Agricultura familiar, Serviços Ecossistêmicos e Desserviços Ambientais: o manejo influencia na percepção?

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Luiz Fernando Zin Battisti Abdon Luiz Schmitt Filho Gisele Garcia Alarcon Joshua Farley Gisele Francioli Simioni

Resumo

: A agricultura pode comprometer a provisão de serviços ecossistêmicos (SE) e gerar uma série de desserviços ambientais (DA). A despeito da relevância desta temática, poucos estudos buscaram compreender a visão de agricultores acerca deste fenômeno. Neste contexto, este estudo procura compreender a percepção de agricultores familiares convencionais e agroecológicos sobre a provisão de SE e DA associados à agroecossistemas em Santa Rosa de Lima, SC. No total, agricultores agroecológicos citaram 448 SE e 213 DA, enquanto os convencionais reconheceram 277 SE e 142 DA. A ciclagem de nutrientes foi o SE mencionado com maior frequência por ambos os grupos, seguido por qualidade e disponibilidade hídrica. Quanto aos DA, erosão e assoreamento e competição por recursos ecológicos foram os mais relevantes. As informações obtidas a partir deste estudo podem subsidiar um processo participativo de planejamento a respeito do uso e cobertura do solo em Santa Rosa de Lima.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BATTISTI, Luiz Fernando Zin et al. Agricultura familiar, Serviços Ecossistêmicos e Desserviços Ambientais: o manejo influencia na percepção?. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21462>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
desserviços ambientais; serviços ecossistêmicos; agricultura familiar
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

ABRAM, N. K. et al. Spatially explicit perceptions of ecosystem services and land cover change in forested regions of Borneo. Ecosystem Services, v. 7, p. 116–127, mar. 2014.
ALARCON, G. G. É pagando que se preserva? : limitações e oportunidades do pagamento por serviços ambientais para conservação dos recursos florestais do Corredor Ecológico Chapecó, SC, 2014.
ALTIERI, M. Applying Agroecology to Enhance the Productivity of Peasant Farming Systems in LA. Environment, Development and Sustainability, v. 1, n. 3, p. 197–217, 1999.
BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. Ed. UFSC, 2008.
BLANCHE, Rosalind et al. Services and dis-services of rainforest insects to crops in north Queensland. Cooperative Research Centre for Tropical Rainforest Ecology and Management, Cairns, Australia, 2002.
FAGERHOLM, N. et al. Community stakeholders’ knowledge in landscape assessments - Mapping indicators for landscape services. Ecological Indicators, v. 18, p. 421–433, 2012.
FAO. global forest Resources assessment 2010. FAO Forestry Paper, 2010.
FAO, U. How to Feed the World in 2050. Rome: High-Level Expert Forum, 2009.
MARTÍN-LÓPEZ, B. et al. Uncovering ecosystem service bundles through social preferences. PLoS ONE, v. 7, n. 6, 2012.
MEIJAARD, E. et al. People’s perceptions about the importance of forests on Borneo. PloS one, v. 8, n. 9, p. e73008, jan. 2013.
MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and human well-being: a framework for assessment. Choice Reviews Online, v. 41, n. 08, p. 41–4645, 1 abr. 2003.
POPPENBORG, P.; KOELLNER, T. Do attitudes toward ecosystem services determine agricultural land use practices? An analysis of farmers’ decision-making in a South Korean watershed. Land Use Policy, v. 31, p. 422–429, mar. 2013.
RECENA, M.; CALDAS, E. Percepção de risco, atitudes e práticas no uso de agrotóxicos entre agricultores de Culturama, MS. Rev Saúde Pública, 2008.
SODHI, N. S. et al. Local people value environmental services provided by forested parks. Biodiversity and Conservation, v. 19, n. 4, p. 1175–1188, 17 nov. 2009.
SUNDERLIN, W. D. et al. Livelihoods, forests, and conservation in developing countries: An Overview.