Abelhas Nativas na Educação Ambiental

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jovelina Maria de Oliveira Eliel Souza Freitas Junior Francimar Perez Matheus da Silva Vera Lúcia de Oliveira Golze Ricardo Dias Peruca

Resumo

As abelhas nativas, além da sua importância ecológica, econômica, e social, desempenham um papel essencial nos processo de educação ambiental, criando condições para que diferentes públicos, tanto no meio rural quanto no meio urbano, possam conhecer, aprender, e valorizar as diferentes espécies de abelhas. Este trabalho está sendo desenvolvido como uma das estratégias do “Núcleo de Agroecologia de Pesquisa, Ensino, Extensão e Saberes Tradicionais do Estado de Mato Grosso do Sul” no componente meliponicultura, envolvendo nesta etapa a montagem de um “meliponário matriz”, a divulgação em três feiras agropecuárias, e duas oficinas de capacitação. O “meliponário matriz´” está sendo instalado no Centro de Pesquisa e capacitação da AGRAER – CEPAER, contando atualmente com cinco espécies: Frieseomelitta varia (Marmelada amarela), Tetragonisca angustula (jataí), Melipona favosa, Melipona marginata (Manduri), Plebéia sp. (Mirim) e Nannotrigona testaceicornes (Iraí). As atividades de divulgação aconteceram nas seguintes feiras: 17ª ExpoSidro, em Sidrolândia; 78ª Expogrande, em Campo Grande, e a 48ª Expoaqui, em Aquidauana. As oficinas de capacitação aconteceram durante a Agroecoindígena, em Miranda. Essa experiência demonstrou que a abordagem da educação ambiental, através do tema da meliponicultura, tem a capacidade de promover o conhecimento e conscientização das pessoas sobre a importância das abelhas nativas assim como criar condições para a inserção desta atividade como fonte alternativa de renda para a agricultura familiar.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DE OLIVEIRA, Jovelina Maria et al. Abelhas Nativas na Educação Ambiental. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21743>. Acesso em: 22 mar. 2019.
Palavras-chave
Extensão rural; meliponicultura; conscientização; agricultura familiar; agroecologia
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

FERNANDES, I. M., SIGNOR, C. A., PENHA, J (organizadores). Biodiversidade no Pantanal de Poconé. Centro de Pesquisas do Pantanal – CPP, Cuiabá, 2010.

FERRI, M. G. Plantas do Brasil: espécies do cerrado. São Paulo: EDGARD BLÜCHER. 239p, 1969.

KERR, W. E. Abelhas indígenas brasileiras (Meliponíneos) na polinização e na produção de mel, pólen, geoprópolis e cera. Informe Agropecuário n 13, p 15-22. 1987.

LIMA, J. E. F. W. Situação e perspectivas sobre as águas do cerrado. Ciência e Cultura, v. 63, n. 3, p. 27-29, 2011.

MAGELA, Geraldo, O alerta que vem do cerrado, 2009, disponível em: http://www.wwf.org.br/informacoes/?21400/O-alerta-que-vem-do-cerrado. Acesso em 10/11/ 2015.

MATEUS, S. Abundância relativa, fenologia e visita as flores pelos Apoidea do cerrado da Estação Ecológica de Jataí, Dissertação (Mestrado Entomologia). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 1998.168p.

MENDONÇA, R. C. FELFILI, J. M., WALTER, B. M.T & JÚNIOR, M. C. S. 1998. Flora vascular do Cerrado. In: Sano, S. M. & Almeida, S. P. (eds) Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa – CPAC, p. 289 – 306.