Criação de RPPNs em Assentamento Rural de Reforma Agrária como estratégia para ações conservação: o caso do Paraná

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maristela Denise Moresco Mezzomo Mariana de Sarges Machado

Resumo

O objetivo deste trabalho é discorrer sobre a criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural em áreas de Assentamento Rural de Reforma Agrária no estado do Paraná. Por meio de pesquisa bibliográfica e levantamento de dados e informações em órgãos públicos, duas situações são discutidas: a criação destas áreas se constitui como uma estratégia que pode potencializar ações de uso sustentável dos recursos naturais e ecossistemas; a criação destas áreas reflete um pensamento enraizado na sociedade atual, de que para haver conservação da natureza é preciso haver compensação financeira.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MEZZOMO, Maristela Denise Moresco; MACHADO, Mariana de Sarges. Criação de RPPNs em Assentamento Rural de Reforma Agrária como estratégia para ações conservação: o caso do Paraná. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 11, n. 2, jan. 2017. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/21142>. Acesso em: 30 nov. 2020.
Palavras-chave
sociedade e natureza, unidades de conservação, compensação financeira
Seção
Agroecol 2016 - Uso e Conservação dos Recursos Naturais

Referências

BLOUGH, G. O.; SCHWARTZ, J.; HUGGETT, A. J. Como ensinar ciências. Rio de Janeiro: Livro Técnico S. A., 1972.

BRASIL. Lei n°. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e Vll da Constituição Federal. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016.

COIMBRA, J. de A. A. O outro lado do meio ambiente: uma incursão humanista na questão ambiental. Campinas: Millennium, 2002.

DIEGUES, A. O mito moderno da natureza intocada. 3.ed. São Paulo: Hucitec, 2000, 169p.

DOUROJEANNI, M. J.; PÁDUA, M. T. J. Biodiversidade: a hora decisiva. Curitiba: Editora da UFPR, 2001. 308p.

DREW, D. Processos interativos homem-meio ambiente. 5.ed. São Paulo: Difel, 2002.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ – IAP. Departamento de Unidades de Conservação. Dados sobre RPPN no estado do Paraná. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2016.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ – IAP. Departamento de Unidades de Conservação. Memória de Cálculo e Extrato Financeiro. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2016.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA. Notícias. Audiência pública discute ICMS Ecológico em assentamentos no Paraná. Publicado dia 29/03/2016. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2016.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA. Notícias. INCRA propõe criação de 23 unidades de conservação em assentamentos do Paraná. Publicado dia 02/05/2016. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2016.

LOUREIRO, W. Contribuição do ICMS Ecológico na Conservação da Biodiversidade no Estado do Paraná. 2002, 206p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Setor de Ciências Agrárias. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

LOUREIRO, W. RPPN Mata Atlântica. ICMS Ecológico, uma experiência brasileira de pagamentos por serviços ambientais. Belo Horizonte: Conservação Internacional. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica – Curitiba: The Nature Conservancy (TNC), 2008. 26 p. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

MORAN, E. F. Nós e a Natureza: uma introdução às relações homem-ambiente. Tradução de Carlos Szlak. São Paulo: Senac São Paulo, 2008.302p.

RYLANDS, A.; BRANDON, K. Unidades de conservação brasileiras. Megadiversidade. v. 1, n. 1, Julho 2005, p. 27-35. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.