. 2, p. 189-217, 2014. SILVA, M. E. C. et al. Aspectos etnobotânicos da palmeira babaçu (Attalea speciosa Mart. ex Spreng.) em comunidades extrativistas no Piauí, nordeste do Brasil. Gaia Scientia, v. 11, n. 3, p. 196-211, 2017.
SHIRAISHI NETO, J. Quebradeiras de coco: “babaçu livre” e reservas extrativistas. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.14, n.28, p.147-166, 2017.
SOUSA, R. P. Agroecologia e educação do campo: desafios da institucionalização no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 140, p.631-648, 2017.
TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Expressão Popular, 2015.
VIEIRA, M. C. et al. Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes): uma frutífera promissora do Brasil. Scientific Electronic Archives, Mato Grosso, v. 10, n. 2, 2017.