Projeto Agroecológico e Cidadão da Juventude da Amazônia: Perfil de Entrada dos Jovens

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ana Paula Silva Bertão Eliane Silva Leite Rafael Camoleze Maltarollo Maria Irenilda Souza Dias Clodoaldo Oliveira Freitas

Resumo

O Brasil é um país agrícola onde o PIB – Produto Interno Bruto é também impulsionado pela agricultura, porém o atual modelo de desenvolvimento leva a degradação do meio ambiente levando ao esgotamento dos recursos naturais. Cabe à proposta descrever o Perfil de Entrada dos jovens rurais dos assentamentos dos municípios de Presidente Médici e de Nova Brasilândia/RO, no contexto do projeto Agroecológico e Cidadão da Juventude dos Assentamentos na Amazônia. Como metodologia priorizamos a pesquisa-ação participativa, harmonizando os instrumentos: análise de dados secundários, oficinas participativas e questionário com o intuito de fortalecer a inclusão social e produtiva dos jovens, de 15 a 29 anos, estudantes de nível médio oriundos dos assentamentos. No início do projeto foi aplicado um questionário sobre os conceitos pertinentes aos temas que seriam trabalhados nos encontros de formação no decorrer do projeto, como por exemplo, agroecologia, agricultura familiar e soberania alimentar, desta forma poderemos avaliar a evolução dos jovens quanto aos conteúdos e vivências apreendidas durante a atuação do projeto. Os resultados mostraram o interesse dos jovens em participar do projeto, principalmente em obter conhecimento na área de atuação do mesmo; que a agricultura familiar está associada à melhoria de qualidade de vida e renda familiar; parcela significante dos jovens desconhecia o assunto agroecologia, porém outra parte diz ter conhecimento mínimo do assunto, havendo diversificação entre os níveis de experiência. Portanto, com o Perfil de Entrada dos jovens, tivemos conhecimento do grau de informação sobre os assuntos que seriam abordados durante os dois anos de projeto.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BERTÃO, Ana Paula Silva et al. Projeto Agroecológico e Cidadão da Juventude da Amazônia: Perfil de Entrada dos Jovens. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21172>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
Agricultura familiar, Extensão Rural, Praticas Agroecológicas
Seção
Agroecol 2016 - Sociedade e Natureza

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do Capitalismo Agrário em questão. São Paulo. Anpocs, Unicamp, Hucitec, 1992. “Uma nova extensão para a agricultura familiar”. In: Seminário Nacional De Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília, DF, Anais,1997, p. 29.

ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do Capitalismo Agrário em questão. São Paulo. Anpocs, Unicamp, Hucitec, 1992. “Uma nova extensão para a agricultura familiar”. In: Seminário Nacional De Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília, DF, Anais,1997, p. 29.

ALTIERI M. A. Agroecología: principios y estrategias paradiseñar sistemas agrarios sustentables. Agroecología: El Camino hacia una Agricultura Sustentable 2011.

ASBRAER -Associação Brasileira das Entidades staduais de Assistência Técnica e Extensão Rural, EXTENSÃO RURAL Um Serviço Essencial Brasília (DF), Jul. 2012. Disponível em:

BRASIL, PIB INDICADORES ECONÔNICOS, 2015. Disponível em:

CARMO, M. S. Agroecologia: Novos Caminhos para a Agricultura Familiar, 2008. Disponível em: < http://www.dge.apta.sp.gov.br/publicacoes/T%26IA2/T%26IAv1n2/Artigo_Agroecologia_Novos_Caminhos_3.pdf>

FBES- Fórum Brasileiro de Economia Solidária, O que é Economia Solidária. 2013. Disponível em:

FEIDEN, A.; ALMEIDA, D. L. DE; VITOI, V.; ASSIS, R. L. de. Processo de conversão de sistemas de produção convencionais para sistemas de produção orgânicos. Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasília, v. 19, n. 2, p. 179-204, 2002.

FREIRE, P. Extenção ou comuicação? 3. Ed. Rio de janeiro: Paz e terra, 1977.

FREITAS, A. F.; FREITAS, A. F.; DIAS, M. M. Uso do diagnóstico participativo (DRP) como metodologias de projetos de extensão universitária – Relatos de Experiência. Em extensão, Uberlândia, v. 11 n.2, p69-81, jul. / dez. 2012. Disponível em: < file:///E:/2016/Artigos%202016/Agroecologia%202016/referencias/met%20participativa.pdf>

KUMMER. L. Metodologias Participativas no Meio Rural: Uma visão interdisciplinar- conceitos, ferramentas e vivencias. GTZ e Desenvolvimento Local. Salvador, 2007.

LINDBECH, J. Jovens rurais e o curso técnico de Agropecuária com ênfase em agroecologia: entre conflitos e possibilidades. Curitiba, 2010. Disponível em:

MARTINS, José de Souza. Ímpares sociais e políticos em relação à reforma agrária e a agricultura familiar no Brasil. Santiago Chile, 2001.

OLSON, R. L. The greening of high tech. The Futurist, v. 25, n. 3, p. 28-34, 1991.

RDM - Relatório sobre Desenvolvimento Mundial. Agricultura e Meio Ambiente, 2008. Disponível em:

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SAVOLDI, A. e CUNHA, L. A. Uma Abordagem Sobre a Agricultura Familiar, Pronaf e a Modernização da Agricultura no Sudoeste do Paraná na Década De 1970. Revista Geografar www.ser.ufpr.br/geografar Curitiba, v.5, n.1, p.25-45, jan./jun. 2010.

SOUZA, D. W. R. Agricultura familiar: reflexões e realidades. Revista Princípios. 2016. Disponível em:

VERDEJO, M. E. Diagnóstico rural participativo: guia prático DRP. Brasília: DATER/SAF/MDA, 2006.

WANDERLEY, M. N. B. L. Raízes Históricas do Campesinato Brasileiro. Agricultura Familiar: realidades e perspectivas, 1999.