Análise de crescimento da cultura da Noz Pecã conduzida em sistema agroecológico na região do Alto Vale do Itajaí - SC

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Dionata Hotz Orlando Bara Eduardo Collar Silva Jeferson Ieler Leonardo Oliveira Neves Claudio Keske

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar o crescimento de três variedades de nogueira pecã na Região do Alto Vale do Itajaí, em sistema agroecológico. Atualmente, está sendo buscada alternativa que substitua a cultura do tabaco, e a fruticultura vem sendo uma opção viável, especialmente a nogueira pecã (Carya illinoensis) pertencente à família Junglandaceae. O pomar foi implantado no Instituto Federal Catarinense (IFC), Campus Rio do Sul, no ano de 2011. Foram utilizadas três variedades: Imperial, Barton e Melhorada, com quatro repetições cada, adubadas com um quilograma de esterco de peru, curtido e aplicado mensalmente em cada planta. Foram avaliadas: diâmetro da base (cm), diâmetro do ramo principal (cm) e tamanho da planta (m). Os resultados foram submetidos ao teste de Duncan. Não houve diferença significativa para a altura de planta, sendo a média 4,2 m, 4,9 m e 5,1 m para a variedade Melhorada, Barton e Imperial, respectivamente. Já para o diâmetro da base houve diferença significativa entre os tratamentos, sendo a maior média alcançada pela Imperial (8,7 cm). A cultivar Imperial tem se destacado em sua adaptação na região, porém são necessários mais estudos do comportamento das cultivares avaliada.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
HOTZ, Dionata et al. Análise de crescimento da cultura da Noz Pecã conduzida em sistema agroecológico na região do Alto Vale do Itajaí - SC. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21637>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
Agroecologia, Fenologia, Nogueira, Nozes
Seção
Agroecol 2016 - Outros Temas

Referências

AGROLINE. Disponível em: http://www.agronline.com.br/agronoticias/noticia.php?id=19388. Acesso em: 07 de agosto de 2016.

CANTERI, M. G., ALTHAUS, R. A., VIRGENS FILHO, J. S., GIGLIOTI, E. A., GODOY, C. V. SASM - Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft - Knott, Tukey e Duncan. Revista Brasileira de Agrocomputação, V.1, N.2, p.18-24. 2001.

DIVINUT. A Nogueira-pecã. Disponível em: https://www.divinut.com.br/blog/309/a-nogueira-peca. Acesso em: 24 de outubro de 2016.

GOMES. P, Fruticultura Brasileira, Ed.13°, editora Nobel, 2007.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal 2009. Rio de Janeiro. 2010. Disponível em: Acesso em: 15 julho de 2016.

JOLY, A. B. Botânica: Introdução à taxonomia vegetal. São Paulo: Ed. Nacional, 1985. 777 p.

POLETTO, T.; LAZAROTTO, M.; BAGGIOTTO, C.; MUNIZ, M. F. B.; POLETTO, I.; HAMANN, J. J.; MACIEL, C. G.;WALKER, C. 2012. ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DOS FRUTOS DE CULTIVARES DE NOGUEIRA-PECÃ CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: http://www.unifra.br/eventos/sepe2012/Trabalhos/6908.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2016.

SOUZA, et al. Tecnologia de produção na fruticultura desenvolvida em municípios das regiões norte e noroeste do Estado do Rio de Janeiro. In: 47° Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e sociologia Rural – SOBER. Porto Alegre. Out. 2016.

VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia Básica e Aplicações. Viçosa – MG: Imprensa Universitária. 1991. 449p.

ZERO HORA CAMPO E LAVOURA, Menos nozes em área plantada recorde no Rio Grande do Sul., 2016. Disponível em: < http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/campo-e-lavoura/noticia/2016/05/menos-nozes-em-area-plantada-recorde-no-rio-grande-do-sul-5797024.html> Accesso em: 25 de outubro de 2016.