Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em um Sistema Agroflorestal no Município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leila Tatiana Garcia Zefa Valdivina Pereira Alessandra Tadini Gilberto Lobtchenko Ana Paula Vieira Milton Parron Padovan

Resumo

A restauração de áreas degradadas é um desafio para os pesquisadores da área ambiental, pois são necessários estudos detalhados de espécies, solos e processos ecológicos. Os sistemas agroflorestais (SAF’s) são uma alternativa tecnológica e sustentável de exploração dos recursos naturais, já que aliam a restauração florestal à diversificação da produção agrícola e pecuária. Este trabalho tem por objetivo avaliar o desenvolvimento inicial de nove espécies arbóreas em diferentes Arranjos Agroflorestais. O experimento foi com quatro tratamentos a saber: T1 - Nativas, T2 – Nativas + bananas, T3 – Nativas com bokashi e T4 – Nativas + bananas com bokashi, onde cada tratamento teve 4 repetições, em um total de 12 linhas. Nas entrelinhas utilizou-se abacaxi, feijão e milho. As variáveis observadas foram: mortalidade, altura e diâmetro do caule. Em relação ao crescimento em altura, as espécies Astronium graveolens e Tapirira guianensis obtiveram maiores resultados no T1 – Nativas; Handroanthus heptaphyllus e Myracrodruon urundeuva, no T2 – Nativas + bananas; Psidium guajava e Peltophorum dubium no T3 – Nativas com bokashi; Eugenia uniflora no T4 – Nativas + bananas com bokashi e Annona muricata obteve os melhores resultados nos T1 – Nativas e T2 – Nativas + bananas e por fim Malpighia emarginata nos T2 – Nativas + bananas e T4 – Nativas + bananas com bokashi. A taxa de mortalidade entre as 432 mudas foi de apenas 6,5%. A espécie Handroanthus heptaphyllus – Ipê foi a de melhor desenvolvimento não ocorrendo mortalidade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
GARCIA, Leila Tatiana et al. Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em um Sistema Agroflorestal no Município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21761>. Acesso em: 03 dec. 2020.
Palavras-chave
SAF, crescimento de arbóreas, restauração.
Seção
Agroecol 2016 - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis

Referências

ALVES, Luciana Medeiros. Sistemas Agroflorestais (SAFs) na restauração de ambientes degradados. Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais, UFJF, Juiz de Fora 2009.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 2002. 592p.

ARAI, F.K.; GONÇALVES, G.G.G.; PEREIRA, S.B.; COMUNELLO, E.; VITORINO, A.C.T.; DANIEL, O. Espacialização da precipitação e erosividade na bacia hidrográfica do rio Dourados – MS. Engenharia Agrícola, v.30, n.5, p. 922-931, 2010.

FRANCO, F. S. Sistemas agroflorestais: uma contribuição para a conservação dos recursos naturais na Zona da Mata de Minas Gerais. 2000. 128f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2000.

GOMES, J.M.; CARVALHO, J.O.P.; SILVA, M.G.; NOBRE, D.N.V.; TAFFAREL, M.; FERREIRA, J.E.R., SANTOS, R.N.J. Sobrevivência de espécies arbóreas plantadas em clareiras causadas pela colheita de madeira em uma floresta de terra firme no município de Paragominas na Amazônia brasileira. Acta Amazonica, Manaus, v.40, n.1, p.171-178, 2010.

KOPPEN, W. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fondo de Cultura Economica, 1948.

MACEDO, R. L. G.; VENTURIN, N.; TSUKAMOTO FILHO, A. A. Princípios básicos para o manejo sustentável de sistemas agroflorestais. Lavras: UFLA/FAEPE, 2000.

MENDONÇA, E. S.; LEITE, L. F. C.; FERREIRA NETO, P. S. F. Cultivo do café em sistema agroflorestal: uma opção para recuperação de solos degradados. Revista Árvore, v.25, n.3, p.375-383, 2001.

SANCHEZ, P.A. Science in agroforestry. Agroforestry Systems, v.30, p.5-55, 1995.

SANTOS, M. J. C. Avaliação econômica de quatro modelos agroflorestais em áreas degradadas por pastagens na Amazônia Ocidental. 2000. 75p. Dissertação (Mestrado) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de Sã o Paulo, Piracicaba.

SILVA, K. A.; MARTINS, S. V.; NETO, A. M.; DEMOLINARI, R. A.; LOPES, A. T. Restauração Florestal de uma Mina de Bauxita: Avaliação do Desenvolvimento das Espécies Arbóreas Plantadas. Revista Floresta e Ambiente, v. 23, n. 3, p. 309-319, 2016.

YOUNG, A. Agroforestry for soil management. 2nd ed. Nairobi: CAB Internacional, 1997. 320p.