OLHAR SOCIOCULTURAL PARA PROMOÇÃO DA EXTENSÃO RURAL AGROECOLÓGICA NA AMAZÔNIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leandro Rodrigues da Cunha Correa José Guedes Fernandes Neto Márcio Luiz Farias Rato Malcon MPC do Prado Costa

Resumo

A Organização das Nações Unidas aponta a agricultura como patrimônio da humanidade e a Agroecologia como ferramenta viável para promoção e manutenção do direito à soberania alimentar. Julga-se importante, do ponto de vista científico, conhecer os agroecossistemas e seus atores sociais. Foram acompanhadas e descritas práticas de assistência técnica agrícola oferecidas a agricultores na região da Tríplice Fronteira Amazônica (Peru, Brasil e Colômbia), através do método observação-participante em atividades oferecidas pela Fundacion Caminos de Identidad (FUCAI) e pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI). As intervenções presenciadas possuíam abordagem sociocultural e promoviam a autonomia comunitária. Sugere-se que modelos de assistência técnica com olhar sociocultural, sensíveis às realidades locais e focados na promoção da autonomia comunitária refletem positivamente, não só nas comunidades onde são aplicadas, como também em todo território amazônico.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CORREA, Leandro Rodrigues da Cunha et al. OLHAR SOCIOCULTURAL PARA PROMOÇÃO DA EXTENSÃO RURAL AGROECOLÓGICA NA AMAZÔNIA. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 15, n. 5, p. 12, dec. 2020. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/22840>. Acesso em: 12 may 2021. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.22840.
Seção
Artigos

Referências

ALTIERI, M.; TOLEDO, V. La Revolución Agroecológica en América Latina: rescatar la naturaleza, asegurar la soberanía alimentaria y empoderar al campesino. SOCLA, n. 42, 2010, p. 163 – 202.
ANDRADES, T. O. DE; GANIMI, R. N. Revolução verde e a apropriação Capitalista, CES Revista, Juiz de Fora, v.21, p. 43-p.56, 2007.
BARNAUD, Cecile et al. Ecosystem services, social interdependencies, and collective action. Ecology and Society, v. 23, n. 1, 2018.
BLEIL, S. I. O Padrão Alimentar Ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Revista Cadernos de Debate (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da UNICAMP), Campinas, v. 6, s/n, 1998, p. 1-25.
BRASIL. Lei nº 12.188, de 11 de janeiro de 2010. Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária - PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária - PRONATER, altera a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2018.
CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e Extensão Rural: Contribuições para a promoção do Desenvolvimento Rural Sustentável. 3ª. ed. Brasília: MDA/SAF/DATER, 2007. v. 5000. 166 p.
FIGUEROA, Dixis. Padrões Alimentares: da teoria à prática – o caso do Brasil. Revista de Humanidades, Caicó - Rn, v. 4, n. 9, p.104-114, fev. 2004.
FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION (FAO). Las soluciones están en los vínculos: 10 elementos de la agroecología que pueden guiarnos hacia sistemas alimentarios sostenibles, 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 de mai. 2018.
FUNAI, Fundação Nacional do Índio -. Quem Somos. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2018
FUNDACIÓN CAMINOS DE IDENTIDAD - FUCAI. Comunidades indígenas de abundância. Bogotá (Colômbia): Ed. Kimpres S.A.S., 2017, 296 p.
GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4 ed. Porto Alegre: Editora da Universidade – UFRGS, 2009. 654 p.
GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa: Tipos Fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p, 20-29 mai./jun. 1995, p. 20-29.
GOOGLE. Google Earth. Version X. 2018. Alto Solimões. Disponível em: <>. Acesso em: 12/10/2018.
GUANZIROLI, C. E.; CARDIM, S. E. C. S. Novo retrato da agricultura familiar: o Brasil redescoberto. Projeto de Cooperação Técnica INCRA/FAO, MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário, Brasília, DF: INCRA/FAO, MDA, 2000. Disponível em: .
IDAM, Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas. Site institucional: Quem somos. Disponível em: http://www.idam.am.gov.br/o-idam/quem-somos/. Consultado em 14/03/2020
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Série Manuais Técnicos em Geociências 1, 2ª edição revista e ampliada. IBGE, Rio de Janeiro, 2012, 275 p.
ISA, Instituto Socioambiental -. Povos Indígenas no Brasil: Ticuna. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2018.
KINUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Instituto Plantarum de Estudos da Flora LTDA, São Paulo. 2014
LAQUES, A. E. et al. As políticas públicas e os efeitos sobre as estratégias de gestão de recursos: o caso do Alto Solimões, Amazonas, Brasil. In: Noda, H.; Noda, S. N.; Laques, A. E. (Org.). Dinâmicas socioambientais na agricultura familiar na Amazônia. Manaus (AM): Ed. Wega, 2013. p. 8-32.
NODA, H.; LAQUES, A.; LÉNA, P. Dinâmicas socioambientais na agricultura familiar na Amazônia. Manaus, AM: WEGA, 2013.
NODA, H.; NODA, S. N. Traditional family agriculture and the conservation of social biodiversity in Amazonas. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 4, n. 6, Mar. 2003.
NODA, S. N.; MARTINS, A. L. U.; NODA, H.; PAIVA, M. S. S.; MARTINS, L. H. P. Uma experiência metodológica para o estudo da agricultura familiar na várzea do Solimões-Amazonas. In: Sandra do Nascimento Noda. (Org.). Agricultura Familiar na Amazônia das Águas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007, v., p. 11-22.
OLINGER, Glauco. Ascensão e decadência da extensão rural no Brasil. Florianópolis: Epagri, 1996.
PINHEIRO, H. P. Vulnerabilidade e segurança hidroclimatológica no Alto Solimões: o caso das Vilas de Belém do Solimões e Campo Alegre / Amazonas. 2016. 194 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2016.
PRIMAVESI, Ana. Agroecologia: ecosfera, tecnosfera e agricultura. São Paulo: Nobel, 1997. 199 p.
QUEIROZ, L.; COSTA, V. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural: Um Caminho para Emancipação da Agricultura Familiar. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS - Para além da crise global: experiências e antecipações concretas, VII. 2015, São Luís (MA). Trabalho Completo. São Luís: Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Maranhão, 2015. p. 1-13.
RAMOS, Gilberto de Lima; SILVA, Ana Paula Gomes da; BARROS, Antônio Alves da Fonseca. Manual de Metodologia de Extensão Rural. Recife, Pe: Ipa, 2013. 76 p.
SILVA, A. E. C. DA; SOUSA, J. R. G. de. O mito e o rito na espiritualidade indígena: Uma visão a partir dos potiguara e tabajara da paraíba. Diversidade Religiosa, João Pessoa, v. 7, n. 1, p. 202-215, 2017.
STEENBOCK, Walter; VEZZANI, Fabiane Machado. Agrofloresta: aprendendo a produzir com a natureza. Curitiba: editora UFPR, 2013. 149 p.
TOLEDO, Victor M.; BARREIRABASSOLS, Narciso. La memória biocultural: la importância ecológica de
las sabidurias tradicionales. Barcelona: Icaria Editorial, 2008. 232 p.
WEZEL, Alexander et al. Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agronomy for sustainable development, v. 29, n. 4, p. 503-515, 2009.