Plantas Espontâneas da Família Solanaceae em Agroecossistema Amazônico e suas Contribuições na Conservação de Polinizadores Úteis na Produção Agrícola

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sergio Aparecido Seixas da Silva Suellen Fernanda Mangueira Rodrigues Pedro Eduardo Pandolfi Pinheiro

Resumo

O objetivo deste trabalho foi realizar o levantamento das espécies de Solanaceae encontradas em um agroecossistema amazônico e demonstrar o papel dessas plantas como fonte de recurso para a manutenção de polinizadores importantes aos cultivos agrícolas. O estudo foi desenvolvido em uma propriedade agrícola sob transição agroecológica em Pimenta Bueno - RO. O levantamento das espécies botânicas pertencentes à família Solanácea foi realizado nos meses de março a novembro do ano de 2015, verificando-se quais as espécies estavam presentes no meio da pastagem, próximo e dentro dos cultivos de hortaliças. Foram registradas no levantamento florístico 9 espécies distribuídas em 2 gêneros, pertencente a família Solanácea, sendo que o gênero Solanum foi o que apresentou o maior número com 8 espécies. A manutenção da vegetação espontânea ao redor ou dentro da cultura de interesse acaba sendo uma forma de modificação ambiental, transformando a paisagem agrícola atrativa para os visitantes florais e potenciais polinizadores. Assim, um dos primeiros passos para promover a conservação dos polinizadores, é manter a preservação dos ambientes naturais e modificados pelo homem.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SEIXAS DA SILVA, Sergio Aparecido; MANGUEIRA RODRIGUES, Suellen Fernanda; PANDOLFI PINHEIRO, Pedro Eduardo. Plantas Espontâneas da Família Solanaceae em Agroecossistema Amazônico e suas Contribuições na Conservação de Polinizadores Úteis na Produção Agrícola. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21201>. Acesso em: 30 nov. 2020.
Seção
Agroecol 2016 - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis

Referências

ADAMY, A. Zoneamento geoambiental de Pimenta Bueno. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente-Núcleo de Ciências e Tecnologia), Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 146f. il., color. 2005.

ALTIERI, M.A. The ecological role of biodiversity in agroecossystems. Agriculture Ecosystems & Environment, (74): 19-31. 1999.

ALVES, M. A. S.; VECCHI, M. B.; TOMAZ, V. C.; PIRATELLI, A. J. O impacto de vertebrados terrestres sobre a comunidade vegetal: aves como exemplo de estudo. In: DEL-CLARO, K.; TOREZAN-SILINGARDI, H. M. (orgs.) Ecologia das Interações plantas-animais: uma abordagem ecológico-evolutiva. Technical Books Editora, cap. 4, p. 89-108, 2012.

BOHS, Lynn. Major clades in Solanum based on ndhF sequence data.Monographs in Systematic Botany, v. 104, p. 27, 2005.

D’ÁVILA, M. & L. C. MARCHINI. Polinização realizada por abelhas em culturas de importância econômica no Brasil. Boletim da Indústria Animal v. 62 n. 1, 79-90, 2005.

DESUÓ, I. C.; MURAKAMI, A. S.N.; GOMES, G.; GOMES, L. Insetos e suas relações com o homem. In: GOMES, L. (org.) Entomologia Forense: novas tendências e tecnologias nas ciências criminais. Technical Books Editora, cap. 2, p. 87-121, 2010.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. (IBGE, 2°ed.), Rio de Janeiro. 2012.

IMPERATRIZ-FONSECA, Vera Lucia. Serviços aos ecossistemas, com ênfase nos polinizadores e polinização. São Paulo: USP, 2004.

LANDIS, D.A., MENALLED, F.D., COSTAMAGNA, A.C., WILKINSON, TK. Manipulating plant resources to enhance beneficial arthropods in agricultural landscapes. Weed Science, v. 53, n. 6, p. 902-908, 2005.

LIMA, R. A.; SANTOS, M. A.; SMOZINSKI, C. V. Flora de Rondônia, Brasil: Solanum L.(Solanaceae). Porto Velho-RO: EDUFRO, 2014.

OLIVEIRA, R. M. Importância da vegetação espontânea na polinização de pimenta, Capsicum frutescens. Dissertação (Magister Scientiae) – Programa de Pós-Graduação em Entomologia, Universidade Federal de Viçosa, MG. 2014.

OLMSTEAD, Richard G. et al. Phylogeny and provisional classification of the Solanaceae based on chloroplast DNA. Solanaceae IV, v. 1, n. 1, p. 1-137, 1999.

SLAA, E. J.; SÁNCHEZ CHAVES, L. A.; MALAGODI-BRAGA, K. S.; HOFSTEDE, F.E. Stingless bees in applied pollination: practice and perspectives. Apidologie, v. 37, n. 2, p. 293, 2006.

STEHMANN, J. R. et al. Solanaceae. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010.

TAVARES, P. R. A.; ALVES-JUNIOR, V. V.; MORAIS, G. A. A Lobeira (Solanum lycocarpum A. St. Hil.) como um Significativo Elemento para a Manutenção da Fauna de Abelhas Polinizadoras de Culturas. Cadernos de Agroecologia, v. 9, n. 4, 2014.

TOREZAN-SILINGARDI, H. M. Flores e animais: uma introdução à história natural da polinização. In: DEL-CLARO, K.; TOREZAN-SILINGARDI, H. M. (orgs.) Ecologia das Interações plantas-animais: uma abordagem ecológico-evolutiva. Technical Books Editora, cap. 5, p. 111-140, 2012.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro, RJ. IBGE, CDDI, p. 124, 1991.

ZAMBON, V. Biologia da polinização e eficácia de polinizadores em Solanum melongena L. (Solanaceae). Dissertação (Mestrado em Agricultura e Ambiente) – Programa de Pós-Graduação em Agricultura e Ambiente, Universidade Federal de São Carlos. Araras: 115 p. 2015.