O Plano Camponês para a Soberania Alimentar e Energética numa perspectiva Agroecológica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rodrigo Simão CAMACHO

Resumo

Concebemos a Soberania Alimentar como um elemento fundamental que explicita a importância do campesinato. Neste contexto, temos como exemplo empírico de uma experiência dos Movimentos dos Pequenos Agricultores (MPA), em Frederico Westphalen/RS, que atrela Soberania Alimentar e Soberania Energética como uma forma de produção alternativa ao modelo hegemônico degradante a natureza e ao ser humano engendrado pelo agronegócio. A organização deste projeto se dá numa perspectiva de interação equilibrada entre a produção de alimentos e a produção de energia, projeto esse que o MPA denominou de ALIMERGIA. Busca-se com este projeto a construção da Soberania Alimentar e a Soberania Energética concomitantemente. Esta experiência pode ser visualizada em um trabalho de campo feito em Frederico Westphalen/RS em 2010.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CAMACHO, Rodrigo Simão. O Plano Camponês para a Soberania Alimentar e Energética numa perspectiva Agroecológica. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 9, n. 4, feb. 2015. ISSN 2236-7934. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/16391>. Acesso em: 05 dec. 2020.
Palavras-chave
Campesinato, MPA, ALIMERGIA
Seção
AGROECOL2014 - Trabalhos técnico-científicos