Avaliação de espécies regenerantes de um fragmento de floresta estacional semidecidual em restauração ecológica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Isabella Hananda Salmazio Sales Laércio Alves de Carvalho Elaine Novak

Resumo

O aumento da expansão territorial dos centros urbanos e dos sistemas agropecuários, caracterizados pela falta de planejamento e de estudo de uso e ocupação do solo, acarretam em grande redução e fragmentação das florestas nativas. Isso tem causado um incremento significativo nos processos de erosão do solo, prejudicando toda a hidrologia regional e local e redução da biodiversidade. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial de restauração de um fragmento degradado às margens do Córrego Laranja Doce no município de Dourados, Mato Grosso do Sul. São poucos os fragmentos de vegetação natural situados na região de entorno da área, de pequeno tamanho e muito antropizados. O povoamento florestal dos indivíduos regenerantes em estudo foi realizado através de amostragem aleatória em cinco parcelas de 1x1 m na área em restauração ecológica, em que foram demarcados e identificados todos os indivíduos dentro do espaço amostral. Além disso, as espécies foram classificadas por grupos ecológicos de acordo com a sua categoria sucessional e síndrome de dispersão, com intuito de aferir o grau de sustentabilidade da área em restauração ecológica. As famílias encontradas foram: Lauraceae, Myrtaceae, Verbenaceae, Cannabaceae, Rubiaceae, Cucurbitaceae, Arecaceae, Convolvulaceae, Urticaceae, Cyatheaceae, Fabaceae e Bignoniaceae. O fragmento de Floresta Estacional Semidecidual estudado encontra-se em estágio intermediário de sucessão, apresentando regeneração com elevada riqueza de espécies transitórias, formada em sua maioria por espécies secundárias e zoocóricas. Esse fragmento possibilita a entrada e estabelecimento de significativa diversidade de espécies residentes e zoocóricas, em detrimento das espécies já estabelecidas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SALES, Isabella Hananda Salmazio; CARVALHO, Laércio Alves de; NOVAK, Elaine. Avaliação de espécies regenerantes de um fragmento de floresta estacional semidecidual em restauração ecológica. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21376>. Acesso em: 02 dec. 2020.
Palavras-chave
Categoria sucessional; síndrome de dispersão; biodiversidade
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

ALMEIDA, L. G. F.; MOREIRA, G. G. D. L. B.; RODRIGUES, C. C.; OLIVEIRA, F. L.; FAVERO, C. Levantamento de espécies arbóreas de Matas Ciliares como subsídio a implantação de sistemas agroflorestais em áreas de agricultura familiar no Vale do Mucuri, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 4, n. 2, 2009.

ALVES, E. W.; PESCADOR, R.; STÜRMER, S. L.; UHLMANN, A. Germinação de Citharexylum myrianthum Cham.(Verbenaceae) em diferentes substratos. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. S2, p. 741-743, 2007.

APG II. Na update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnaean Society, v. 141, n. 4, p. 399-436, 2003.

BARROSO, G. M.; MORIN, M. P.; PEIXOTO, A. L.; ICHASO, C. L. F. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: Editora UFV, 1999, 443 p.

BOBATO A. C. C., URIBE-OPASO, M. A.; NÓBREGA, L. H. P.; MARTINS, G. I. Métodos comparativos para recomposição de áreas de mata ciliar avaliados por análise longitudinal. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 30, n. 1, p. 89-95, 2008.

CALLEGARO, R. M.; ANDRZEJEWSKI, C.; LONGHI, S. J.; ARAUJO, M. M., SERRA, G. C. Potencial de três plantações florestais homogêneas como facilitadoras da regeneração natural de espécies arbutivo-arbóreas. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 41, n. 99, p. 331-341, 2013.

CHADA, S. S.; CAMPELLO, E. F. C.; de FARIA, S. M. Sucessão vegetal em uma encosta reflorestada com leguminosas arbóreas em Angra dos Reis, RJ. Rev. Árvore, v. 28, n. 6, 2004.

CORTES, J. M. Desenvolvimento de espécies nativas do cerrado a partir do plantio de mudas e da regeneração natural em uma área em processo de recuperação, Planaltina-DF. 2012. 89 f. Tese (mestrado). Faculdade de Tecnologia, UNB, Brasília, 2012.

DRANSFIELD, J.; JOHNSON, D.; SYNGE, H. The palms of the new world: A conservation census. IUCN-WWF Plants Conservation Programme, Cambridge, 1988, 30 p.

DURIGAN G.; MELO, A. C. G.; MAX, J. C. M.; BOAS, O. V.; CONTIERI, W. A.; RAMOS, V. S. Manual para recuperação da vegetação de Cerrado. 3ª Edição, SP, 2011.19 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Guia Clima: Estatísticas (2014). Disponível em: http://www.cpao.embrapa.br/clima/?lc=site/estatisticas/estatisticas. Acesso em: 21 abr. 2015.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. Brasília, DF, 2013.

FARIAS, J.A.C.; TEIXEIRA, I.F.; PES, L.; ALVAREZ FILHO, A. Estrutura fitossociológica de uma floresta estacional decidual na região de Santa Maria, RS. Ciência Florestal, v. 4, n. 1, p. 109-128, 1994.

FELFILI, M. J.; FAGG, C. W.; PINTO, J. R. R. Recuperação de áreas degradadas. In: FELFILI, M. J.; SAMPAIO, J. C.; CORREIA, C. R. M. A. Conservação da Natureza e Recuperação de Áreas Degradadas na Bacia do São Francisco: treinamento e sensibilização. 1ª Edição, p.51-62. 2008.

FELFILI, J. M.; FRANCO, A. C.; FAGG, C. W.; SOUSA-SILVA, J. C. Desenvolvimento inicial de espécies de Mata de Galeria. Planaltina, Embrapa Cerrados, p. 779-811, 2001.

GANDOLFI, S.; LEITÂO-FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. E. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

GENTRY, A. H. Synopsis of Bignoniaceae ethnobotany and economic botany. Ann. Mo. Bot. Gard, v. 79, n. 1, p. 53-64. 1992.

GOTTSBERGER, G.; SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I. Life in the Cerrado: a South American Tropical Seasonal Ecosystem. Origin, structure, dynamics and plant use, v. 1, 2006.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira, v. 1, 1992. 91 p.

LONGHI, S. J.; NASCIMENTO, A. R. T.; FLEIG, F. D.; DELLA-FLORA, J. B.; DE FREITAS, R. A.; CHARÃO, L. W. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria, Brasil. Ciência Florestal, v. 9, n. 1, p. 115-133, 1999.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa, Ed. Plantarum, v. 1, 1992. 384 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa, Ed. Plantarum, v. 2, 1998. 352 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa, Ed. Plantarum, v. 3, 2009. 384 p.

MAGRI, F. Estudo de estratégias para restauração do meio degradado. Florianópolis, UFSC, 2006. 14 p.

MARTINS, R. C. A família Arecaceae (Palmae) no Distrito Federal (Brasil). Acta Botanica Brasilica, v. 15, n. 2, p. 288-288, 2000.

MIATELO, J. H. B. Biodiversidade e distribuição da família Rubiaceae no Distrito Federal e nos estados de Goiás e Tocantins. 2008. 70 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 2008.

MOREIRA, T.; SOUZA, E. D. Mata ciliar: vamos abrir os olhos? Revista Globo Rural, São Paulo, v. 2, n. 20, p. 96-102, 1987.

NARVAES, I. S.; BRENA, D. A.; LONGHI, S. J. Estrutura da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, v. 15, n. 4, p. 331-342, 2005.

NÓBREGA, A. M. F. D.; VALERI, S. V.; PAULA, R. C. D.; SILVA, S. A. D. Regeneração natural em remanescentes florestais e áreas reflorestadas da várzea do rio Mogi-Guaçu, Luiz Antônio-SP. Revista Árvore, v. 32, n. 5, p. 909-920, 2008.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. Sementes florestais tropicais. ABRATES, Brasília, p. 215-274, 1993.

QUINET, A.; ANDREATA, R. H. P. Lauraceae Jussieu na Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia v. 53, p. 59-121, 2002.

RIBEIRO, J. F., FONSECA, C.; SOUSA-SILVA, J. C. Cerrado: Caracterização e Recuperação de Matas de Galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001, 889 p.

RODRIGUES, R. R. A sucessão florestal. In: LEITÃO FILHO, H.F.; MORELLATO, L.P. Ecologia e preservação de uma floresta tropical urbana: Reserva de Santa Genebra. Editora da Unicamp, Campinas, 1995, p. 30-35.

RODRIGUES, R. R. Uma Discussão Nomenclatural das Formações Ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. USP, São Paulo, p. 91-100, 2000.

SALIMENA, F. R. G; THODE, V.; MULGURA, M.; O'LEARY, N.; FRANÇA, F.; SILVA, T. R. S. Verbenaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2012.

SANTOS, S. C.; BUDKE, J. C; MULLER, A. Regeneração de espécies arbóreas sob a influência de Merostachys multiramea Hack.(Poaceae) em uma floresta subtropical. Acta Botanica Brasilica, v. 26, n. 1, p. 218-229, 2012.

SOARES, P. Levantamento fitossociológico de regeneração natural no noroeste de Cuiabá-MT. 2009. 40 f. Tese (mestrado) - Faculdade de Engenharia Florestal, UFMT, Cuiabá. 2009.

SOUZA FILHO, P. C.; BECHARA, F. C.; FILHO, E. M. C.; BARRETTO, K. D. Regeneração Natural após Diferentes Níveis de perturbação em Sub-Bosque de Eucalyptus sp. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n.1, p.96-98, 2007.

SWAINE, M.D. e WHITMORE, T.C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forest. Vegetation, The Hague, v. 75, n. 2, p. 81-86, 1988.

TRES, D. R. Restauração ecológica de uma mata ciliar em uma fazenda produtora de Pinus taeda L. no norte do Estado de Santa Catarina. 2006. 85 f. Tese (mestrado). Florianópolis, UFSC, 2006.

VALERI, S. V.; PUERTA, R.; CRUZ, M. C. P. Efeitos do fósforo do solo no desenvolvimento inicial de Genipa americana L. Scientia Forestalis, p. 69-67, 2003.

VIANI, R. A. G.; RODRIGUES, R. R. Sobrevivência em viveiro de mudas de espécies nativas retiradas da regeneração natural de remanescente florestal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 8, p. 1067-1075, 2007.

YAMAMOTO, L.F.; KINOSHITA, L.S.; MARTINS, F.R. Síndromes de polinização e de dispersão em fragmentos da Floresta Estacional Semidecídua Montana, SP, Brasil. Acta Botanica Brasílica, v. 21, n. 3, p. 553-573, 2007.