Colhendo Conhecimentos: Estudo Etnobotânico Sobre a Vinagreira (Hibiscus sabdariffa L.) na Universidade Federal de Mato Grosso – Campus Universitário de Rondonópolis

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Hebert Teixeira Cândido José Adolfo Iriam Sturza Roney da Cruz Barbosa

Resumo

Plantas alimentícias não convencionais (PANC’s) são espécies que podem ser utilizadas na alimentação humana, contudo a possibilidade de uso como alimento não é conhecida por uma determinada população. Para ajudar a promover o conhecimento a respeito dessas plantas e recuperar os saberes junto à população, de maneira não institucionalizada, surgiu em 2015 na Universidade Federal de Mato Grosso- Campus Universitário de Rondonópolis (UFMT-CUR), o CENAPE (Centro Agroecológico de Pesquisa e Extensão). O Centro tem atuado na divulgação dessas plantas por meio de palestras, oficinas, feiras, distribuição de mudas e folders informativos. Dentre essas plantas, o CENAPE tem estudado a vinagreira (Hibiscus sabdariffa L.), planta que pode ser empregada para múltiplos preparos alimentícios. Essa hortaliça pode ser encontrada de forma nativa em alguns países africanos e possivelmente tenha sido introduzida no Brasil pelos escravos traficados durante o período colonial. De acordo com a problemática apresentada, o presente estudo buscou analisar o conhecimento a respeito da vinagreira perante aos alunos, professores e outros funcionários da UFMT-CUR. Logo, utilizou-se para esta pesquisa a metodologia semiestruturada de entrevista. Sendo assim, analisou-se o perfil dos entrevistados e os respectivos conhecimentos a respeito da planta. O questionário foi aplicado a trinta pessoas na primeira quinzena de julho de 2016. Conforme a amostra analisada encontrou-se azedinha como denominação mais comum para a planta, onde o consumo dos cálices in natura é a forma mais comum de uso na alimentação, todavia para a maioria dos entrevistados o consumo ocorreu apenas na infância.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CÂNDIDO, Hebert Teixeira; STURZA, José Adolfo Iriam; BARBOSA, Roney da Cruz. Colhendo Conhecimentos: Estudo Etnobotânico Sobre a Vinagreira (Hibiscus sabdariffa L.) na Universidade Federal de Mato Grosso – Campus Universitário de Rondonópolis. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21162>. Acesso em: 04 dec. 2020.
Palavras-chave
Agroecologia, CENAPE, PANC’s, Recuperação de Saberes
Seção
Agroecol 2016 - Construção de Conhecimentos Agroecológicos

Referências

ALMEIDA, S. R. M. Agroecologia em rimas. Cruz das Almas, BA: PROEXT/UFRB, 2012.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevista em ciências sociais. Revista Eletrônica de Pós-Graduados em Sociologia Política da UFSC, vol. 2, n. 1, p. 68-80, jan./jul., 2005. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Manual de Hortaliças Não-Convencionais. Brasília: MAPA/ACS, 2010. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/vegetal/Qualidade/Qualidade%20dos%20Alimentos/manual%20hortali%C3%A7as_WEB_F.pdf>. Acesso em: 03 set. 2016.

CÂNDIDO, H. T.; RODRIGUES, J. P. A. As plantas não convencionais e a agricultura familiar. In. Simpósio Internacional e Simpósio Nacional de Geografia Agrária, 7., 2015, Goiânia. Anais. Goiânia: UFG, 2015. p. 5443.

CÂNDIDO, H. T.; STURZA, J. A. I.; RODRIGUES, J. P. A. Centro Agroecológico de Pesquisa e Extensão. In. Universidad 2016 - Congreso Intersacional de Educación Superior, 10., 2016, La Habana. Anais. La Habana: El Ministerio de Educación Superior, 2016. p. 232-239.

FAO. Allegato 1 – L’ inventario. Disponível em: < http://www.fao.org/fileadmin/templates/mountain_partnership/doc/1_Inventario_dei_prodotti.pdf>. Acesso em: 03 set. 2016.

KINUPP, V. F.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

PASA, M. C. Um olhar etnobotânico sobre as comunidades do Bambá. Cuiabá: Entrelinhas: EdUFMT, 2007.

PASA, M. C.; ÁVILA, G. Ribeirinhos e recursos vegetais: a etnobotânica em Rondonópolis, Mato Grosso, Brasil. Interações, Campo Grande, v. 11, n. 2, p. 195-204, jul./dez., 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2016.

STRACHULSKI, J.; FLORIANI, N. Saber ecológico tradicional da comunidade rural Linha Criciumal, Cândido de Abreu – PR: práticas e representações da fertilidade das terras. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE), v. 12, n. 17, p. 219-256, jan./jul., 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2016.

TOLEDO, V. M. A Agroecologia é uma revolução epistemológica. Revista Agriculturas, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 42-45, 2016. Disponível em: < http://aspta.org.br/revista/v13-n1-comunicar-para-transformar/a-agroecologia-e-uma-revolucao-epistemologica/>. Acesso em: 02 set. 2016.

VIZZOTTO, M.; PEREIRA, M. C. Hibisco: do uso ornamental ao medicinal, Jan. 2010. Disponível em: < http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/43144/1/hibisco-uso-ornamental-2010.pdf>. Acesso em: 02 set. 16.