Indicação Geográfica: um estudo comparativo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Caroline Luzia Prediger Mara Irene Engelmann Alberto Feiden

Resumo

A atividade apícola constitui uma das formas de trabalho diversificado no meio rural, sendo uma das alternativas de renda e, muitas vezes necessita de ferramentas e estratégias que agregam valor, propiciando um desenvolvimento na pequena propriedade. Dessa forma, um produto diferenciado também contribui para o acesso a novos mercados. O objetivo desse trabalho é saber quais os requisitos necessários para obtenção do selo de IG, bem como avaliar as diferentes indicações geográficas e apontar o que essas trazem de positivo para os agricultores que trabalham na produção de mel de abelhas. A importância da pesquisa envolve tanto o entendimento de obtenção de novas tecnologias pelos apicultores quanto a consequente contribuição em termos agroecológicos na preservação das abelhas. O estudo comparativo se deu através do levantamento bibliográfico o qual foi o suporte metodológico. Os resultados e a conclusão para a indicação geográfica se mostraram positiva em relação aos benefícios que essa ferramenta pode trazer para os apicultores.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PREDIGER, Caroline Luzia; ENGELMANN, Mara Irene; FEIDEN, Alberto. Indicação Geográfica: um estudo comparativo. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, dec. 2016. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21153>. Acesso em: 03 dec. 2020.
Palavras-chave
apicultura, ferramenta, agroecologia
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

BRASIL. Projeto avalia a importância da polinização para a agricultura; 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 de Mai. 2016.

BRASIL. Lei 9.279, de 14 de Maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: . Acesso em: 20 de Mai. 2016.

CORRÊA, Maria Pinheiro Fernandes; PEREIRA, Fábia de Mello; LOPES, Maria Teresa do Rêgo; CAMARGO, Ricardo Costa Rodrigues de; VILELA, Sérgio Luís de Oliveira. Produção de mel. Disponível em: . Acesso em: 21 de Mai. 2016.

INPI; Mel de Ortigueira é nova indicação geográfica; 2015. Disponível em : . Acesso em: 22 de Mai. 2016.

DURSO, Emerson Domenico; ROCHA JUNIOR, Weimar Freire da; RODRIGUES, Eliane Aparecida Gracioli. O potencial para indicação geográfica do mel na costa oeste do Paraná: estudo de caso da cooperativa coofamel. In: Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional, 6, 2015, Santa Cruz do Sul, RS, Anais Eletrônicos... Santa Catarina: UNICS, 2015. Disponível em: < http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidr/article/view/13410>. Acesso em 22 de Mai. 2016.

REIS, Vanderlei Donizeti Acassio dos; BIJOS, Gustavo Nadeu; MENEGAZZO, Marcio Alexandre Diório. Documentos 137. Caderno de Normas do Regulamento da Produção da Indicação do Mel do Pantanal. Embrapa Pantanal: Corumbá, MS, 2015. Disponível em: < https://www.embrapa.br/web/mobile/publicacoes/-/publicacao/1037107/caderno-de-normas-do-regulamento-de-producao-da-indicacao-de-procedencia-do-mel-do-pantanal>. Acesso em: Mai. 2016.

SEBRAE. Mel de Ortigueira ganha denominação de origem; 2015. Disponível em: . Acesso em: Mai. 2016.