Linhaça dourada produzida em sistema agroecológico com cama de aves

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cirio Parizotto Gilmar Luiz Espanhol Analu Mantovani Vilmar Grotto

Resumo

A produção de grãos no sistema convencional deixou de ser competitiva em pequenas propriedades familiares por falta de escala de produção e baixo valor agregado ao produto. Uma alternativa para muitos agricultores familiares do Oeste de SC, tradicionais produtores desses cultivos é a produção de grãos agroecológicos, alimentos demandados pelos consumidores. O objetivo do estudo foi avaliar o efeito de doses de cama de aves em diferentes espaçamentos entre linhas no rendimento de grãos de linhaça dourada (Linun usitatissimum L.). O experimento foi conduzido em duas propriedades rurais no município de Zortéa - SC, nos anos de 2012, 2013 e 2015. O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso com três repetições, com parcelas subdivididas no esquema fatorial 3 x 5 (espaçamentos entre linhas – 17, 34, 51 cm; doses de cama de aves – zero, 2, 4, 8, 12 t ha-1), totalizando 15 tratamentos. O espaçamento de 34 cm nas entre linhas proporcionou uma produtividade superior e é mais adequado no manejo de plantas espontâneas em sistema agroecológico. A adubação mais econômica para a produtividade após três anos de estudo nas duas propriedades rurais foi a de 2 t ha-1 de cama de aves. O uso 4 t ha-1 de cama de aves demonstrou viabilidade técnica e econômica em sistema agroecológico, sendo esta dose indicada para solos com menor fertilidade inicial.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PARIZOTTO, Cirio et al. Linhaça dourada produzida em sistema agroecológico com cama de aves. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21809>. Acesso em: 03 dec. 2020.
Palavras-chave
Linun usitatissimum, cama de aves, rendimento
Seção
Agroecol 2016 - Construção de Conhecimentos Agroecológicos

Referências

ALMEIDA, C.; CARVALHO, M. A. C.; ARF, O.; SÁ, M. E.; BUZETTI, S. Ureia em cobertura e via foliar em feijoeiro. Scientia Agrícola, Piracicaba, v.57, n.2, p.293–298, 2000.

ANTONELLI, J.; LINDINO, C. A.; SANTOS, R. F.; SOUZA, S. N. M.; NADALETTI, W. C.; CREMONEZ, P.; ROSSI, E.; GURGACZ, F. Linseed response to treatment with swine wastewater as biofertilizer. Journal of Food, Agriculture & Environment, Vol.12 (3&4), July-October 2014.

ANTONELLI, J.; LINDINO, C. A.; SANTOS, R. F.; NADALETTI, W. C.; CREMONEZ, P.; ROSSI, E.; FRIEDRICH, L. Resposta da cultura da linhaça ao nitrogênio. Scientia Agraria Paranaensis, v. 14, n. 1, jan./mar., p. 39-42, 2015.

CEOTTO, B; ZACHÉ, J. O que é que a linhaça tem. Saúde! É vital! São Paulo, n
196, p.36 -41, jan. 2000.

COSKUNER, Y; KARABABA, E. Some physical properties of flaxseed (Linum
Usitatissimum L.) Journal of Food Engineering. v. 78, n.3 p. 1067-1073. 2007.

DORDAS, C. A. Nitrogen and dry matter dynamics in linseed as affected by the nitrogen level and genotype in a Mediterranean environment. Biomass and Bioenergy, Thessaloniki. v.43, n.1, p.1–11, 2012.

FLOSS, E. L. Linho, Cultivo e Utilização. Passo Fundo, FAUPF, 1983. p (FAUPF, BOLETIM TÉCNICO 3.12. ref.).

GRANT, C. A; DRIBNENKI, C. P and BAILEY, L.D. A comparison of the yield response of solin (cv. Linola 947) and flax (cvs. McGregor and Vimy) to application of nitrogen, phosphorus, and Provide (Penicillium bilaji). Canadian Journal of Plant Science, Manitoba, Canadá, p. 527 – 533, 1999.

Growing Flax - Production, Management & Diagnostic Guide. Flax Council of. Canada. Saskatoon, Saskatchewan, Manitoba. 4º ed. 2002. 59 p. Disponível em Acessado em 25 de Agosto de 2016.

HASLER, C. M. Functional foods – their role in disease prevention ad health promotion. Food Technology, Chicago, v.52, n 11, p -63-68, Nov.1998.

LEE, H. P.; GOURLEY, L.; DUFY, S.W.; ESTEVE, J.; LEE,F. AND DUY,N.E.
Dietary effects on breast câncer risk in Singapore. Lancet 2, 1197-1200, 1991.

OLIVEIRA, A. F. S.; KHAN, A. S.; LIMA, P. V.; SILVA, L. M. R. A. Sustentabilidade da agricultura orgânica familiar dos produtores associados à APOI (Associação dos Produtores Orgânicos da Ibiapaba-CE). In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 16., 2008, Rio Branco. Anais... Amazônia, mudanças globais e agronegócio: o desenvolvimento em questão. Brasília: SOBER, 2008, v. 1, p. 1-20.

ORGANICSNET. Mercado de orgânicos cresce o dobro no Brasil. Disponível em: http://www.organicsnet.com.br/2016/01. Acesso em 02 de Agosto de 2016.

PADUA, J. B.; SCHLINDWEIN, M. M.; GOMES, E. P. Agricultura familiar e produção orgânica: uma análise comparativa considerando os dados dos censos de 1996 e 2006. INTERAÇÕES, Campo Grande, v. 14, n. 2, p. 225-235, jul./dez. 2013.

RAHIMI, M. M.; ZAREI, M. A.; ARMINIAN, A. Selection criteria of flax (Linum usitatissimum L.) for seed yield, yield components and biochemical compositions under various planting dates and nitrogen Mohammad. African Journal of Agricultural, Shahrekord. v.6, p.3167–3175, 2011.

THOMPSON L. U. In: Flaxseed in Human Nutrition. Cunnane SC and Thompson LU, eds. Champaign, IL: AOCS Press, pp. 219-236. 1995.

TREVINO et al. Protein quality of linseed for growing broiler chicks. Animal Feed
Science and Technology. v. 84, n. 3-4, p 155-166, 2000.

VALOR ECONÔMICO. Producao-organica-esta-presente-em-apenas-22,5%-dos-municipios-do-pais (2016). Disponível em: http://www.valor.com.br. Acesso em 02 de Agosto de 2016.