Estado da arte de sistemas agroflorestais em bases agroecológicas no Estado de Mato Grosso do Sul, região Centro Oeste do Brasil

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Milton Parron Padovan Jaqueline Silva Nascimento Zefa Valdivina Pereira Jerusa Cariaga Alves Fabrícia da Silva Ramos

Resumo

Os sistemas agroflorestais biodiversos (SAFs), concebidos, implantados e manejados em bases agroecológicas, possuem grande potencial para produção de alimentos, geração de renda e restauração ambiental. A partir de alguns trabalhos desenvolvidos por diferentes entidades, ou mesmo devido à tradição familiar, agricultores de diversas regiões no Estado de Mato Grosso do Sul implantaram SAFs. No entanto, há muita carência de informações relacionadas a esses sistemas, uma vez que existem peculiaridades regionais e também grande diversidade de arranjos estabelecidos. Nesse contexto, desenvolveu-se um estudo com o objetivo de conhecer o estado da arte desses agroecossistemas no estado, compreendendo, principalmente, as suas estruturas, arranjos, representatividade, objetivos e algumas potencialidades percebidas pelos agricultores, bem como as principais dificuldades enfrentadas. O estudo foi desenvolvido entre 2015 e 2016, envolvendo 28 Unidades de Produção (UPs) com SAFs biodiversos. Cada UP foi visitada, com maior ênfase aos locais onde estavam implantados os sistemas agroflorestais e realizou-se entrevista com cada família responsável, a qual baseou-se em um roteiro semiestruturado, contendo questões abertas. Constatou-se que os SAFs estão situados em pequenas UPs; a maioria localiza-se próximo às residências e faz parte de um processo de experimentação realizada pelos agricultores, com intuito de se familiarizarem com a atividade. A produção de alimentos é o foco principal, mas a geração de renda e a restauração ambiental também possuem grande relevância para os agricultores. Esses atores enfrentam grandes dificuldades, requerendo ações públicas concretas para apoiá-los, porém a priorização da sua organização poderá minimizar as dificuldades e ajudar a solucionar a maioria dos problemas encontrados.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PADOVAN, Milton Parron et al. Estado da arte de sistemas agroflorestais em bases agroecológicas no Estado de Mato Grosso do Sul, região Centro Oeste do Brasil. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21495>. Acesso em: 04 dec. 2020.
Seção
Agroecol 2016 - Desenvolvimento Rural e Urbano em Bases Agroecológicas

Referências

ALTIERI, M. A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 5. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 117 p.

ALVES, J. C. Quintais agroflorestais na Aldeia Te’yikuê, em Caarapó, Mato Grosso do Sul: sustentabilidade às famílias indígenas. 2016. 87 p. Dissertação (Mestrado em Agricultura Orgânica) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. (Ed.) Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro, SP: UNESP/CNPq, 2002. 204 p.

DUBOIS, J. C. L. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro: Rebraf, 1996. 228 p.

FREIRE, A. G.; FALCÃO, F. C. O. Agricultoras e agricultores-experimentadores: protagonistas da convivência com o semiárido. Agriculturas, v. 10, n. 3, p. 35-42, 2013.

IWATA, B. F.; LEITE, L. F. C.; ARAÚJO, A. S. F.; NUNES, L. A. P. L.; GEHRING, C.; CAMPOS, L. P. Sistemas agroflorestais e seus efeitos sobre os atributos químicos em Argissolo Vermelho-Amarelo do Cerrado piauiense. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 7, p. 730-738, jul. 2012.

MARTINEZ, F. L.; FERREIRA, A. I. Análise de dados com SPSS: primeiros passos. Lisboa: Escolar Editora, 2007. 161 p.

MOLINA, R. A. R. Potencial de estabelecimento de espécies arbóreas implantadas em renques em sistemas agroflorestais no Estado do Quindío, Colômbia. 2016. 150 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras.

PADOVAN, M. P. Sistemas agroflorestais em bases agroecológicas. In: PADOVAN, M. P.; PEZARICO, C. R.; OTSUBO, A. A. (Ed.). Tecnologias para a agricultura familiar. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, 2015. p. 71-74.

PADOVAN, M. P.; CARDOSO, I. M. Panorama da situação dos Sistemas Agroflorestais no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 9. Ilhéus, BA, 2013. Anais/Palestra...Ilhéus, BA: Instituto Cabruca, 2013. CD-ROM.

PADOVAN, M. P.; PEREIRA, Z. V. Sistemas Agroflorestais Diversificados. A Lavoura, Rio de Janeiro, n. 690, p. 15-18, 2012.

PADUA-GOMES, J. B.; PADOVAN, M. P. Agricultura orgânica de base familiar em Mato Grosso do Sul: um panorama sobre a produção, desafios e potencialidades do setor. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2014. 100 p.

PAULUS, L. A. R. Análise da viabilidade financeira de sistemas agroflorestais biodiversos no Vale do Ivinhema, em Mato Grosso do Sul. 2016. 71 p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

PENEIREIRO, F. M.; RODRIGUES, F. Q.; BRILHANTE, M. O.; ROSARIO, A. A. S.; QUEIROZ, J. B. N.; BRILHANTE, N. A.; LUDEWIGS, T. Introdução aos sistemas agroflorestais um guia técnico. [Rio Branco, AC]: UFAC: Arboreto, [2005]. 77 p. (Apostila do educador agroflorestal).

SEBUKYU, V. B.; MOSANGO, D. M. Adoption of agroforestry systems by farmers in Masaka District of Uganda. Ethnobotany Research & Applications, v. 10, p. 59-68, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2016.

SPANEVELLO, R. M.; AZEVEDO, L. F.; VARGAS, L. P.; MATTE, A. A migração juvenil e as implicações sucessórias na agricultura familiar. Revista de Ciências Humanas, v. 45, n. 2, p. 291-304, 2011.

VIVAN, J. L. O papel dos sistemas agroflorestais para usos sustentáveis da terra e políticas públicas relacionadas: relatório síntese e estudos de casos. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2010. 120 p. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.