Agroecologia, ciência e emancipação humana

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Benedito Silva Silva Neto

Resumo

No artigo é discutido um enfoque científico que pode contribuir para a superação das contradições causadas pelo positivismo e pelo pós-modernismo em relação ao caráter emancipatório da Agroecologia. A partir de uma revisão da bibliografia especializada conclui-se que o conceito de complexidade, considerando-se as suas consequências ontológicas, epistemológicas e sobre o conceito de desenvolvimento sustentável, pode desempenhar um papel fundamental para a superação de tais contradições. Conclui-se também, que há, ainda, um imenso trabalho de ordem conceitual, teórica e metodológica a ser realizado para que as atividades científicas desenvolvidas no âmbito da Agroecologia possam se tornar mais coerentes com o caráter emancipatório deste campo. Neste sentido, o artigo mostra que as dificuldades para atingir tal coerência não devem ser subestimadas, pois ela implica na superação de concepções profundamente arraigadas entre pesquisadores e extensionistas sobre o papel da ciência na construção do conhecimento agroecológico.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SILVA NETO, Benedito Silva. Agroecologia, ciência e emancipação humana. Revista Brasileira de Agroecologia, [S.l.], v. 8, n. 1, apr. 2013. ISSN 1980-9735. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/12995>. Acesso em: 23 oct. 2019.
Palavras-chave
Epistemologia da Agroecologia, Complexidade, Emancipação Humana, Desenvolvimento Sustentável
Seção
Artigos