ANÁLISE DE CAPACITAÇÕES COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE UM ASSENTAMENTO EM SÃO GONÇALO (RIO DE JANEIRO)

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

DIRLANE de Fátima do Carmo Karine Marinho do Nascimento Maria Thereza Alpoim de Jesus Dutra Mariana Vezzone Tosta Rabello Regina Célia Paula Leal-Toledo

Resumo

Neste trabalho, foi avaliada a capacitação de agricultores familiares de um assentamento no Rio de
Janeiro, no intuito de difundir técnicas para auxiliar na transição a uma agricultura agroecológica, bem
como demonstrar a possibilidade do uso de computadores como uma ferramenta para a organização
produtiva dos agricultores. As capacitações foram planejadas visando atender a todos os estilos de
aprendizagem, seja quanto à entrada (visual ou auditivo); à percepção (sensorial ou intuitivo); à
organização (indutivo ou dedutivo); ao processamento (ativo ou reflexivo); e à compreensão
(sequencial ou global). A análise das capacitações foi realizada por meio da aplicação de questionário e
entrevista com os agricultores. O estilo de aprendizagem destes se mostrou sensorial quanto à
percepção; quanto à entrada, demonstrou-se visual; indutivo quanto à organização; ativo quanto ao
processamento; e, quanto à compreensão, como sequencial. As capacitações mostraram-se
adequadas como ferramenta de aprendizagem pela avaliação dos agricultores, mas com
acompanhamento técnico teriam resultados mais efetivos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CARMO, DIRLANE de Fátima do et al. ANÁLISE DE CAPACITAÇÕES COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE UM ASSENTAMENTO EM SÃO GONÇALO (RIO DE JANEIRO). Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 13, n. 4, sep. 2018. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/22279>. Acesso em: 15 dec. 2018.
Seção
Artigos

Referências

ALONSO, L. B. N.; et al. Inclusão digital e inclusão social: contribuições teóricas e metodológicas. Barbarói (UNISC.
Online), v. 32, p. 154-177, 2010.
BERBEL, N. A. N. A metodologia da problematização em três versões no contexto da didática e da formação de
professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v.12, n.35, p.103-120, jan-abr., 2012.
BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes
caminhos? Interface: Comunicação, Saúde, Educação, v.2, n.2, 1998.
BORGES, M. S.; et al. A Gestão do Empreendimento Rural: um estudo a partir de um programa de transferência de
tecnologia a pequenos produtores. Revista de Ciências da Administração (CAD/UFSC), v. 47, p. 141-156, 2015.
BRASIL, 2012. Lei Federal Nº12.251, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, 28 de maio de 2012.
Seção 1, página 1.
BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Lei Federal Nº12.188, de 11 de janeiro de
2010. Diário Oficial da União, Brasília, 12 de janeiro de 2009. Seção 1, página 1.
BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Lei Federal Nº11.947, de16 de junho de
2009. Diário Oficial da União, Brasília, 17 de junho de 2009. Seção 1, página 2.
BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Decreto Nº6.323, de 27 de dezembro de
2007. Diário Oficial da União, Brasília, 28 de dezembro de 2007. Seção 1, Páginas 2 a 8.
BRASIL. Lei Federal Nº9.985, de 18 de julho de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de julho de 2000. Seção 1,
página 1.
BRASIL. Lei Federal Nº6.938, de 31 de agosto de 1981. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de setembro de 1981.
Seção 1, página 16509.
DAMIANI, M. F.; et al. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de educação, n.45, p. 57 –
67, maio/agosto, Pelotas, 2013.
EMATER, 2013. RuralPRO 2013. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, DF. Secretaria de Agricultura e
Desenvolvimento Rural. Disponível em:
http://www.emater.df.gov.br/index.php?option=com_phocadownload&view=category&id=46: administracaorural
FARIAS, J. L. S; et al. A inovação social como instrumento para a mudança paradigmática no desenvolvimento rural
sustentável no Semiárido nordestino, Brasil. In: Congreso Latinoamericano de sociologia rural 2014, Ciudad de Mexico.
Anais. Asociación Latinoamericana de sociologia rural. 2014. 25 f.
FELDER, R. M.; SILVERMAN, L. K. Learning and teaching styles in engineering education. Engr. Education, 78(7),
674–681 (1988).
FELDER, R. M. Are learning styles invalid (Hint: no). On-Course Newsletter, September 27, 2010.
http://www.oncourseworkshop.com/Learning046. htm. 2010.
FINATTO, R. A.; CORRÊA, W, K. As estratégias de desenvolvimento e a agricultura familiar de base agroecológica no
município de Pelotas/RS. Anais do 50
Encontro Nacional de Grupos de Pesquisa em agricultura, desenvolvimento
regional e transformações sócio-espaciais, 2009, Santa Maria/RS. Santa Maria/RS, 2009. v. 05.
FIRETTI, R.; et al. Programa capacitação rural – SEBRAE/SP: metodologia, aplicação e pesquisa de opinião com os
participantes. Colloquium Agrariae, v. 7, n.1, Jan-Jun. 2011, p. 24-40.
FIRETTI, R.; et al. Análise do “Programa capacitação rural” – SEBRAE/SP e caracterização dos participantes. Organizações
rurais & agroindustriais, v. 8, n.2, 2006, p. 176-189.
GASPAR, A. A educação formal e a educação informal em ciências. In: Luisa Massarani, Ildeu de Castro Moreira e
Fatima Brito. (Org.). Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. 1ªed.Rio de Janeiro: Casa da
Ciência - Centro Cultural de Ciência e Tecnologia/UFRJ, 2002, p. 171 - 183.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição, São Paulo: Atlas, 2008, p. 109-135.
LAFORGA, G.; VIEIRA, A. O. Ação extensionista da EMAPER frente à nova PNATER: uma análise a partir do
assentamento Guapirama, Campo Novo do Parecis (MT). Sociedade Brasileira de Economia, Administração e
Sociologia Rural. Rio Branco, Acre, 20 a 23 de julho de 2008.
MAPA – MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Instrução normativa Nº27, de 30 de agosto
de 2010. Diário Oficial da União, Brasília, 31 de agosto de 2010. Seção 1.
NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração.
São Paulo, v. 1, n.3, 20
sem, 1996.
OCTAVIANO, C. Muito além da tecnologia: os impactos da revolução verde. ComCiência, n.120, Campinas, 2010.
PASSOS, A. S.; et al. Diagnóstico socioeconômico e ambiental da comunidade residente em área da antiga Fazenda
Engenho Novo – São Gonçalo – RJ. Qualit@s Revista Eletrônica, vol. 9, n. 4 (2010).
PEREIRA, R. E. A.; et al. Avaliação do projeto “Inovando para o futuro” nas regiões nordeste e noroeste do estado
de São Paulo. Nucleus, v. 4. n. 1-2 , set. 2007, p.227-233.
PICKTON, D. W.; WRIGHT, S. What’s SWOT in strategic analysis, Strategic change, v. 7, n. 2, march/april, 1998, p.
101-109.
SANTOS, D. B.; et al. Mulheres e a construção da agroecologia na comunidade Fazendinha no Piauí. Enciclopédia
biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.3074-3079, 2015.
SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
SILVA, G. P.; et al. Formação profissional e elementos da Nova Ater: um estudo com educandos do curso Técnico
em Agropecuária. Cadernos de educação, n.51, p. 1-22.
SOUTO, R. A.; et al. Análise da viabilidade ambiental de práticas agroecológicas adotadas por agricultores familiares
do município de Lagoa Seca, Paraíba. Engenharia Ambiental – Espírito Santo do Pinhal, v. 8, n. 1; p. 177-193,
jan./mar. 2011.
VIEIRO, V. e SILVEIRA, A. M. Apropriação de tecnologias de informação e tecnologias de informação no meio rural
brasileiro. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 28,n. 1 , p. 2 57-277, jan./abr. 2011.