O TREM, A AGROECOLOGIA E A ATUAÇÃO EM REDE: CAMINHOS E REFLEXÕES PARA O FORTALECIMENTO DOS NÚCLEOS DE ESTUDOS NO NORDESTE PARAENSE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Tatiana Deane de Abreu Sá William Santos de Assis Henderson Gonçalves Nobre José Gomes de Melo Júnior Luis Mauro Santos Silva Roberta de Fátima Rodrigues Coelho Romier da Paixão Sousa

Resumo

A partir da simbologia de um caminho de trem, que representa a região Bragantina no nordeste do
estado do Pará, é tecido um relato da evolução das ciências agrárias e do ensino superior de agricultura
na Amazônia, bem como sua aproximação com o paradigma da agroecologia, com ênfase no estado do
Pará. O marco da criação de Núcleos de Estudos em Agroecologia (NEAs) é analisado, considerando as
especificidades de um conjunto de NEAs do estado do Pará. Em um esforço de sistematização, a
experiência desses núcleos foi integrada às informações sobre a sua trajetória, a partir dos resultados
colhidos em uma caravana agroecológica realizada em junho de 2017, em duas rotas que percorreram,
ao todo, 11 municípios do Nordeste Paraense. Uma característica marcante dos NEAs dessa região é o
caráter de atuação em rede, caracterizado pela atuação conjunta em variadas modalidades de ações, o
qual deve ser mantido e ampliado no futuro.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SÁ, Tatiana Deane de Abreu et al. O TREM, A AGROECOLOGIA E A ATUAÇÃO EM REDE: CAMINHOS E REFLEXÕES PARA O FORTALECIMENTO DOS NÚCLEOS DE ESTUDOS NO NORDESTE PARAENSE. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 13, n. 1, aug. 2018. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/22472>. Acesso em: 26 oct. 2021.
Seção
Artigos

Referências

ARTICULAÇÃO NACIONAL DE AGROECOLOGIA – ANA. Texto sobre a história das caravanas agroecológicas na ANA. Disponível em: . Acesso em 13 ago. 2017.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA – ABA. Projeto “Sistematização de experiências”: construção e
socialização de conhecimentos – o protagonismo dos Núcleos e Rede de Núcleos de Estudos em Agroecologia das universidades públicas brasileiras. Disponível em: . Acesso em 13 ago. /2017
BECKER, B. K. O CNPq, a fronteira e a Amazônia. In: FAULHABER, P.; TOLEDO, P. M. de (Eds.) Conhecimento e
fronteira: história da ciência na Amazônia. Belém; MPEG, 2001. p. 727- 739.
CANAVESI, F. de C. et al. Agroecologia nas políticas públicas na promoção da segurança alimentar e nutricional.
Segurança Alimentar e Nutricional. v. 23, n. esp., p.1019-1030, 2016.
CONCEIÇÃO, M. de F. da. Políticas e colonos na Bragantina, Estado do Pará: um trem, a terra e a mandioca.
Campinas, UEC, Dissertação de Mestrado, 1999.
COSTA, F. da A. Desenvolvimento agrário sustentável na Amazônia: trajetórias tecnológicas, estrutura fundiária e
institucionalidade”. In: BECKER, B.; COSTA, F. da A.; COSTA, W. M. Um projeto para a Amazônia no século 21:
desafios e contribuições. Brasília: CGEE, 2009, p. 215-299.
COSTA, F. de A. Ciência, tecnologia e sociedade na Amazônia. Questões para o desenvolvimento sustentável.
Belém: Cejup, 1998, 108 p.
De REYNAL, V. et al. Agriculturas familiares e desenvolvimento em frente pioneira amazônica. ed. bilingüe. Coedição:
LASATCAT/GRET/UAG. França: Nouvelle Imprimerie Laballery, 1995. 74 p.
DOSSO, M. et al. Agriculture ou élevage? Rôle des couvertures pédologiques dans la différenciation et la
transformation de systèmes agraires pionniers au Brésil. Cahiers Agricultures, Paris, França, v. 14, n. 1, janvrierfévrier,
2005. p.76-84.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
GOMES, R. C.et al. A Construção Social da Agroecologia na Amazônia Um Olhar Sobre a Realidade Paraense.
Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 10, n. 3, maio 2016. ISSN 2236-7934.
HOLLIDAY, O. J. Para sistematizar experiências. Brasília: MMA, 2006. 128 p. 24 cm. Série Monitoramento e
Avaliação, 2.
HURTIENNE, T. Agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável na Amazônia. Novos Cadernos NAEA, v. 8,
n. 1, p. 19-71, 2005.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estimativa populacional 2016. 01 de julho de 2016.
JACOB, L. B. Agroecologia na Universidade: entre vozes e silenciamentos. 1a edição, Curitiba: Appris editora, 2016, 209 p.
MARCO REFERENCIAL EM AGROECOLOGIA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Brasília: Embrapa
Informação Tecnológica, 2006.70 p.
OLIVEIRA, G. I. C. et al. De patronato agrícola à Escola Agrotécnica Federal de Castanhal: o que a história do
currículo revela sobre as mudanças e permanências no currículo de uma instituição de ensino técnico? 2007.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará.
OTRANTO, C. R.; PAIVA, L. D. C. Contextos identitários dos Institutos Federais no Brasil: implicações da expansão
da educação superior. Fronteiras On-line, v. 6. n. 16, p. 7-20, 2016.
SÁ, T. D. de A. et al. A experiência das disciplinas integradas Agroecologia e Sistemas Agroflorestais no Mestrado
em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável, UFPA/Embrapa Amazônia Oriental. Cadernos de
Agroecologia, v. 12, n. 1, 2017b.
SÁ, T. D. de A. et al. Alternativas a queima em processos de transição agroecológica: um desafio para a agricultura
amazônica. Memorias del V Congreso Latinoamericano de agroecología, Mar Del Plata, 2015. Archivo digital
descarregado online.
SÁ, T. D. de A. et al. Desafios da interdisciplinaridade e da transdisciplinaridade na pesquisa agropecuária e
florestal. In: PHILIPPI JR, A.: FERNANDES, V.; PACHECO, R. C. S. (Eds.) Ensino, pesquisa e inovação- desenvolvendo
a interdisciplinaridade. São Paulo: USP, 2017a. p. 494-516.
SANTANA, A. C. de S. Perfil do profissional de ciências agrárias formado pela Universidade Federal Rural da
Amazônia. Empregadores, graduados e instituições correlatas. Belém: Ufra, 2003, 306 p.
SANTOS, C. S. et al. A TRANSIÇÃO AGROECOLÓGICA, A PARTIR DA CONTRUÇÃO DE SABERES E DISCUSSÕES SOBRE
RELAÇÕES DE GÊNERO NO MEIO RURAL In: VII Simpósio sobre Reforma Agrária e Questões Rurais – 30 anos de
assentamentos na Nova República, 2016, Araraquara. Anais... , 2016.
SEVILLA GUZMÁN, E. La agroecología como estrategia metodológica de transformación social. Publicaciones de la
Sociedad Científica Latinoamericana de Agroecología, 2007.
SHIMIZU, M. K, et al. Agriculture without burning: restauration of altered areas with chop-and-mulch sequential
agroforestry systems in the Amazon region. Global Advanced Research Journal of Agricultural Systems, v. 3, n. 12,
p. 415-422, 2014.
SILVA, L. M. S. A abordagem sistêmica na formação do agrônomo do século XXI. Editora Appris, Curitiba, 2011,
157 p.
SILVA, L. M. S. et al. A educação superior e a perspectiva agroecológica: avanços e limites nos Núcleos de
Agroecologia dos IES no Brasil. Redes Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 250-274, 2017.
SIMÕES, A. V.; OLIVEIRA, M. C. C. de. O enfoque sistêmico na formação superior voltada para o desenvolvimento
da agricultura familiar. In: Coleta Amazônica: iniciativas em pesquisa, formação e apoio ao desenvolvimento rural
sustentável na Amazônia. Org. Aquiles Vasconcelos Simões, Belém: Alves Ed. 2003, p. 147-172. UFPA.
SOUSA, R. Rompiendo las cercas: formación profesional y agroecología. Una mirada crítica de una experiencia en
la Amazonia brasileña. Tesina de Master. Universidad Internacional de Andalucía. 2013. 135 p.
SOUZA, J. F. Educação popular e movimentos sociais no Brasil. Educação popular & movimentos sociais. Lisboa:
Educa, p. 37-80, 2007.
VIEIRA, I. C. G. et al. Dinâmicas produtivas, transformações, uso da terra e sustentabilidade na Amazônia. In:
SIFFERT, N.; CARDOSO, M.; MAGALHÃES, W. de A.; TASTRES, H. M. M. (Orgs.) Um olhar territorial para o
desenvolvimento- Amazônia. Rio de janeiro, BNDES, 2-14, p. 270- 395.