Qualidade de Frutos em Diferentes Cruzamentos da Goiaba Serrana na Região do Alto Vale do Itajaí, SC

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jeferson Ieler Taina Gutz Gabriela Oliveira Gaspar Alexandra Goede de Souza Leonardo de Oliveira Neves

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar características físicas e químicas em frutos de goiaba serrana (Acca sellowiana) de diferentes cruzamentos produzidos município de Rio do Sul, na região do Alto Vale do Itajaí, SC. Nos frutos foram avaliados os atributos de peso, rendimento de polpa, acidez titulável (AT), teor de sólidos solúveis (SS), comprimento, diâmetro e peso de mil sementes. Os frutos do cruzamento nonante x helena apresentaram maior peso de fruto (80,5 g) e comprimento, porém, não apresentaram rendimento de polpa superior. A AT foi maior nos frutos do cruzamento entre nonante x alcântara (1,13%) seguido do cruzamento 1067 x 1003 (1,01%), enquanto os teores de SS não apresentaram diferença significativa. As sementes do cruzamento entre nonante x alcântara foram as mais pesadas (42,3 g) enquanto as do cruzamento entre 1067 x 1003 (10,2 g) e 1006 x helena (9,5 g) as mais leves.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
IELER, Jeferson et al. Qualidade de Frutos em Diferentes Cruzamentos da Goiaba Serrana na Região do Alto Vale do Itajaí, SC. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21643>. Acesso em: 26 nov. 2020.
Palavras-chave
Acca sellowiana. Cruzamentos. Sólidos solúveis. Acidez titulável.
Seção
Agroecol 2016 - Outros Temas

Referências

AMARANTE, C.V.T; SANTOS, K.L. Goiabeira-serrana (Acca sellowiana). Revista Brasileira de Fruticultura, v.33, n.1 p.331-334, 2013.

CANTERI, M. G., ALTHAUS, R. A., VIRGENS FILHO, J. S., GIGLIOTI, E. A., GODOY, C. V. SASM - Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft - Knott, Tukey e Duncan. Revista Brasileira de Agrocomputação, V.1, N.2, p.18-24. 2001.

CORADIN, L.; SIMISNSKI, A.; REIS, A. Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro – Região Sul. Brasília: MMA, 2011. 934p.

DUCROQUET, J.P.H.J.; HICKEL, E.R.; NODARI, R.O. Goiabeira serrana (Feijoa sellowiana). Série Frutas Nativas 5; Jaboticabal: Funep, 2000, 66p.

DUCROQUET, J.P.H.J.; RIBEIRO, P. A goiabeira serrana: velha conhecida, nova alternativa. Florianópolis, v.4, n.3, p.27-29,1991.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa, 412p. 1999.

ESEMANN-QUADROS, K.; MOTA, A. P.; KERBAUY, G. B.; GUERRA, M. P.; DUCROQUET, J. P. H. J.; PESCADOR, R. Estudo anatômico do crescimento do fruto em Acca sellowiana Berg. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.30, n.2, p.296-302, 2008.

FIGUEIREDO, S.L.B; KERSTEN, E.; SCHUCH, M.W. Efeito do estiolamento parcial e do ácido indolbutírico (IBA) no enraizamento de estacas de ramos de goiabeira serrana (Feijoa Sellowiana, Berg). Scientia Agricola, Piracicaba, v.52, n.1, p.167-171,1995.

KADER, A.A. Feijoa: recommendations for maintaining postharvest quality. Postharvest technology Research & Information Center, Davies, Mar. 2005.

KÖPPEN, W. Grundriss der Klimakunde. Berlin: Walter de Gruyter, 1931. 390p.

MATTOS, J.R. A goiabeira serrana. Porto Alegre: Instituto de Pesquisas de Recursos Naturais Renováveis, Publicação IPRNR 19, 1986, 84p.