Consumo de plantas alimentícias pela população de Rio Pomba - MG

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Pauline Zonta de Lima Emi Rainildes Lorenzetti

Resumo

A alimentação é uma das principais necessidades do corpo humano, por isso a necessidade de fazê-la de forma eficiente. Há quatro décadas a alimentação se diferenciou e passou a ser rica em açúcares, gorduras e sódio, que prejudica em muito a saúde. Ocorreu também a redução do consumo de hortaliças. O objetivo do trabalho foi identificar a frequência e a diversidade do consumo de plantas convencionais e não convencionais pela população Rural e Urbana de Rio Pomba, zona da mata Mineira. Utilizou-se o questionário semi-estruturado e uma análise qualitativa dos dados obtidos no questionário. Estes continham uma tabela com 88 hortaliças já estabelecidas, sendo que 41 eram plantas alimentícias não convencionais, além de cinco perguntas chaves para mais informações sobre a alimentação da população. Foram aplicados 30 questionários, 15 na zona rural e 15 na zona urbana. Em geral a população estudada de Rio Pomba possui uma baixa diversidade no consumo frequente de hortaliças, principalmente de plantas alimentícias não convencionais, além de um baixo entendimento sobre as plantas não convencionais quanto ao consumo e modo de preparo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LIMA, Pauline Zonta de; LORENZETTI, Emi Rainildes. Consumo de plantas alimentícias pela população de Rio Pomba - MG. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21164>. Acesso em: 02 dec. 2020.
Palavras-chave
etnobotânica, plantas alimentícias não convencionais, saberes populares.
Seção
Agroecol 2016 - Desenvolvimento Rural e Urbano em Bases Agroecológicas

Referências

ALMEIDA, M. E. F. ; CORREA, A.D. Utilização de cactáceas do gênero Pereskia na alimentação humana em um município de Minas Gerais, Ciência Rural, v.42, n.4, abr, 2012.

DUFUMIER, M. Os riscos para a biodiversidade desencadeados pelo emprego das plantas geneticamente modificadas. Transgênico para quem? Agricultura, Ciência e Sociedade. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília, 2011. Cap 10, p. 239-243.

EPAMIG. Hortaliças não convencionais: Saberes e Sabores. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais . EPAMIG-DPPU, 2012. 28 p.

ISOBE, M.T.C. et al. Teor de β-caroteno em hortaliças e partes sub-utilizadas de hortaliças convencionais. Horticultura Brasileira, v.27, S31632-S3170., 2009.

KINUPP, V. Plantas Alimentícias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Tese de Doutorado, Pós-graduação em Fitotecnia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 2007, 562p.

KINUPP, V.F.; BARROS, I.B.I. Teores de proteínas e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n.4: 846-857, out.-dez. 2008.

KINUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Instituto Plantarum de Estudos da Flora LTDA, São Paulo. 2014.

MONTEIRO, R. L. Valor nutricional de partes convencionais e não convencionais de frutas e hortaliças. Dissertação, Mestrado em Energia na Agricultura - UNESP, Botucatu, SP. 2008, 62 f.

PIMENTEL, H.; MONTEIRO, C. Padrões alimentares e desportivos: a influência na autoimagem e na percepção da saúde. Comportamentos de saúde infanto-juvenis: Realidades e Perspectivas. Escola Superior de Saúde. Viseu. pp. 147 – 156, 2012

RAPOPORT, E.H.; MARGUTTI, L.; SANZ, E.H. Plantas silvestres comestibles de la Patagonia Andina. Exóticas I. Bariloche: Univ. Nac, Comahue, INTA-UNICEF. 1997. 51p.

SOUZA, M.R.R. et al. O potencial do ora-pro-nobis na diversificação da produção