Entre lugares e espaços: uma caminhada no grupo de CSA (Community Supported Agriculture) de Barão Geraldo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria Luiza de Andrade Benini

Resumo

O contexto de riscos globais cria possibilidades de soluções locais (isto é, contextualizadas regionalmente), ideal para gerenciar cenários complexos. Na agricultura (ambiente de risco global), a articulação dos consumidores e produtores por meio do modelo de um grupo consumo de alimentos orgânicos e agroecológicos surge como uma forma de perspectiva local para enfrentar os riscos ambientais. O CSA - Community Supported Agriculture é o tipo de grupo de consumo que financia a produção agrícola por parte dos consumidores, partilha benefícios, tais como a saúde alimentar e os riscos como as perdas de produção. Na cidade de Campinas, distrito Geraldo Barão, há um CSA que a cada semana se encontram em uma praça central e estratégica para retirar os seus alimentos. Este ponto tem uma grande circulação de pessoas que têm afinidade com as questões ambientais. Este artigo pretende discutir como lugar e espaço influeciam na consolidação e configuração do grupo através de uma experiência prática dentro do grupo CSA. Para concretização de tal proposta, foram realizada pesquisa de campo a partir de instrumentos da observação e entrevistas abertas. Ao final, observou-se que a configuração e apropriação de um espaço se faz essencial para o fortalecimento do grupo de CSA.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DE ANDRADE BENINI, Maria Luiza. Entre lugares e espaços: uma caminhada no grupo de CSA (Community Supported Agriculture) de Barão Geraldo. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21309>. Acesso em: 02 dec. 2020.
Palavras-chave
Riscos, agroecologia, CSA
Seção
Agroecol 2016 - Desenvolvimento Rural e Urbano em Bases Agroecológicas

Referências

ALTIERI, M. Escalonando la propuesta agroecológica para la soberanía alimentaria en América Latina. Agroecología. Murcia, Espanha, v.4, pp. 39-48, 2009

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Expressão Popular, AS-PTA, São Paulo, Rio de Janeiro, 3ª ed., 2012

BECK, U. Sociedade de risco. RJ: Editora 34. 2010.

BRUSEKE, F. J. Risco e Contingência. Socitec e-prints, Florianópolis, 2005. v.1, n.2, pp.35-48.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Editora Vozes, Petrópolis. 1998.

CONE, C. A.; MYHRE, A. Community–Supported Agriculture: A sustainable Alternative to Industrial Agriculture? Human Organization, 2000. v. 59, n. 2, p. 187-197.

CRESPO, S.O Brasil na era verde: a consciência ecológica no país segundo pesquisas de opnião. Opnião Pública, Campinas, 1993. v. 1, n. 2, p. 120-148.

GUBER, R. La etnografia: Método, Campo y Reflexividad. Grupo Editorial Norma, Bogotá, 2001.

MARICONDA, P. R. Technological risks, transgenic agriculture and alternatives. Sci. stud., São Paulo, 2014. v.12, n. spe, p.75-104.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Censo 2010. Disponível em: http://www.campinas.sp.gov.br/governo/seplama/publicacoes/censo-2010.php. Acesso em 25 de jun de 2016.

SANTOS, V. Origem e história. Disponível em: http://www.pracadococo.com.br/origem-e-historia. Acesso em 21 de jun de 2016.

SEVILLA GUZMAN, E.; MIELGO, A.M. Para una teoría centro-periferia desde la Agroecología In: I Congresso de la Sociedad Española de Agricultura Ecológica. Toledo,1994

SMITH, W. Barão Geraldo: históriae identidade local. Revista de História Regional, 2004. v. 7, n.2, p.207-231.

SOBARZO, O. A produção do espaço público: da dominação à apropriação. GEOUSP –Espaço e Tempo, São Paulo, 2006. n. 19, pp. 93-111.

TORUNSKY, F; FERREIRA NETO, D., AMORIM, J. O. L. CSA: Comunidade que Sustenta Agricultura, uma experiência em São Carlos. Cadernos de Agroecologia, 2015. v.10, n.3.

TUAN, Y-F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Difel, São Paulo, 1983