Alterações nos atributos químicos do solo, cinco anos após a implantação de Sistemas Agroflorestais com manejos distintos em Pindorama, SP.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Caio César Zito Siqueira Marcio Koiti Chiba Maria Teresa Vilela Nogueira Abdo Ruan Carnier Rodrigo Santos Moreira

Resumo

Este trabalho avaliou alterações químicas em um Argissolo, cinco anos após implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs), sob diferentes técnicas de plantio e preparo de solo: SAF1 (Roçadeira acoplada ao trator, plantio de árvores em covas, espaçamento 3 x 2m, 300 g de calcário, 200g de superfosfato simples nas covas, sem cultivo ou adubação nas entrelinhas); SAF2 (Herbicida, plantio em covas, espaçamento 3,5 x 2m, plantio de milho entrelinhas, 2 Mg ha-1 de calcário e torta de filtro, 300 kg de NPK 8/28/16); SAF3 (Arado, grade, sulcador, plantio de árvores no sulco, espaçamento 3,5 x 2m , plantio de milho entrelinhas, 2 Mg ha-1 de calcário e torta de filtro, 300 kg de NPK 8/28/16). O solo foi amostrado na camada 0-20 cm em 2011 e em 2016 para determinação dos teores de fósforo, potássio, cálcio, magnésio, acidez (pHCaCl2), matéria orgânica, soma de bases, capacidade de troca de cátions (CTC) e saturação por bases. Foram aplicados ANOVA e teste t 5% para os atributos químicos do solo obtidos em 2011 e 2016. Para comparação entre os tratamentos analisados em 2016 foi incluído como referência um fragmento de floresta próximo ao experimento e aplicada ANOVA e teste de Tukey 5%. A cobertura vegetal e o aporte de matéria orgânica nos SAFs proporcionaram aumento nos teores de matéria orgânica, fósforo, CTC, soma de bases, cálcio magnésio em todos os tratamentos, destacando o preparo de solo com uso de grade e arado, que contribuiu para a diminuição da acidez do solo no SAF3.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ZITO SIQUEIRA, Caio César et al. Alterações nos atributos químicos do solo, cinco anos após a implantação de Sistemas Agroflorestais com manejos distintos em Pindorama, SP.. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2015. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21788>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
Fertilidade do solo; matéria orgânica; recuperação de áreas degradadas.
Seção
Agroecol 2016 - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis

Referências

ABDO, M. T. V. N.; VIEIRA, S. R.; MARTINS, A. L. M.; SILVEIRA, L. C. P. Estabilização de uma voçoroca no Pólo Apta Centro Norte- Pindorama-SP. Tecnologia & Inovação Agropecuária, v. 1, p. 135-141, 2008.

ABDO, M .T. V. N.; MARTINS, A. L. M.; FINOTO. E, L.; FABRI, E. G.;PSSARRA, T.C. T.;BIERAS, A. C.;LOPES, M. C. Implantação de Sistema Agroflorestal com seringueira, urucum e acerola sob diferentes manejos. Revista Pesquisa &Tecnologia, Campinas, v.9, n.2, p.1-16, 2012.

ALTIERI, Miguel. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 2002. 592 p.

CAMARGO, O.A.; MONIZ, A.C.; JORGE, J.A.; VALADARES, J.M.A.S. Métodos de Analise Química, Mineralógica e Física de Solos do Instituto Agronômico de Campinas. 2009. 77 p.

DORAN, J.W.; PARKIN, T.B. Defining and assessing soil quality. In: Doran, J.W.; Coleman, D.C.; Bezdicek, D.F.; Stewart, B.A. (Eds.) Defining soil quality for a sustainable environment. Madison, Soil Science Society of America/American Society of Agronomy, p.3-21, 1994. (SSSA Special Publication, 35)

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. 2.ed. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura e do Abastecimento, 1997. 212p.



ENGEL, V. L. Abordagem BEF: um novo paradigma na restauração de ecossistemas? In: Anais do IV Simpósio de Restauração Ecológica: Desafios atuais e futuros, São Paulo, Instituto de Botânica – SMA, 2011, p. 155-165.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4ª ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS, 2009.

GÖTSCH, E. Break-thropugh in agriculture. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1995. 22p.

LEPSCH, I. F.; VALADARES, J. M. A. S.. Levantamento pedológico detalhado da
Estação Experimental de Pindorama, SP. Bragantia, Campinas, 1976. v. 35, p.13-40.

MACDICKEN, K.G. & VERGARA, N.T. Introduction to agroforestry. In: MACDICKEN,
K.G. & VERGARA, N.T. eds. Agroforestry: classification and management. New
York: John Wiley & Sons, 1990. p. 1-30.
MELLONI, R., MELLONI, E. G. P., ALVARENGA, M. I. N., & VIEIRA, F. B. M. Avaliação da qualidade de solos sob diferentes coberturas florestais e de pastagem no sul de Minas Gerais. Revista brasileira de Ciência do Solo, v. 32, n. 06, p. 2461-2470, 2008.

PRIMAVESI, A. Manejo ecológico do solo. São Paulo: Nobel, 2002.

RAIJ, B. van; QUAGGIO, J.A.; CANTARELLA, H.; FERREIRA, M.E.; LOPES, A.S.; BATAGLIA, O.C. Análise química do solo para fins de fertilidade. Campinas, Fundação Cargill, 1987. 170p.

RAIJ, B. Van., CANTARELLA, H., QUAGGIO, J. A., & FURLANI, A. M. C. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. Campinas, Instituto Agronômico/Fundação IAC, 1997. 285 p. (Boletim técnico, 100).

WANDELLI, E. Serviços ambientais de sistemas agroflorestais. Embrapa Amazônia Ocidental, 2010. O valor dos serviços da natureza - Subsídios para políticas públicas de serviços ambientais no Amazonas. p 54-55.