Roçados sustentáveis: Uma Alternativa Para Combate ao Fogo e Desmatamento

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Pedro Mota Melo Álisson Sobrinho Maranho Marcos Santos Souza

Resumo

A experiência realizada pela SOS Amazônia em conjunto com produtores rurais na Reserva Extrativista Alto Juruá teve como objetivo dentro do programa ATES (Assessoria Técnica Social e Ambiental) relatar experiências de três famílias da Resex Alto Juruá que adotaram os Roçados Sustentáveis, a fim de substituir uma prática antiga dentro da Resex Alto Juruá e região amazônica que é o uso do fogo para “limpeza da área” pelo “Roçado Sustentável”. Dentre suas vantagens está a eliminação do uso fogo e diminuição do desmatamento, por meio da implantação de práticas agroecológicas como a adubação verde visando à recuperação de áreas degradadas e sua reutilização. No estudo em questão, a melhoria do solo foi realizada com a leguminosa mucuna preta (Stizolobium aterrimum), excelente fixadora do nutriente N (nitrogênio), usada no combate a ervas daninhas e que tem mostrado resultados satisfatórios na recuperação de áreas improdutivas. Após essa etapa, optou-se pelo cultivo da melancia (Citrullus lanatus), que rendeu 890 frutos em época de entressafra da cultura, sendo rapidamente escoada a produção para o comércio local. A comercialização dos frutos gerou lucro médio de R$ 3.560,00 por produtor. Considerando um total de 525 famílias que aderiram à implantação de Roçados Sustentáveis, esse programa pode ser um expressivo aliado contra a pressão do desmatamento, podendo alcançar cerca de 260 ha de área preservada a cada dois anos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MELO, José Pedro Mota; MARANHO, Álisson Sobrinho; SOUZA, Marcos Santos. Roçados sustentáveis: Uma Alternativa Para Combate ao Fogo e Desmatamento. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21427>. Acesso em: 01 dec. 2020.
Palavras-chave
Unidade de Conservação, área degradada, produção agroecológica
Seção
Agroecol 2016 - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis