Húmus de minhoca produzido em diferentes ambientes e formulações na produção de hortaliças folhosas da família Asteraceae

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ivo de Sá Motta Karina Freitas Costa Milton Parron Padovan Leandro Flávio Carneiro Andressa Mariani

Resumo

Dependendo dos materiais utilizados na produção de húmus de minhoca, por meio da combinação de diferentes resíduos e proporções que propiciem atributos físicos, químicos e biológicos adequados, é possível obter um produto final que poderá ser utilizado puro na composição de substratos para formação de mudas de hortaliças. O objetivo desse trabalho foi verificar se ocorreriam diferenças na qualidade dos substratos avaliados produzidos em dois diferentes ambientes e formulações. Dois ambientes foram utilizados: A1 - minhocário com compartimentos de alvenaria (área de 1 m² e altura de 0,8 m) com cobertura de telhas de amianto; A2 - leiras a pleno sol cobertas com túnel baixo de tela sombreadora 50%. As duas formulações dos substratos foram: S1 – conteúdo ruminal de bovinos (50%) + capim elefante Napier triturado (50%); S2 – conteúdo ruminal de bovinos (50%) + bagaço de cana (50%). A espécie de minhoca utilizada foi a Eudrilus eugeniae. Os dois ensaios com produção de mudas, um com alface e outro com chicória, semeadas em 05/10/2015, foram produzidas em casa de vegetação e bandejas de isopor (128 células). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com arranjo fatorial 2x2 (dois ambientes, duas formulações de substratos) com quatro repetições, sendo cada unidade experimental constituída por uma bandeja com 128 células. Foram avaliadas 25 dias após a semeadura: diâmetro de coleto, altura da planta, área de superfície foliar, massa das plantas secas e calculado o Índice de Qualidade de Dickson. Concluiu-se que as mudas produzidas apresentaram vigor adequado e não foram encontradas diferenças entre os tratamentos avaliados, exceto maior área foliar da alface com o substrato S1.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MOTTA, Ivo de Sá et al. Húmus de minhoca produzido em diferentes ambientes e formulações na produção de hortaliças folhosas da família Asteraceae. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21598>. Acesso em: 03 dec. 2020.
Palavras-chave
vermicompostagem, minhocário, conteúdo ruminal, bagaço de cana, capim elefante triturado
Seção
Agroecol 2016 - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis

Referências

AQUINO, A. M. de. Aspectos práticos da vermicompostagem. In: AQUINO, A. M. de; ASSIS, R. N. de (Ed.). Agroecologia: princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2005. p. 423-432.

COSTA, M. S. S. de M.; COSTA, L. A. de M.; DECARLI, L. D.; PELÁ, A.; SILVA, C. J. da; MATTER, U. F.; OLIBONE, D. Compostagem de resíduos sólidos de frigorífico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, n. 1, p. 100-107, 2009.

DICKSON, A. et al. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forest Chronicle, v. 36, p. 10-13, 1960.

FIORI, A. A. Minhocultura. Campinas: CATI, 2004. 66 p. (CATI. Boletim técnico, 242).

LEAL, M. A. A.; GUERRA, J. G. M.; PEIXOTO, R. T. G.; SANTOS, S. S. Processo de compostagem a partir da mistura entre capim elefante e crotalária. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2011. 23 p. (Embrapa Agrobiologia. Boletim de pesquisa e desenvolvimento, 77).

MARTIN, J.D.; SCHIEDECK, G. Nível de desenvolvimento e potencial da minhocultura e da vermicompostagem. In: ANJOS, J.L.; AQUINO, A.M. de; SCHIEDECK, G. Minhocultura e vermicompostagem: Interface com sistemas de produção, meio ambiente e agricultura de base familiar. Brasília, DF: Embrapa, 2015.

MARTINEZ, A. A. A grande e poderosa minhoca: manual prático do minhocultor. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 1998.148 p.

VERAS,L.R.V. A vermicompostagem do lodo de lagoas de tratamento de efluentes industriais consorciada com composto de lixo urbano. Engenharia sanitária e ambiental. Rio de Janeiro, v.9, n.3, p 218-224, 2004.