Processo de Obtenção e Avaliação Química de Doce Cristalizado de Bocaiuva

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Juliana Rodrigues Donadon Giovanna de Carvalho Corrêa Aurélio Vinicius Borsato Camila Jordão Candido Raquel Pires Campos

Resumo

A polpa da bocaiuva é uma excelente fonte de nutrientes como carboidratos, lipídeos, fibras, vitaminas e minerais, além de compostos com ação antioxidante como β-caroteno, α-tocoferol e fenóis totais. Este trabalho teve por objetivo aproveitar a polpa de bocaiuva produzida pelas comunidades extrativistas do Estado de Mato Grosso do Sul para elaboração e avaliação química de doce cristalizado. Foram testadas duas formulações de xarope: 75% de sacarose + 25% de glicose e 100% de sacarose. Os frutos foram higienizados para obtenção das lascas da polpa, as quais foram submetidas à cocção por 10 min antes da imersão em xarope a 30ºBrix. A cada 24 horas o xarope foi incrementado para 40, 50, 60 e 70ºBrix. Em seguida as lascas foram enxaguadas, drenadas e submetidas à secagem a 55ºC até teor de água de 8-9%. As lascas de polpas e os doces elaborados foram avaliados quanto aos teores de fenóis totais, taninos, atividade antioxidante e quanto à composição centesimal e valor energético total. Os compostos bioativos avaliados e a atividade antioxidante na polpa in natura são elevados. No doce cristalizado de bocaiuva, a adição de glicose/sacarose é mais eficiente na preservação destes compostos do que quando somente sacarose. O doce cristalizado contém elevado valor energético, devido principalmente a adição dos açúcares, e reduzidos teores de cinzas, proteínas e lipídeos. A elaboração de doce cristalizado de bocaiuva é uma alternativa de aproveitamento da polpa, com disponibilização de produtos artesanais com valor agregado e maior tempo de comercialização.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DONADON, Juliana Rodrigues et al. Processo de Obtenção e Avaliação Química de Doce Cristalizado de Bocaiuva. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21551>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
Acrocomia spp; processamento; produto artesanal, atividade antioxidante
Seção
Agroecol 2016 - Outros Temas

Referências

BIANCHI, M. L.; ANTUNES, L. M. Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta. Revista de Nutrição, v.12, p.123-130, 1999.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº15, de 1977. A Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos, em conformidade com o disposto no capítulo V, artigo 28, do Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, resolve estabelecer o padrão de identidade e qualidade para frutas cristalizadas e glaceadas. Disponível em: Acesso em: 24 Mai 2016.

BRASIL. Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do instituto Adolfo Lutz – Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 2.ed. São Paulo, v.1, 2005.

CVS. Portaria nº 5, de 12 de maio de 2005. Dispõe sobre as normas de elaboração e a comercialização de alimentos artesanais de origem vegetal, no Estado de São Paulo. Centro de Vigilância Sanitária. Disponível em: www.cvs.saude.sp.gov.br. Acesso em 27/07/2016.

FALCÃO, A. P.; CHAVES, E. S.; KUSKOSKI, E. M.; FETT1, R.; FALCÃO, L. D; BORDIGNON-LUIZ, M. T. Índice de polifenóis, antocianinas totais e atividade antioxidante de um sistema modelo de geleia de uvas. Ciência Tecnologia Alimentos, Campinas, v. 27, n. 3, p. 637-642, 2007.

HENDERSON, A.; GALEANO, G.; BERNAL, R. Field Guide to the Palms of the Americas. New Jersey: Princepton University, p.166-167, 1995.

MELO, E. A.; MACIEL, M. I. S.; LIMA, V. L. A. G.; NASCIMENTO, R. J. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 44, p. 2, 2008.

MORAIS, S. M.; CAVALCANTE, E. S. B.; COSTA, S. M. O.; AGUIAR, L. A. Ação antioxidante de chás e condimentos de grande consumo no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.19, p.315-320, 2009.

MORITA, A. S.; GOIS, V. A.; PRAÇA, E. F.; TAVARES, J. C.; ANDRADE, J. C.; COSTA, F. B.; BARROS JUNIOR, A. P.; SOUSA, A. H. Cristalização de melão pelo processo lento de açucaramento. Ciência Rural, v. 35, n.1, p. 705-708, 2016.

PRATES, M. F. O.; CAMPOS, R. P.; SILVA, M. M. B.; MACEDO, M. L. R.; HIANE, P. A.; FILHO, M. M. R. Potencial nutritivo e antioxidante de frutos de canjiqueira afetados pelo estádio de maturação e pelo processamento térmico. Ciência Rural, Santa Maria, v. 45, n. 3, p. 399-404, 2015.

RAMOS, M. I. L.; RAMOS FILHO, M. M.; HIANE, P. A.; BRAGA NETO, J.A.; SIQUEIRA, E. M. A. Qualidade nutricional da polpa de bocaiúva Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. Revista em Ciência e Tecnologia de Alimentos. p. 90-94, 2008.


ROESLER, R. et al. Atividade antioxidante de frutas do cerrado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 27, n. 1, p. 53-60, 2007.

SWAIN, T.; HILLIS, W. E. The phenolic constituents of Prunus domestica I.: the quantitative analysis of phenolic constituent. Journal of Science of Food and Agriculture, London, v. 10, n. 1, p. 63-68, Jan. 1959.