Perfil e atribuição profissional do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia: limitações legais e epistemológicas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Mateus José Falleiros da Silva

Resumo

Este trabalho objetivou verificar se o Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia é adequado ao ensino formal de Agroecologia e confrontar o perfil de formação profissional do Tecnólogo em Agroecologia com as suas atribuições, de modo a identificar inconsistências entre eles que exijam mudanças. O paradigma da educação no campo está em construção no Brasil, com concepções e contradições em plena ebulição e a construção do conhecimento em Agroecologia enquanto Ciência perpassa esta discussão. Entretanto, existem limitações historicamente estabelecidas na formação profissional tecnológica e nas atribuições que lhe são legalmente permitidas e que podem torná-la inadequada como proposta de ensino formal, especialmente considerando a Agroecologia como Ciência. Assim, realizou-se a pesquisa bibliográfica em documentos-base e consulta a bases de dados e arquivos digitais, estabelecendo as características dos Cursos Superiores de Tecnologia e do Bacharelado e aspectos históricos da educação profissional, e confrontou-se o perfil profissional do Tecnólogo em Agroecologia com as atividades previstas e as atribuições profissionais. Verificaram-se inconsistências entre perfil profissional a atribuições profissionais e na adequação das características da formação tecnológica para a formação em Agroecologia. Concluiu-se que existe uma dissociação entre o perfil de formação profissional do Tecnólogo em Agroecologia e as suas atribuições profissionais, e que o exercício das atividades profissionais em Agroecologia não é coerente com as características da modalidade de formação superior de tecnologia, como especialidade da Agronomia.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DA SILVA, Mateus José Falleiros. Perfil e atribuição profissional do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia: limitações legais e epistemológicas. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21365>. Acesso em: 30 nov. 2020.
Palavras-chave
Educação no campo; currículo; regulamentação profissional
Seção
Agroecol 2016 - Educação do Campo

Referências

BRASIL. Casa Civil. Decreto 5154, de 23 de julho de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 12/06/2014.

BRASIL. Ministério da Educação Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, 3ª ed., 2016.194p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=44501-cncst-2016-3edc-pdf&category_slug=junho-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 27/08/2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer 436, de 02 de abril de 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0436.pdf. Acesso em: 9/11/2014.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Secretaria Especial de Editoração e Publicações da Subsecretaria de Edições Técnicas, Brasília, DF, 2005. 65p.

CAPORAL, Francisco Roberto; COSTABEBER (org.), José Antônio; PAULUS, Gervásio. Agroecologia: uma ciência do campo da complexidade. Brasília, 2009. 111p.

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA. Decisão Plenária n. 1006, de 10 de julho de 2013. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=52455. Acesso em: 13/10/2014.

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA. Resolução 313, de 26 de setembro de 1986. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=361&idTiposEmentas=5&Numero=313&AnoIni=&AnoFim=&PalavraChave=&buscarem=conteudo.> Acesso em: 25/10/2014.