QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES CRIOULAS DE MILHO PIPOCA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Adriana Paula D'Agostini Contreiras Rodrigues Daniela Aparecida Dalla-Costa Izabella Crhispim Colognese Silvia Rahe Pereira

Resumo

Estudou-se a qualidade fisiológica de genótipos crioulos de milho pipoca (amarelo, vermelho e preto) oriundo da agricultura familiar do sudoeste do Paraná. Avaliou-se germinação, vigor de sementes e de plântulas. Todos os genótipos de milho pipoca analisados possuem germinação e vigor adequados para a sua propagação na forma de semente. O genótipo de milho pipoca vermelho possui germinação e vigor superiores aos genótipos amarelo e preto.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
RODRIGUES, Adriana Paula D'Agostini Contreiras et al. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES CRIOULAS DE MILHO PIPOCA. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 13, n. 5, dec. 2018. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/22750>. Acesso em: 25 apr. 2019. doi: https://doi.org/10.33240/rba.v13i5.22750.
Seção
Notas Agroecológicas

Referências

ALMEIDA, M. L.; et al. Crescimento inicial de milho e sua relação com o rendimento de grãos. Ciência Rural, v.33,
n.2, p.189-194, 2003.
AQUINO, A. M.; ASSIS, R. L. Agricultura orgânica em áreas urbanas e periurbanas com base na agroecologia.
Ambiente & Sociedade, v. 10, n. 1, p. 137-150, 2007.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 45 de 17 de Setembro de
2013. Estabelece os padrões para a produção e a comercialização de sementes. Diário Oficial da União, Poder
Executivo, Brasília, DF, 17 set. 2013 p.39.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009.
395 p.
CARDOSO, R. B.; et al. Potencial fisiológico de sementes de crambe em função de embalagens e armazenamento.
Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 3, p. 272-278, 2012.
CARMO, M. S. do. Agroecologia: novos caminhos para a agricultura familiar. Revista Tecnologia e Inovação
Agrícola, v. 1, n. 2, p. 28-40, 2008.
CRUZ, E. M. Seleção de famílias de milho-pipoca avaliadas com testemunhas intercalares. 2001. 75 p. Tese
(Doutorado em Genética e Melhoramento) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.
DIAS, M. A. N.; et al. Vigor de sementes de milho associado à mato-competição. Revista Brasileira de Sementes, v.
32, n. 2, p. 93-101, 2010.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Árvore do conhecimento: milho. Agência
EMBRAPA de Informação tecnológica. 2013. Disponível em:
.
Acesso em: 29 jul. 2017.
FRANÇA NETO, J. B. Evolução do conceito de qualidade de sementes. Informativo ABRATES, v. 19, n. 2, p. 76-80,
2009.
FRANÇA NETO, J. B.; et al. A importância do uso de sementes de soja de alta qualidade. Informativo ABRATES,
v.20, n.1, p.037-038, 2010.
FREIRE, A.I. Avaliação da capacidade de expansão de milho-pipoca pelas técnicas de espectrometria no
infravermelho próximo, composição química e microscopia eletrônica. 2015. 53 p. Dissertação (Mestrado em
Genética e Melhoramento de Plantas) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2015.
KAPPES, C.; et al. Qualidade fisiológica de sementes e crescimento de plântulas de feijoeiro, em função de
aplicações de paraquat em pré-colheita. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 1, p. 9-18, 2012.
KRZYZANOWSKI, F. C.; et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218 p.
MARTINS, A. B. N.; et al. Analysis of seed quality: a nonstop evolving activity. African Journal of Agricultural
Research, v.9, n.49, p. 3549-3554, 2014.
NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.;
FRANÇA NETO, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. P. 2.1 – 2.24.
OGLIARI, J. B.; ALVES, A. C. Manejo e uso de variedades de milho como estratégia da Conservação de Anchieta. In:
BOEF, W. S.; THIJSEN M. H.; OGLIARI, J. B.; STAPIT, B. R. (Eds). Biodiversidade e agricultores: fortalecendo o
manejo comunitário. s/ed. Porto Alegre: L&PM, 2007, p. 226-234.
OLIVEIRA, A. C. S.; et al. Testes de vigor em sementes baseados no desempenho de plântulas. InterSciencePlace,
v.2, n. 4, p.1, 2009.
PACHECO, C. P. A.; et al. Estimativas de parâmetros genéticos nas populações CMS-42 e CMS-43 de milho pipoca.
Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 33, n.12, p.1995-2001, 1998.
PELINSKI, A.; et al. A diversificação no incremento da renda da propriedade familiar agroecológica. Congresso
Brasileiro de Agroecologia,4., 2006, Belo Horizonte.Anais... Belo Horizonte: EMATER, 2006. 4 p.
PERES, W. L. R. Testes de vigor em sementes de milho. 2010. 50p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) -
Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2010.
SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília: Editora UnB, 2004. 248 p.
SAWAZAKI, E. A cultura do milho-pipoca no Brasil. O Agronômico, v. 53, n. 2, p.11-13, 2001.
SYSTAT 1.Systatfor Windows, Version 13 Systat Software Inc.,Tangen, B.A.; Bu, M.G.Richmond: California, 2010.