Avaliação da estaquia de duas espécies florestais nativas cedro-rosa e tarumã.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Deyvis Borges Waltrick Tássio Dresch Rech Maria Sueli Heberle Mafra Murilo Dalla Costa Tiago Celso Baldissera

Resumo

O uso de moirões vivos apresenta os benefícios da arborização da pastagem, tais como: melhoria no conforto e na produtividade animal, mitigação de gases de efeito estufa, proteção do solo, redução de custos e dos riscos associados ao uso de madeiras tratadas, fornecimento de madeira à propriedade rural, além de contribuir para melhorar a imagem da pecuária junto aos consumidores. Como vantagem adicional, a tecnologia apresenta potencial de redução do tempo de isolamento das áreas ao acesso dos animais e antecipação dos benefícios da arborização com mudas convencionais. O presente trabalho objetivou avaliar o enraizamento de cedro-rosa e tarumã, espécies florestais nativas com potencial de utilização como moirões vivos. Em final de agosto de 2015 foi realizada a primeira coleta de tarumã no município de São José do Cerrito, SC em altitudes de 870 e 970m. O cedro-rosa não foi coletado, pois as árvores já apresentavam brotação. Em 2016 o material vegetativo foi coletado nos municípios de São José do Cerrito, Bocaina do Sul, Otacílio Costa e Painel, SC, em altitudes de 860 a 1450 m. Utilizou-se o método de estaquia vegetativa, com o diâmetro das estacas de cedro-rosa variando de 8 a 62 mm e tarumã entre 7 e 42 mm, ambas as espécies com comprimento de estaca de 350 mm. Todas as estacas de tarumã coletadas em 2015 emitiram brotos floríferos, mas apenas 14% apresentaram enraizamento. Das estacas coletadas em 2016, o cedro-rosa apresenta 100% de brotação, mas apenas uma das matrizes coletadas apresenta estacas enraizadas até o momento.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
WALTRICK, Deyvis Borges et al. Avaliação da estaquia de duas espécies florestais nativas cedro-rosa e tarumã.. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21367>. Acesso em: 02 dec. 2020.
Palavras-chave
Cedrela fissilis Vell.; enraizamento; moirões vivos; Vitex megapotamica (Spreng).
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

BAGGIO, A.J.; CARPANEZZI, O.B.; GRAÇA, M. E. C. Propagação vegetativa da aroeira para palanques vivos: resultados preliminares. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 18/19, p.63-66, jun./dez. 1989.

BAGGIO, A.J.; MONTOYA VILCAHUAMAN, L.J. Manual prático sobre moirões vivos. Colombo: Embrapa Florestas, 2000, 15p. (Embrapa Florestas, Documentos, 48).

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo: EMBRAPA – CNPF; Brasília: EMBRAPA – SPI, 1994. 640p.

CURCIO, G. R.; SOUSA, L. P.; BONNET, A.; BARDDAL, M. L. Recomendação de espécies arbóreas nativas, por tipo de solo, para recuperação ambiental das margens da represa do rio Iraí, Pinhais. Floresta. Curitiba, v. 37, n. 1, jan./abr. 2007. 10 p.

EPAGRI, Atlas climatológico do Estado de Santa Catarina. Florianopolis, 2002. CD-ROM.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarium, 2002. 360 p.

PAES, J.B.; VITAL, B.R. Resistência natural da madeira de cinco espécies de eucalipto a cupins subterrâneos em testes de laboratório. Revista Árvore, Viçosa, v. 24, n. 1, p. 1-6. 2000.

REMADE, Gestão de resíduos sólidos na indústria madeireira. Revista da Madeira, Ed 77, Viçosa - MG, novembro 2003. Disponível em: http://www.remade.com.br/br/revistadamadeira_materia.php?num=467&subject=res. Acessado em: 01/09/2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre, RS: SBCS/Núcleo Regional Sul; Comissão de Química e Fertilidade do Solo – RS/SC, 2004. 400p.